Autonomia corporal e manipulação genética

Rita de Cássia Resqueti Tarifa, Valkíria Lopes Ferraro

Resumo


A pesquisa envolvendo a biotecnologia vem sendo alvo de discussões acirradas, porquanto se sabe que os novos conhecimentos produzidos por essa área são passíveis de provocar  radicais transformações no trato do homem com a vida, incluindo aí mudanças de concepção sobre a própria vida humana e adoção de novas práticas destinadas a preservá-la, prolongá-la, alterá-la, ainda que exista a dificuldade em precisar tais mudanças. O interesse coletivo no irrenunciável progresso da ciência médica de um lado e o interesse individual, o respeito à pessoa humana, em seus bens existenciais de vida, dignidade e integridade física, etc., de outro, exigem um repensar sobre o uso de modernas tecnologias e uma regulamentação jurídica de seus limites.


Palavras-chave


Direito civil; evolução; autonomia corporal; manipulação genética

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2178-8189.2005v9n0p273



Scientia Iuris

ISSN (eletrônico) 2178-8189

 

E-mail: revistamdireito@uel.br



 
Esta obra está licenciada com uma licença Creative Commons Atribuição-Não comercial 4.0 Internacional.