Soft power, o brilho da espada:o Brasil e a ordem internacional pós 11 de setembro

Roberto Goulart Menezes

Resumo


O objetivo deste artigo é examinar em que medida os eventos de 11 de setembro de 2001 contribuíram para a revisão da inserção internacional do Brasil e de como estes influíram na elaboração de uma nova estratégia no governo Lula da Silva (2003-2010). Entre as principais mudanças na agenda externa do País figuram a derrocada das negociações da ALCA, a busca de uma inserção soberana e o fortalecimento de uma ordem multipolar. Para isso, os eventos de 11 de setembro são discutidos à luz do conceito braudeliano de longa duração, que separa os acontecimentos de curta duração (os episódios) daqueles que ressoam e acabam por mudar os rumos da história dos povos e das nações.

 


Palavras-chave


Ordem internacional; Governo Lula; Estados Unidos; Longa duração.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA FILHO, João Genésio. O fórum de diálogo Índia, Brasil e África do Sul (IBAS): análise e perspectivas. Brasília: FUNAG, 2009.

AMORIM, Celso. A ALCA possível. Folha de São Paulo, São Paulo, 8 jun. 2003.

ASH, Timothy Garton. Onze de setembro. Folha de São Paulo, São Paulo, 15 set. 2001.

AYERBE, Luiz Fernando. O poder estadunidense. In: ______. Ordem, poder e conflito. São Paulo: Unesp, 2006. p. 15-78.

BERNAL-MEZA, Raul. Multilateralismo e unilateralismo na política mundial: América Latina frente à ordem mundial em transição. Revista Brasileira de Política Internacional, Brasília, v. 48, n. 1, p. 5-23, 2005.

BRAUDEL, Fernand. A longa duração. In: ______. História e ciências sociais. Lisboa: Presença, 1972. p. 7-70.

CRUZ, Sebastião C. Velasco. Reestruturação econômica mundial, mudança geopolítica e reformas nos países periféricos. In: ______. Trajetórias: capitalismo neoliberal e reformas econômicas nos países da periferia. São Paulo: Unesp, 2007. p. 389-409.

FIORI, José Luis. Prefácio. In: ______. O poder global e a geopolítica das nações. São Paulo: Boitempo, 2007. p. 13-40.

FIORI, José Luis. (Org.). Estados e moedas no desenvolvimento das nações. Petrópolis: Vozes, 1999.

GARCIA, Marco Aurélio. Entrevista ao autor. Brasília, 2009.

GUIMARÃES, Samuel Pinheiro. Desafios brasileiros na era dos gigantes. Rio de Janeiro: Contraponto, 2006.

HOBSBAWM, Eric. Para onde vai o império americano? O Estado de S. Paulo, São Paulo, 29 jun. 2003. p. A-20-21.

HOBSBAWM, Eric. O novo século. São Paulo: Cia. das Letras, 2000.

HOBSBAWM, Eric. Ecos da Marselhesa. São Paulo: Cia das Letras, 1990.

LAFER, Celso; FONSECA JUNIOR, Gelson. Questões para a diplomacia no contexto internacional das polaridades indefinidas (notas analíticas e algumas sugestões). In: FONSECA JUNIOR, G.; CASTRO, S. H. N. (Org.). Temas de política externa brasileira II. São Paulo: Paz e Terra, 1994. p. 49-77. v. 1.

LIMA, Maria R. Soares; HIRST, Mônica. Brazil as an intermediate state and regional power: action, choice and responsabilites. International Affairs, Guildford, v. 82, n. 1, p. 21-40, 2006.

MARTINS, Luciano. O fundamentalismo de Bush e a nova ordem mundial. Política Externa, São Paulo, v. 12, n. 1, p. 31-42, jun./ago. 2003.

NYE JUNIOR, Joseph. Soft power: the means to success in word politics. Nova York: Public Affairs, 2004.

NYE JUNIOR, Joseph. O paradoxo do poder americano. São Paulo: Unesp, 2002.

SOUZA, Amaury de. A agenda internacional do Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 2009.

VIZENTINI, Paulo Fagundes. O Brasil, o Mercosul e a integração da América do Sul. In: WIESEBRON, M. e GRIFFITHS, R. (orgs.). Processos de integração regional e cooperação intercontinental desde 1989. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2008, pp. 93-108.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2011v16n2p107

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International