Considerações epistemológicas sobre a incorporação do pragmatismo clássico nos estudos da informação

Sônia Cristina Bocardi Moraes, Carlos Cândido Almeida

Resumo


Introdução: A relação epistemológica contemplada pelo Pragmatismo Peirceano deve ser observada a partir das incorporações do conceito original peirceano no campo da Ciência da Informação para evitar distorções no uso do termo. O conceito de signo usado de uma maneira generalizada, assim como o pragmatismo, em suas versões posteriores a Charles S. Peirce (1839-1914) geram uma diversidade de abordagens que não se adequam ao entendimento da concepção original.  O pragmatismo peirceano com abordagens que incluem a metodologia pragmaticista e a semiótica nos processos de organização do conhecimento deve ter sua contribuição revista na Ciência da Informação Objetivo: O objetivo deste trabalho é apontar as contribuições epistemológicas do pragmatismo peirceano à Ciência da Informação e, em particular, à Organização da Informação. Metodologia: A análise teórica, visando a interpretação da Organização do conhecimento, tem na pesquisa bibliográfica fundamentação para relação entre a teoria pragmaticista peirceana e sua incorporação na Ciência da Informação. Resultados: Os processos de indexação são possibilidades de interpretação e não regras mentais de associação diádica entre significante e significado, entre conteúdo documental e um termo.  A evolução de interpretantes, e o encadeamento informacional criativo, presente na aquisição de conhecimento estão contidos no método pragmático peirceano, viabilizado para a Organização do Conhecimento usando sua característica de método científico. Conclusões: A aceitação das etapas criativas pragmáticas no ato de indexação implica em conceber esta característica epistemológica de criação que alia o conteúdo do documento à recuperação da informação.


Palavras-chave


Informação; Pragmatismo Peirceano; Organização do Conhecimento; Interpretante

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, C. C. de; FUJITA, M. S. L.; REIS, D. M. dos. Peircean semiotics and subject indexing: contributions of speculative grammar and pure logic. Knowledge Organization, v. 40, n. 4, p. 225-241, 2013. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/76267. Acesso em: 10 mai. 2017;

DAL'EVEDOVE, P. R.; ALMEIDA, C. C. de; FUJITA, M. S. L. A interpretação de conceitos no processo de indexação: aspectos e reflexões semióticas. In: CONGRESSO ISKO ESPANHA E PORTUGAL, 1.; CONGRESSO ISKO ESPANHA, 11., 2013, Porto. Anais [...], Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto; CETAC.MEDIA; ISKO, 2013. p. 190 - 203. Disponível em: http://www.iskoiberico.org/wp-content/uploads/2014/09/porto13.pdf. Acesso em: 10 mai. 2017.

EVANGELISTA, I. V.; GUIMARÃES, J. A. C.; ALMEIDA, C. C. A semiótica como subsídio para a representação do conhecimento: uma análise conceitual sobre o tema. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 15, 2014, Belo Horizonte. Anais […], Belo Horizonte: ECI/UFMG, 2014. p. 413 - 429. Disponível em: http://enancib2014.eci.ufmg.br/documentos/anais/anais-gt2. Acesso em: 10 mai. 2017.

HAUSMAN, C. R. Charles S. Peirce's evolutionary philosophy. Cambridge: Cambridge University Press, 1997.

HJØRLAND, B. Theory and metatheory of information science: a new interpretation. Journal of Documentation, v. 54, n. 5, p. 606-621, 1998. Disponível em: https://www.emeraldinsight.com/doi/pdfplus/10.1108/EUM0000000007183. Acesso em: 05 mar. 2019.

HJØRLAND, B. What is Knowledge Organization (KO)? Knowledge Organization, v. 35, n. 2/3, p. 86-101, 2008. Disponível em: https://www.nomos-elibrary.de/10.5771/0943-7444-2008-2-3-86/what-isknowledge-organization-ko-jahrgang-35-2008-heft-2-3. Acesso em: 10 out. 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2020v25n2p328

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional