Desafios para as pessoas com deficiência visual no acesso à informação digital

Karolina Vieira da Silva Bastos, Ivette Kafure Muñoz, Patrícia Neves Raposo

Resumo


Introdução: Este artigo apresenta estudo sobre a interação entre a pessoa com deficiência visual e a informação no ambiente digital.

Objetivo: Identificar os desafios de acesso à informação enfrentados pelas pessoas com deficiência visual na interação com os ambientes informacionais digitais.

Método: Estudo de natureza descritiva, utiliza como abordagem metodológica o método misto, por meio do método de pesquisa levantamento, com técnica de entrevista semiestruturada. A amostra da pesquisa é composta por 52 pessoas com deficiência visual, constituindo-se de alunos e funcionários do Centro de Ensino Especial de Deficientes Visuais e usuários e funcionários da Biblioteca Braille Dorina Nowill.

Resultados:  Os resultados da pesquisa mostram que a inserção dos recursos digitais na vida da pessoa com deficiência visual possibilita ter acesso a mais informações, de maneira rápida e atualizada, com independência e autonomia. Todavia, dificuldades de acesso também são identificadas: dificuldades de acessibilidade nas páginas web, incompatibilidade entre softwares, desconhecimento e inexperiência dos usuários no uso dos recursos digitais e da Internet; e necessidade de conscientizar e encorajar os desenvolvedores no envolvimento e consideração aos usuários com deficiência ao implementar recursos de acessibilidade.

Conclusões: Constata-se a importância do acesso à informação digital na vida da pessoa com deficiência visual, entretanto devido as diversas barreiras de acesso ainda impostas, demonstra-se a importância de se conhecer as suas especificidades e demandas antes de lhes oferecer tecnologias e serviços para que a informação no ambiente digital se torne cada vez mais acessível e inclusiva.


Palavras-chave


Acessibilidade digital. Deficiência visual. Estudo de usuários. Tecnologia Assistiva

Texto completo:

PDF

Referências


ADLER, Patricia A.; ADLER, Peter. The epistemology of numbers. In: BAKER, Sarah Elsie; EDWARDS, Rosalind. How many qualitative interviews is enough? Expert voices and early career reflections on sampling and cases in qualitative research. Discussion Paper. NCRM. 2012. p. 8-11. Disponível em: http://eprints.ncrm.ac.uk/2273/4/how_many_interviews.pdf. Acesso em: 23 dez. 2019.

APPLE. VoiceOver: você não precisa ver seu iPhone para usar seu iPhone. 2019. Disponível em: https://www.apple.com/br/accessibility/iphone/. Acesso em: 20 dez. 2019.

ARAUJO, Carlos Alberto Ávila. Paradigma social nos estudos de usuários da informação: abordagem interacionista. Informação & Sociedade: Estudos, João Pessoa, v. 22, n. 1, p. 145-159, jan./abr. 2012.

BABBIE, Earl. Métodos de pesquisas de survey. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

BEHAR, Patrícia Alejandra et al. A importância da acessibilidade digital na construção de objetos de aprendizagem. Revista Novas Tecnologias na Educação, Rio Grande do Sul, v. 6, n. 2. dez. 2008. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/renote/article/view/14459/8381. Acesso em: 22 dez. 2019.

BHATTACHERJEE, A. Social science research: principles, methods, and practices. USF Tampa Bay Open Access Textbooks Collection. Book 3. 2012.

BRASIL. Decreto nº 3.298, 20 de dezembro de 1999. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 21 dez. 1999. Seção 1, p. 66. Disponível em: http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?data=21/12/1999&jornal=1&pagina=66&totalArquivos=111. Acesso em: 23 dez. 2019.

BRASIL. Decreto nº 5.296, de 2 de dezembro de 2004. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 3 dez. 2004. Seção 1, p. 5. Disponível em: http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?data=03/12/2004&jornal=1&pagina=5&totalArquivos=192. Acesso em: 20 dez. 2019.

BRASIL. Departamento de Governo Eletrônico. eMAG: Modelo de Acessibilidade em Governo Eletrônico. Versão 3.1. abr. 2014. Disponível em: http://emag.governoeletronico.gov.br/. Acesso em: 19 dez. 2019.

BRASIL. Governo Digital. Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. Recursos de acessibilidade. 2019. Disponível em: https://www.gov.br/governodigital/pt-br/acessibilidade-digital/recursos-de-acessibilidade. Acesso em: 23 dez. 2019.

BRASIL. Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, ano 138, n. 244-E, 20 dez. 2000. Seção 1, p. 2. Disponível em: http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?data=20/12/2000&jornal=1&pagina=2&totalArquivos=304. Acesso em: 19 dez. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Programa de Capacitação de Recursos Humanos do Ensino Fundamental: deficiência visual. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2001. v. 1 fascículos I – II – III. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/def_visual_1.pdf. Acesso em: 12 dez. 2019.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência. Ata da VII Reunião do Comitê de Ajudas Técnicas: CAT CORDE / SEDH / PR realizadas nos dias 13 e 14 de dezembro de 2007. Disponível em: http://www.assistiva.com.br/Ata_VII_Reuni%C3%A3o_do_Comite_de_Ajudas_T%C3%A9cnicas.pdf. Acesso em: 12 dez. 2019.

CASELLI, Brígida Carla Almeida. Acesso à informação digital por portadores de necessidades especiais visuais: estudo de caso do Telecentro Acessível de Taguatinga. 2007. 94 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Departamento de Ciência da Informação e Documentação, Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação, Universidade de Brasília, Brasília, 2007.

CARVALHO, Keila Miriam Monteiro et al. Visão subnormal: orientações ao professor do ensino regular. Campinas: Unicamp, 1994.

CHOO, Chun Wei. A organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar conhecimento, construir conhecimento e tomar decisões. São Paulo: SENAC, 2003.

CONDE, Antônio João Menescal. Definindo a cegueira e a visão subnormal. 2012. Disponível em: http://www.ibc.gov.br/?itemid=94. Acesso em: 11 dez. 2019.

CRESWELL, John W. Investigação qualitativa e projeto de pesquisa: escolhendo entre cinco abordagens. 3. ed. Porto Alegre: Penso, 2014.

CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

CUNHA, Murilo Bastos da; AMARAL, Sueli Angeliza do; DANTAS, Edmundo Brandão. Manual de estudo de usuários da informação. São Paulo: Atlas, 2015.

DERVIN, Brenda; NILAN, Michael. Information needs and uses. In: WILLIAMS, Martha (ed). Annual Review of Information Science and Technology, White Plains, NY, v. 21. p. 3-33, 1986. Disponível em: https://comminfo.rutgers.edu/~tefko/Courses/612/Articles/zennezdervinnilan86arist.pdf. Acesso em: 19 dez. 2019.

FAÇANHA, Agebson Rocha. Uma proposta para acessibilidade visual e táctil em dispositivos touchscreen. 2012. 109 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Computação) – Departamento de Computação, da Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2012.

FAÇANHA, Agebson Rocha; VIANA, Windson; PEQUENO, Mauro Cavalcante. Estudo de interfaces acessíveis para usuários com deficiência visual em dispositivos móveis touchscreen. Nuevas Ideas en Informática Educativa, Santiago de Chile, v. 7, p. 144-149, 2011. Disponível em: http://www.tise.cl/volumen7/TISE2011/Documento18.pdf. Acesso em: 20 dez. 2019.

FERREIRA, Sueli Mara Soares Pinto. Design de biblioteca virtual centrado no usuário: a abordagem do SenseMaking para estudo de necessidades e procedimentos de busca e uso de informação. Ciência da Informação, Brasília, v. 26, n. 2, p. 214-217, maio/ago. 1997.

FIGUEIREDO, Nice Menezes de. Avaliação de coleções e estudo de usuários. Brasília: Associação dos Bibliotecários do Distrito Federal, 1979.

FIGUEIREDO, Nice Menezes de. Estudos de uso e usuários da informação. Brasília: IBICT, 1994.

GODBOLD, Natalya. Beyond information seeking: towards a general model of information behaviour. Information Research, v. 11, n. 4, jul. 2006. Disponível em: http://www.informationr.net/ir/11-4/paper269.html. Acesso em: 14 dez. 2019.

GOOGLE PLAY. Pacote de Acessibilidade do Android. 2019. Disponível em: https://play.google.com/store/apps/details?id=com.google.android.marvin.talkback. Acesso em: 23 dez. 2019.

GOOS, Bruna Marcon. Informação móvel para todos: acessibilidade em aplicativos jornalísticos para dispositivos móveis. 2015. 145 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação Social) - Faculdade de Comunicação Social, da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015.

INSTITUTO BENJAMIN CONSTANT. Os conceitos de deficiência: as diversas definições. 2005. Disponível em: http://www.ibc.gov.br/?catid=83&itemid=396. Acesso em: 12 dez. 2019.

KADE, Adrovane et al. Acessibilidade virtual. In: SONZA, Andréa Poletto et al. (org.). Acessibilidade e tecnologia assistiva: pensando a inclusão sociodigital de PNEs. Bento Gonçalves, RS: Instituto Federal do Rio Grande do Sul Campus Bento Gonçalves, 2013. cap. 5, p. 313-364. (Série Novos Autores da Educação Profissional e Tecnológica). Disponível em: http://forumeja.org.br/sites/forumeja.org.br/files/acessibilidade-tecnologia-assistiva%20(texto%20complementar).pdf. Acesso em: 20 dez. 2019.

KAUARK, Fabiana da Silva; MANHÃES, Fernanda Castro; MEDEIROS, Carlos Henrique. Metodologia da pesquisa: um guia prático. Itabuna: Via Litterarum, 2010.

KULPA, Cínthia Costa. A contribuição de uma modelo de cores na usabilidade das interfaces computacionais para usuários de baixa visão. 2009. 191 f. Dissertação (Mestrado em Design) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

MALHEIROS, Tania Milca de Carvalho. Necessidade de informação do usuário com deficiência visual: um estudo de caso da biblioteca digital e sonora da Universidade de Brasília. 2013. 305 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Universidade de Brasília, Brasília, 2013.

MANZINI, Eduardo J. A entrevista na pesquisa social. Didática, São Paulo, v. 26/27, p. 149-158, 1991.

MENG EE, Wong; LIIBY, Cohen. School, family and other influences on assistive technology use: access and challenges for students with visual impairment in Singapore. British Journal of Visual Impairment, v. 29, n. 2, p. 130-144, may 2011.

MILES, Matthew B.; HUBERMAN, A. Michael. Qualitative data analysis: a sourcebook of new methods. 2nd. ed. Thousand Oaks: Sage, 1994.

NUNES, Sylvia; LOMÔNACO, José Fernando. O aluno cego: preconceitos e potencialidades. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, São Paulo, v. 14, n. 1, jan./jun., p. 55-64, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pee/v14n1/v14n1a06. Acesso em: 12 dez. 2019.

PINSONNEAULT, Alain; KRAEMER, Kenneth L. Survey research methodology in management information systems: an assessment. Journal of Management Information Systems, v. 10, n. 2, p. 75-105, sep. 1993.

POLINA, Lidia; SILVA, Vera Lucia Ruiz Rodrigues da. Avaliação da acuidade visual em alunos do ensino fundamental e suas implicações pedagógicas. In: PARANÁ. Governo do Estado. Secretaria de Educação. Os desafios da escola pública paranaense na perspectiva do professor PDE. Cadernos PDE, 2013. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2013/2013_unioeste_edespecial_artigo_lidia_polina.pdf. Acesso em: 23 dez. 2019.

PONTE, Marina; SALVATORI, Tamara; SONZA, Andréa Poletto. Material digital acessível para deficientes visuais: ampliando o acesso à informação. Benjamim Constant, Rio de Janeiro, v. 18, n. 53, p. 16-29, dez. 2012.

ROCHA, Janicy Aparecida Pereira. (In)acessibilidade na web para pessoa com deficiência visual: um estudo de usuários à luz da cognição situada. 2013. 157 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, da Escola de Ciência da Informação, da Universidade Ferderal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2013.

SÁ, Elizabeth Dias de; CAMPOS, Izilda Maria de; SILVA, Myriam Beatriz Campolina. Inclusão escolar de alunos cegos e com baixa visão. In: ______. Formação continuada a distância de professores para o atendimento educacional especializado: deficiência visual. Brasília: SEEP/ SEED/ MEC, 2007. p. 13-38. Disponível em: . Acesso em: 23 dez. 2019.

SAMPIERI, Roberto Hernández; COLLADO, Carlos Fernández; LUCIO, Pilar Baptista. Metodología da la investigación. México: McGraw-Hill, 1991.

SILVA, Karolina Vieira da. A inclusão digital e as dificuldades do acesso à informação para pessoas com deficiência visual. 2010. 158 f. Monografia (Bacharel em Biblioteconomia) – Universidade de Brasília, Brasília, 2010.

SONZA, Andréa Poletto et al. Tecnologia assistiva e software educativo. In: SONZA, Andréa Poletto et al. (org.). Acessibilidade e tecnologia assistiva: pensando a inclusão sociodigital de pessoas com necessidades especiais. Bento Gonçalves, RS: Instituto Federal do Rio Grande do Sul Campus Bento Gonçalves, 2013. cap. 4, p. 199-312. (Série Novos Autores da Educação Profissional e Tecnológica). Disponível em: https://drive.google.com/file/d/1wtpwN4govndQFhGOYwtHnCVZ3bCegrJ0/view. Acesso em: 19 dez. 2019.

SONZA, Andréa Poletto. Ambientes virtuais acessíveis sob a perspectiva de usuários com limitação visual. 2008. 313 f. Tese (Doutorado em Informática na Educação) – Programa de Pós-Graduação em Informática na Educação, Centro Interdisciplinar de Novas Tecnologias na Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.

TORRES, Elisabeth Fátima; MAZZONI, Alberto Angel; ALVES, João Bosco da Mota. A acessibilidade à informação no espaço digital. Ciência da Informação, Brasília, v. 31, n. 3, p. 83-91, set./dez. 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ci/v31n3/a09v31n3.pdf. Acesso em: 20 dez. 2019.

TUOMINEN, Kimmo; TALJA, Sanna; SAVOLAINEN, Reijo. The social constructionist viewpoint on information practices. In: FISCHER, Karen E.; ERDELEZ, Sandra; McKECHNIE, Lynne (org.). Theories of information behaviour. Medford: Information Today, 2005. Disponível em: http://migre.me/vjg4a. Acesso em: 22 dez. 2019.

VEJA as opções de acessibilidade dos smartphones para quem tem deficiência. Olhar digital: o futuro passa primeiro aqui, 06 set. 2016. Lu Explica, Matérias. Disponível em: https://olhardigital.com.br/lu-explica/noticia/veja-as-opcoes-de-acessibilidade-dossmartphones-para-quem-tem-deficiencia/61728. Acesso em: 20 dez. 2019.

VITORINI, Érica Fernanda. Uso da linguagem documentária na busca da informação em bibliotecas universitárias: a perspectiva dos deficientes visuais. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, DA Universidade Estadual Paulista, Marília, 2015.

VYGOTSKY, L. S. Obras escogidas V: fundamentos de defectologia. Madrid: Visor, 1997.

WILSON, Thomas. Alfred Schutz, phenomenology and research methodology for information behaviour research. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON INFORMATION SEEKING IN CONTEXT, 4., 2002. Anais... Lisboa: Universidade Lusíada, 2002.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. International Statistical Classification of Diseases and Related Health Problems. 10th rev. Version 2016. Disponível em: http://apps.who.int/classifications/icd10/browse/2016/en#/H54. Acesso em: 20 dez. 2019.

WORLD WIDE WEB CONSORTIUM. Introduction to web accessibility. 2019a. Disponível em: https://www.w3.org/WAI/intro/accessibility.php. Acesso em: 14 ago. 2018.

WORLD WIDE WEB CONSORTIUM. Web accessibility evaluation tools list. 2016. Disponível em: https://www.w3.org/WAI/ER/tools/. Acesso em: 20 dez. 2019.

WORLD WIDE WEB CONSORTIUM. Web Accessibility Initiative (WAI). 2019b. Disponível em: https://www.w3.org/WAI/. Acesso em: 19 dez. 2019.

WORLD WIDE WEB CONSORTIUM. Web Content Accessibility Guidelines (WCAG) 2.0. 2008. Disponível em: https://www.w3.org/TR/WCAG20/. Acesso em: 20 dez. 2019.

WORLD WIDE WEB CONSORTIUM. Web Content Accessibility Guidelines 1.0. 1999. Disponível em: https://www.w3.org/TR/WCAG10/. Acesso em: 14 dez. 2019.

WORLD WIDE WEB CONSORTIUM. Web Content Acessibility Guidelines (WCAG) Overview. 2018. Disponível em: https://www.w3.org/WAI/intro/wcag.php. Acesso em: 22 dez. 2019.

ZAPPAROLI, Márcio; KLEIN, Fernando; MOREIRA, Hamilton. Avaliação da acuidade visual Snellen. Arquivo Brasileiro de Oftalmologia. São Paulo, v. 72, n. 6, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/abo/v72n6/08.pdf. Acesso em: 22 dez. 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2020v25n2p277

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional