A feminização da violência contra o idoso e as delegacias de polícia

Guita Grin Debert, Amanda Marques de Oliveira

Resumo


A violência contra o idoso é considerada violação dos direitos humanos, e o Brasil tem se empenhado em garantir os direitos dos mais velhos. Com o interesse de discutir os dilemas envolvidos nas iniciativas adotadas no país, o artigo analisa como as agressões contra homens e mulheres mais velhos são tratadas pela polícia, revelando a desconexão entre a imagem que os policiais têm da velhice e o idoso que de fato recorre à polícia. O argumento central é que essa desconexão leva à invisibilidade da violência perpetrada, à feminização da velhice e à consideração de que os crimes são fruto de um déficit da moral familiar. A dinâmica do funcionamento das delegacias as transforma em instâncias voltadas à judicialização das relações na família, e o idoso, de sujeito de direitos, passa a ser objeto da violência familiar.


Palavras-chave


Velhice. Violência; Delegacias especiais de polícia; Gênero.

Texto completo:

PDF

Referências


BIGGS, Simon. Elder abuse in perspective: Buckingham. Philadelphia: Open University Press, 1996.

BIGGS, Simon. Toward critical narrativity: stories of aging in contemporary social policy. Journal of Aging Studies, Oxford, v. 15, n. 4, p. 303-316, 2001.

CORRÊA, Mariza. Os crimes da paixão. São Paulo: Brasiliense, 1981.

BIGGS, Simon. Morte em família: representações jurídicas e papéis sexuais. Rio de Janeiro: Graal, 1983.

DEBERT, Guita Grin. A reinvenção da velhice. São Paulo: FAPESP/EDUSP, 1999.

DEBERT, Guita Grin. A família e as novas políticas sociais no contexto brasileiro. Intersecções: Revista de Estudos Interdisciplinares do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da UERJ, Rio de Janeiro, ano 3, n. 2, p. 71-92, 2001.

DEBERT, Guita Grin; OLIVEIRA, Amanda. O idoso, as delegacias e os usos da violência doméstica. In: MORAES, Aparecida; SORJ, Bila (Org.). Gênero, violência e direitos na sociedade brasileira. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2009. p. 23-48.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: a história da violência nas prisões. 16. ed. Petrópolis: Vozes, 1977.

HABERMAS, Jürgen. Tendências da juridicização. Sociologia, n. 2, p. 185-204, 1987.

JUVÊNCIO, Fernanda; BAPTISTA, Vanessa. As delegacias de proteção ao idoso em São Paulo e Campinas. Relatório de Iniciação Científica enviado ao CNPq em 1994.

KANT DE LIMA, Roberto; AMORIM, Maria Stella, BURGOS, Marcelo. L’administration de la violence quotidienne au Brésil: l’expérience des tribunaux criminels spécialisés. Nanterre. L’Harmattan, Paris, n. 3, p. 199-228, 2001. (Numéro hors de serie).

LASLETT, Peter. The emergence of the third age. Aging and Society, Cambridge, v. 7, n. 2, 133-160, 1987.

LINS DE BARROS, Miriam Moraes. Autoridade e afeto: filhos e netos na família brasileira. Rio de Janeiro: Zahar, 1987.

LENOIR, Remi. Objet sociologique et probleme social. In: LENOIR; Remi; PINTO; Louis; CHAMPAGNE, Patrick; MERLLIE, Dominique (Org.). Initiation a la pratique Sociologique. Paris: Dunod, 1989.

MACHADO, Laura; QUEIROZ, Zally. Negligência e maus-tratos. In:FREITAS, Elizabeth Viana de; XAVIER, Flávio Aluizio (Org.). Tratado de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, 2002. p. 791-797.

MIRANDA, Ana Paula; MELLO, Kátia Sento Sé (Org.). Dossiê da pessoa idosa. Rio de Janeiro: ISP, 2007. (Série Estudos, 5).

MOTTA, Alda Brito de. As dimensões de gênero e classe social na análise do envelhecimento. Cadernos Pagu, São Paulo, n. 13, p. 191-221, 1999.

OLIVEIRA, Amanda Marques. A feminização da velhice e a invisibilidade da violência contra o idoso. 2008. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Instituto de Filosofia de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

PASINATO Maria Teresa; CAMARANO, Ana Amélia; MACHADO, Laura. Idosos vítimas de maus-tratos domésticos: estudo exploratório das informações dos serviços de denúncia.

In: ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS, 14., 2004, Caxambu. Anais... Caxambú: ABEP, 2004.

PEIXOTO, Clarice. Sobre a institucionalização da velhice e as condições de asilamento. In: GOLDEMBERG, Miriam (Org.). Corpo, velhice e felicidade. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2011.

RIFIOTIS, Theophilos. As delegacias especiais de proteção à mulher no Brasil e a “judicialização” dos conflitos conjugais. In: ANUÁRIO 2003: Direito e globalização. Rio de Janeiro: Lúmen Júris/UNESCO/MOST, 2003. p. 381-409.

RIFIOTIS, Theophilos.; CASTELNUOVO, Natália. La “violência” como punto de partida. In: ______. Antropologia, violência y justicia. Buenos Aires, Editorial Antropofagia, 2011.

VIANNA, Luiz Werneck; CARVALHO, Maria Alice Rezende de; MELO, Manuel Palacios Cunha; BURGOS, Marcelo Baumann. A

judicialiazação da política e das relações sociais no Brasil. Rio de Janeiro: Renavan, 1999.

SIMÕES, Julio Assis. Provedores e militantes: imagens de homens aposentados na família e na vida pública. In: PEIXOTO, Clarice (Org.). Família e envelhecimento. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004. p. 25-56.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2012v17n2p196

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International