Políticas Editoriais

Foco e Escopo

Criada em 1996, a revista Mediações é uma publicação quadrimestral do Departamento e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia, voltada para o debate sobre temas relevantes e/ou atuais das Ciências Sociais e de áreas afins.

Mediações dedica-se à missão de divulgar conteúdo científico de qualidade produzido por pesquisadore(a)s nacionais e estrangeiro(a)s, com o objetivo de fomentar e ampliar a produção de conhecimento, contribuindo seja para a inovação teórica e/ou metodológica, seja para o avanço de análises empíricas qualificadas na pesquisa em Ciências Sociais e Humanas.

Mediações publica em cada número um dossiê temático, escolhido por meio de chamada pública para organização de dossiês, com prazos definidos para o envio das submissões, além de uma seção livre de artigos e uma de resenhas, ambas com fluxo contínuo.

As contribuições a Mediações devem ser inéditas e podem ser enviadas em português, inglês e em espanhol. As avaliações são realizadas por pelo menos dois(duas) pareceristas ad hoc especialistas no tema (método Double Blind Review).

 

Políticas de Seção

Dossiê

Mediações – Revista de Ciências Sociais é um periódico que trabalha com dossiês temáticos em sua composição. Qualquer pesquisador(a), seja interno(a) ou externo(a) ao Departamento de Ciências Sociais da UEL, pode propor uma ementa de dossiê à Revista, em conformidade com os Editais Públicos de Chamada de Dossiês, que são amplamente divulgados no site da Revista, dentre outros meios. A Comissão Editorial delibera, em reunião presencial, sobre a pertinência (e consequente aceite) ou não da proposta. Mediações prefere organizar dossiês temáticos que possam contemplar a interdisciplinaridade no interior das Ciências Sociais e, por este motivo, não encoraja propostas que tenham como tema a produção de um autor.

Uma vez aceita a proposta de dossiê, há dois caminhos a seguir: 1 - em se tratando de dossiê a ser organizado por professore(a)s externo(a)s à Comissão Editorial, um dos editores responsáveis assume a responsabilidade de acompanhar as decisões editoriais do(a)s organizadore(a)s do dossiê; 2 - em se tratando de dossiê cuja organização é realizada em parte por um dos membros da Comissão Editorial, o acompanhamento das decisões editoriais do(a)s organizadore(a)s fica a cargo deste mesmo membro.

É realizada uma chamada pública para a recepção dos artigos do dossiê, que tem prazo estipulado de envio (ao contrário do que ocorre com as outras contribuições, que podem ser realizadas em fluxo contínuo). No caso dos dossiês, há também a etapa de triagem do artigo, na qual o(a)s organizadore(a)s devem atentar principalmente para a aderência do artigo à temática do dossiê. Podemos afirmar que o processo seletivo dos artigos que irão compor o dossiê é ainda mais competitivo, pois há um limite máximo de contribuições que podem ser publicadas (nossos dossiês são compostos de 6 artigos, incluída a apresentação quando esta tiver o formato de artigo científico).

Após a triagem dos manuscritos, tal como ocorre com os artigos livres, os textos são enviados aos pareceristas que darão três possíveis respostas quanto à publicação dos textos, sendo elas as mesmas aplicadas aos artigos livres: o artigo pode ser aceito sem necessidade de alterações, aceito desde que observadas as correções obrigatórias ou rejeitado. Maiores detalhes sobre a tramitação dos artigos podem ser encontrados em nossa Política de Privacidade.

Cabem aos(às) organizadore(a)s do dossiê as mesmas tarefas que são atribuídas aos(às) editore(a)s de seção na categoria “artigos livres”, de forma que ele(a)s informarão aos editores responsáveis, ao final do processo, quais são os artigos que irão compor o dossiê. Ademais, cabe aos(às) organizadore(a)s do dossiê: elaborar o texto de apresentação do dossiê; definir a sequência de artigos na composição final do dossiê; comunicar aos(às) autore(a)s cujos artigos não foram selecionados para compor o dossiê o arquivamento da sua submissão. 

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Artigos

Os artigos, acompanhados de título, resumo e palavras-chave (em português e em inglês), devem ter um volume mínimo de 40.000 caracteres (com espaços) e máximo de 60.000 caracteres (com espaços). O resumo, com o máximo de doze linhas, deverá definir com clareza o objeto da discussão. As palavras-chave deverão identificar de forma clara o objeto de estudo, o tema ou a área de concentração do artigo, devendo estar no limite entre 3 e 5.

Deverão ser observadas também as seguintes regras:

a) A titulação mínima do(a) autor(a) principal para submissão à Revista Mediações é a de Mestre.

 b) Só serão aceitos artigos com, no máximo, 3 (três) autore(a)s. É obrigatório que todo(a)s o(a)s envolvido(a)s na feitura do texto estejam registrados e cadastrados, desde o início da submissão, como autore(a)s. No caso de submissões com mais de um(a) autor(a), a(s) parte(s) redigida(s) por cada um(a) deve(m) ser devidamente identificadas em arquivo à parte, a ser adicionado no momento da submissão como Documento Suplementar de Co-Autoria".

 c) Autore(a)s que tenham publicado em Mediações terão de cumprir um interstício de dois anos para publicar novo artigo e de 18 meses a partir da data de publicação para fazer nova submissão.

 d) O texto deve ser redigido em conformidade com a norma culta da língua e com os padrões da ABNT NBR 6023. Caso se constate que não passou por revisão gramatical e ortográfica adequadas à linguagem científica douta, o manuscrito pode vir a ser recusado.

 e) A identificação de autoria do trabalho tem der ser removida do arquivo e da opção Propriedades no Word, a fim de que seja agarantido o critério de anonimato da revista (blind review).

 f) É obrigatório que o(a) autor(a) e/ou o(a)s (co)autore(a)s incluam seu(s) ORCID nos dados de identificação bem como os demais dados obrigatórios (nome completo, afiliação institucional completa, cidade, Estado, país, minicurrículo, link para o Lattes, fonte(s) de financiamento, possíveis conflitos de interesse).

 g) É de inteira responsabilidade do(a)s autore(a)s a observação das regras de boas práticas acadêmicas, em particular as de plágio e autoplágio, descritas nas instruções contidas na seção Plágio da Revista. O índice máximo de autocitação aceito por Mediações é de 5%.

 h) O(A)s autore(a)s devem assegurar que sua investigação seguiu os preceitos éticos e jurídicos previstos pelos documentos que normatizam a conduta ética na pesquisa envolvendo seres humanos e/ou animais em sua área de conhecimento, como indicado na seção Preceitos Éticos da Revista, cumprindo todas as exigências requeridas pela legislação em vigor específica do país em que a pesquisa foi realizada.

Findo o processo de submissão pelos(as) autores(as), passa-se à etapa de triagem do artigo, na qual o(a)s editore(a)s de seção fazem uma primeira avaliação do material, atentando principalmente para a aderência do artigo à linha editorial da revista. Após a triagem dos manuscritos, os textos são enviados aos pareceristas que darão três possíveis respostas quanto à publicação dos textos: o artigo pode ser aceito sem necessidade de alterações, aceito desde que observadas as correções obrigatórias ou rejeitado.

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Resenhas

Mediações aceita resenhas de livros publicados no exterior nos últimos cinco anos – não serão aceitas resenhas de coletâneas de artigos. Devem conter no mínimo 9.000 caracteres (com espaços) e no máximo 14.000 caracteres (com espaços). Os textos devem tanto apresentar as ideias centrais do(a)s autore(a)s, como as considerações críticas do(a) resenhista sobre o conteúdo do livro. A qualidade da obra resenhada, assim como da análise crítica realizada pelo autor são igualmente importantes e serão avaliadas pela comissão editorial. Como ocorre com outros periódicos de inegável importância nacional e internacional, as contribuições nas formas de resenhas, traduções e entrevistas são julgadas no interior da comissão editorial, não sendo solicitados pareceres externos para isso.

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares
 

Processo de Avaliação pelos Pares

Da “triagem”, ou da primeira avaliação dos manuscritos, submetidos na categoria “artigos livres”:

Os manuscritos passam por duas etapas preliminares. Na primeira, antes de chegar aos(às) Editore(a)s de Seção, são verificados adequação aos critérios da revista (número de caracteres, de co-autore(a)s, titulação, regra da quarentena, etc), plágio e autoplágio, foco e escopo. Na segunda etapa (chamada “triagem”), sob responsabilidade de um(a) Editor(a) de Seção, são verificados o ineditismo dos textos, a pertinência e seu enquadramento na política editorial e no perfil da revista. O manuscrito deve ter um caráter analítico e uma estrutura concisa e coerente, de acordo com as normas habituais de artigo científico. Caso não atinja todos esses critérios, o manuscrito é recusado em primeira instância. Quando atende a esses critérios, o manuscrito é encaminhado para pareceristas ad hocMaiores detalhes sobre a tramitação dos artigos podem ser encontrados em nossa Política de Privacidade.

 

Periodicidade

Publicação quadrimestral

 

Política de Acesso Livre

Mediações oferece Acesso Aberto a todo o seu conteúdo, seguindo o princípio de disponibilizar gratuitamente ao público o resultado de pesquisas científicas avaliadas pelos pares, de modo a tanto fomentar o intercâmbio global de conhecimento científico quanto proporcionar maior democratização do conhecimento. Para tanto, adota a Licença Creative Commons Attribution 4.0 International. Para obter informações sobre os impactos do acesso livre sobre o incremento da leitura e citação de trabalhos científicos, consulte o sítio do Public Knowledge Project.

 

Arquivamento

Esta revista utiliza o sistema LOCKSS para criar um sistema de arquivo distribuído entre as bibliotecas participantes e permite às mesmas criar arquivos permanentes da revista para a preservação e restauração. Saiba mais...

 

Taxas

A Revista Mediações não cobra do(a)s autore(a)s nenhuma taxa ou contribuição financeira pela submissão, avaliação e publicação de artigos ou qualquer outro tipo de texto que venha a ser publicado.

A revista segue o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento.

 

Plágio

Copiar um estudo, ou parte dele, de outro(a) autor(a) ou mesmo de publicação própria, constitui fraude inaceitável e desonestidade. Ideias e palavras próprias já publicadas e/ou de outro(a)s não devem ser utilizadas sem a identificação da fonte de informação.

Mediações condena o plágio acadêmico e adota práticas rigorosas de verificação: todas as submissões recebidas são rodadas no Ephorus e em outros programas, o que nos permite a detecção de plágio e também um controle estrito do autoplágio.

Consideramos que é dever do(a)s autore(a)s observar as regras de boas práticas acadêmicas; para tanto, o(a)s autore(a)s têm de declarar, no momento da submissão, que elas foram obedecidas.

Mediações é um periódico comprometido com as boas práticas acadêmicas na pesquisa e subscreve o Code of Conduc and Best Practice Guidelines for Journal Editors e demais diretivas do Committee on Publication Ethics (COPE).

 

Preceitos Éticos

A publicação de artigos que trazem resultados de pesquisas envolvendo seres humanos está condicionada ao cumprimento dos preceitos éticos contidos na Declaração de Helsinki (1964, reformulada em 1975, 1983, 1989, 1996, 2000 e 2008), da Associação Médica Mundial.

Quando submetem artigos, o(a)s autore(a)s asseguram que sua pesquisa seguiu os preceitos éticos previstos para sua área de conhecimento, cumprindo todas as exigências requeridas pela legislação em vigor específica do país em que a pesquisa foi realizada.

Cópia do documento de aprovação por um comitê de ética de pesquisa deverá ser anexada, sempre que pertinente, como documento suplementar no processo de submissão. 

A Comissão Editorial reserva-se a prerrogativa de solicitar esclarecimentos bem como requerer documentação complementar caso julgue necessário.

 

Documento Suplementar de Co-Autoria

Caso a submissão à revista conte com mais de um(a) autor(a), cada um(a) do(a)s autore(a)s que assinam o manuscrito submetido a Mediações tem de inserir no site, no momento da submissão, um Documento Suplementar de Co-Autoria, declarando:

1) O título completo do manuscrito bem como o nome de todo(a)s o(a)s co-autore(a)s envolvidos na feitura do texto;

2) Sua identificação completa: nome, endereço para correspondência, cpf e nacionalidade;

3) Uma descrição de sua participação na elaboração do texto (deve especificar que partes da produção são de sua responsabilidade: a concepção da pesquisa, a coleta de dados, entrevistas e/ou outros materiais utilizados, o processamento do material, a análise e interpretação dos dados, etc). Caso o trabalho de redação tenha sido dividido por seções internas ao texto, indicar também que autor(a) redigiu qual(is) parte(s);

4) O(A) autor(a) deve declarar ainda que concorda integralmente com a versão submetida à revista pelo(a) primeiro(a) autor(a) e que assume total corresponsabilidade ética e científica em relação ao conteúdo do manuscrito;

5) As declarações devem ser assinadas (contendo cada uma necessariamente local, data e assinatura do(a) co-autor(a)) e inseridas, separadamente e preferencialmente em formato PDF, como “Documento Suplementar" no site de Mediações, no momento da submissão; o(a)s autore(a)s são responsáveis por observar que esteja desmarcada a opção “Habilitar documento aos avaliadores”.

Caso os termos do Documento Suplementar de Co-Autoria não estejam de acordo com as indicações acima, a submissão será devolvida e arquivada.

 

Conflitos de Interesse

Conflitos de interesse podem ser de ordem pessoal, acadêmica, política, profissional, comercial, financeira, etc. Podem ocorrer quando autore(a)s, editore(a)s de seção ou pareceristas têm interesses que podem influenciar e/ou interferir na elaboração ou avaliação de manuscritos, devendo por isso ser declarados pelas partes envolvidas no processo editorial, quando estas detectam potenciais conflitos de interesse.

Para evitar tal problema, o(a)s pareceristas têm de declarar, no momento da aceitação da avaliação, a não existência de conflitos de interesse em relação ao manuscrito a ser avaliado, a qual inclui a não identificação prévia da autoria do manuscrito.

Autore(a)s, por sua vez, são responsáveis por reconhecer e expor potenciais conflitos de interesse que possam interferir no processo de avaliação cega por pares; têm também de identificar o apoio financeiro recebido bem como outras conexões pessoais ligadas à sua execução que possam afetar a boa condução dos procedimentos editoriais.