Investigação panorâmica sobre a adoção de estruturas facetadas no viés da arquitetura da informação

Márcio Bezerra Da Silva, Zeny Duarte de Miranda

Resumo


Introdução: Considerando os sistemas de organização da arquitetura da informação, com ênfase nas estruturas de organização, discute-se a adoção de facetas em ambientes digitais, ponderando modelos de facetação, suportes digitais onde os modelos foram adotados, modelos por escopo de atuação, evolução dos ambientes digitais ao longo dos anos e facetas à luz das categorias fundamentais Personalidade-Matéria-Energia-Espaço-Tempo, oriundas da teoria da classificação facetada do indiano Ranganathan. Objetivo: Apresentar um panorama de uso de facetas na estruturação de ambientes digitais. Metodologia: Estudo exploratório e bibliográfico, com coleta de dados qualitativa de ambientes digitais que utilizam modelos de facetação e suas características, realizada em 2017 e continuada até 2020. Resultados: Os websites de e-commerce são os espaços onde os modelos facetados são mais adotados, tendo o wine.com como uma inspiração, inclusive com alguns atualizando suas facetações em novas perspectivas com o tempo; o escopo de aplicação de facetações concentra-se no mundo dos negócios, iniciando em 2006 e continuando ao longo do tempo; e personalidade foi a mais presente entre os itens das categorias fundamentais. Conclusões: A adoção de facetas permite que um mesmo objeto tenha interpretações diferentes em um menu navegacional, formaliza a multidimensionalidade idealizada por Ranganathan a partir de mnemônicas personalizadas ao escopo do ambiente digital, orienta na construção de taxonomias múltiplas e rasas e representa uma forma de classificação que acentua-se ao longo dos anos, fortalecendo a inferência de que os websites assumiram a facetação como um caminho para organizar a informação segundo estruturas de navegação e busca integradas.


Palavras-chave


Facetas; Categorias Fundamentais; Teoria da Classificação Facetada; Arquitetura da Informação; Estruturas de Organização

Texto completo:

PDF

Referências


AGNER, L. Ergodesign e arquitetura de informação: trabalhando com o usuário. 2. ed. Rio de Janeiro: Quartet, 2009.

ARCHAEOLOGY DATA SERVICE. ADS. 2020. Disponível em: http://archaeologydataservice.ac.uk/. Acesso em: 02 maio 2020.

BETTY CROCKER. General Mills. 2020. Disponível em: https://www.bettycrocker.com/. Acesso em: 02 maio 2020.

BROUGHTON, V. et al. Knowledge Organization. European Curriculum Reflections on Library and Information Science Education, p. 133-148, 2005. Disponível: http://arizona.openrepository.com/arizona/bitstream/10150/105851/1/KnowledgeOrg_chapter+7.pdf. Acesso: 12 abril 2020.

CAMERA HOUSE. Camera house. 2020. Disponível em: https://www.camerahouse.com.au/. Acesso em: 02 maio 2020.

CAMPOS, M. L. A. Linguagem documentária: teorias que fundamentam sua elaboração. Niterói: Ed. da UFF, 2001.

DAHLBERG, I. Knowledge organization: a new Science? Knowledge organization, v. 33, n. 1, p. 11-19, 2006.

DAHLBERG, I. Knowledge organization: its scope and possibilities. Knowledge Organization, v. 20, n. 4, p. 211-222, 1993.

DAHLBERG, I. Teoria da classificação, ontem e hoje. In: CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE CLASSIFICAÇÃO BIBLIOGRÁFICA, Rio de Janeiro, 1972. Anais... Brasília, IBICT/ABDF, 1979. v. 1, p. 352-370. Disponível em: http://www.conexaorio.com/biti/dahlbergteoria/dahlberg_teoria.htm. Acesso em: 05 abr. 2020.

DAHLBERG, I. Teoria do conceito. Tradução de Astério Tavares Campos. Ciência da Informação, Brasília, v. 7, n. 2, p. 101-107, 1978. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/115/115. Acesso em: 05 abr. 2020.

DENTON, W. How to make a faceted classification and put it on the web. 2011. Disponível em: https://www.miskatonic.org/library/facet-web-howto.html. Acesso em: 02 maio 2020.

DIJCK, P. V. Introduction to XFML. O'Reilly Media, Inc., 2003. Disponível em: https://www.xml.com/pub/a/2003/01/22/xfml.htm. Acesso em: 09abr. 2020.

FACETMAP. Facetmap. 2009. Disponível em: http://www.facetmap.com/. Acesso em: 02 maio 2020.

FLEXIBLE INFORMATION ACCESS USING METADATA IN NOVEL COMBINATIONS. The Flamenco Search Interface Project. 2006. Disponível em: http://flamenco.berkeley.edu/. Acesso em: 02 maio 2020.

HEUSER, C. A. Projeto de Banco de Dados. 5. ed. UFRGS: Editora Sagra Luzzanato, 2004. (Série Livros Didáticos).

HJØRLAND, B. What is Knowledge Organization (KO)? Knowledge Organization, Copenhagen, v. 35, n. 2/3, 2008. Disponível em: https://www.ergon-verlag.de/downloads/35_2008_2-3.pdf. Acesso em: 20 maio 2020.

HODGE, G. Systems of Knowledge Organization for Digital Libraries: beyond traditional authorities files. Washington, DC: The Council on Library and Information Resources, 2000. Disponível em: http://www.clir.org/pubs/reports/pub91/pub91.pdf. Acesso em: 15 maio 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE INFORMAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Biblioteca Digital de Teses e Dissertações. [2020?]. Disponível em: http://bdtd.ibict.br/vufind/. Acesso em: 02 maio 2020.

JOHNSON, S. Cultura da interface: como o computador transforma nossa maneira de criar e comunicar. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2001.

KELSCH, S. Ranganathan’s Colon Classification in 1500 Words or Less. 2003. Disponível em: http://kelschindexing.com/colonclassification.html. Acesso em: 20 maio. 2020.

LIVRARIA CULTURA. Livraria cultura. 2020. Disponível em: https://www.livrariacultura.com.br/. Acesso em: 02 maio 2020.

LA BARRE, K. The use of faceted analytico-synthetic theory as revealed in the practice of website construction and design. 310f. Tese (Doutorado de Filosofia em Ciência da Informação) – Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação – Escola de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Universidade de Indiana, Indiana, 2006.

LIMA, J. L. O.; ALVARES, L. Organização e representação da informação e do conhecimento. In: ALVARES, L. (Org.). Organização da informação e do conhecimento: conceitos, subsídios interdisciplinares e aplicações. São Paulo: B4 Editores, 2012.

LOUIE, A. J.; MADDOX, E. L.; WASHINGTON, W. Using Faceted Classification To Provide Structure For Information Architecture. IA Summit, 2003. Disponível em: http://depts.washington.edu/pettt/presentations/conf_2003/IASummit.pdf. Acesso em: 15 maio 2020.

MICHAELIS. Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa. Melhoramentos, 2020. Disponível em: http://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues/. Acesso em: 11abr. 2020.

MANZOTTI, C. S. Design de Interface em Dispositivos Móveis. Mackenzie, 2013. Disponível em: https://issuu.com/cmanzotti/docs/design_de_interface_em_dispositivos. Acesso em: 10 nov. 2020.

NASCIMENTO, J. A. M.; AMARAL, S. A. Avaliação de usabilidade na Internet. Brasília: Thesaurus, 2010.

PC CONNECTION. Connection. 2020. Disponível em: https://www.connection.com. Acesso em: 02 maio 2020.

RANGANATHAN, S. R. Colon Classification. Bombay: Asia Publishing House, 1963.

RANGANATHAN, S. R. Colon Classification: basic classification. Bombay: Madras Library Association Publication, 1960.

RANGANATHAN, S. R. Prolegomena to library classification. Bombay: Asia PublishingHouse, 1967.

REIS, G. A. Centrando a arquitetura de informação no usuário. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Escola de Comunicações e Artes – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27151/tde-23042007-141926/ptbr.php. Acesso em: 05 abr. 2020.

REITZ, J. M. Online Dictionary for Library and Information Science. Santa Barbara: ABC-CLIO, 2014. Disponível em: https://www.abcclio.com/ODLIS/odlis_A.aspx. Acesso em: 20 jun. 2020.

ROSENFELD, L. MORVILLE, P.Information architecture for the word wide web. 3. ed. Sebastopol: O'Reilly, 2006.

ROSENFELD, L. MORVILLE, P; ARANGO, J. Information architecture for the web and beyond. 5. ed. Sebastopol: O'Reilly, 2015.

SATIJA, M. P. Colon Classification (CC). Encyclopedia of Knowledge Organization. 2017. Disponível em: http://www.isko.org/cyclo/colon_classification. Acesso em: 20 maio 2020.

SCHIESSL, M.; SHINTAKU, M. Sistemas de organização do conhecimento. In: ALVARES, L. (Org.). Organização da informação e do conhecimento: conceitos, subsídios interdisciplinares e aplicações. São Paulo: B4 Editores, 2012.

SOERGEL, D. The rise of ontologies or the reinvention of classification. Journal of the American Society of Information Science, v. 50, n. 12, 1999, p. 1119-1120. Disponível em: http://www.dsoergel.com/cv/B70.pdf. Acesso em: 05 abr. 2020.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA CAROLINA DO NORTE. Summon: NSCU libraries. 2020. Disponível em: http://ncsu.summon.serialssolutions.com/#!/. Acesso em: 02 maio 2020.

WILSON, T. The strict faceted classification model. Travis Wilson & Facetmap, 2006. Disponível em: http://www.facetmap.com/pub/strict_faceted_classification.pdf. Acesso em: 02 maio. 2020.

WINE.COM. Wine.com. 2020. Disponível em: https://www.wine.com/. Acesso em: 02 maio 2020.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2020v25n4p452

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional