Repositórios arquivísticos digitais confiáveis (RDC-Arq) como plataforma de preservação digital em um ambiente de gestão arquivística

Tânia Barbosa Salles Gava, Daniel Flores

Resumo


Introdução: Em um ambiente digital houve a necessidade de se repensar a garantia da cadeia de custódia ininterrupta, e como mantê-lo como um lugar de gestão arquivística, preservação permanente, custódia confiável, e como um arquivo permanente digital, motivado pela Lei 8159/91, que coloca como dever público a gestão dos documentos de arquivo, visando a sua eliminação ou recolhimento para guarda permanente.
Objetivo: Apresentar os Repositórios Arquivísticos Digitais Confiáveis (RDC-Arq) como uma alternativa para a preservação digital em um ambiente de gestão arquivística, a fim de manter os documentos arquivísticos digitais autênticos e acessíveis a longo prazo.
Metodologia
: Pesquisa exploratória, bibliográfica e documental, tendo como principais fontes documentais e bibliográficas o material resultante das fases do Projeto InterPARES, as normativas do Conselho Nacional de Arquivos e artigos científicos de pesquisadores nacionais e internacionais. Resultados: Apresentação e Discussão dos principais conceitos relacionados aos Repositórios Arquivísticos Digitais Confiáveis tais como repositórios digitais, repositórios arquivísticos digitais, repositórios digitais confiáveis, cadeia de custódia digital arquivística e cadeia de preservação.
Conclusões: É necessário olhar para o RDC-Arq, ou seja, para o Arquivo Permanente digital, como o lugar necessário e obrigatório perante a Lei 8159/91 para os documentos históricos/permanentes, e o lugar onde são implementados os referenciais consolidados e atuais de uma Preservação Digital Sistêmica.

Palavras-chave


Arquivologia; Repositórios Arquivísticos Digitais; Preservação Digital

Texto completo:

PDF

Referências


ARQUIVO NACIONAL. Dicionário brasileiro de terminologia arquivística. Rio de Janeiro, 2005. 231 p. Disponível em: http://conarq.arquivonacional.gov.br/images/publicacoes_textos/dicionrio_de_te rminologia_arquivistica.pdf. Acesso em: 28 jul. 2019.

BRASIL. Lei n.º 8.159, de 8 de janeiro de 1991. Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 9 jan. 1991. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8159.htm. Acesso em: 04 jul. 2016.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. Carta para preservação do patrimônio arquivístico digital. Rio de Janeiro, 2005, 24 p. Disponível em: http://conarq.arquivonacional.gov.br/images/publicacoes_textos/Carta_preserva cao.pdf. Acesso em: 14 ago. 2019.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. E-ARQ BRASIL: Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos. Rio de Janeiro, 2011. 139 p. Disponível em: http://conarq.gov.br/images/publicacoes_textos/earqbrasil_model_requisitos_20 09.pdf. Acesso em: 01 jan. 2009.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. Diretrizes para a presunção de autenticidade de documentos arquivísticos digitais. Rio de Janeiro, 2012. 10 p. Disponível em: http://conarq.arquivonacional.gov.br/images/publicacoes_textos/ cao_autenticidade_completa.pdf. Acesso em: 21 mar. 2018.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. Diretrizes para a Implementação de Repositórios Arquivísticos Digitais Confiáveis – RDC-Arq. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2015a. 31 p. Disponível em: http://conarq.gov.br/images/publicacoes_textos/diretrizes_rdc_arq.pdf. Acesso em: 04 nov. 2019.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. Orientação Técnica n.º 3: Cenários de uso de RDC-Arq em conjunto com o SIGAD. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2015b. 8 p. Disponível em: http://conarq.arquivonacional.gov.br/images/ctde/Orientacoes/Orientacao_tecni ca_rdcarq_2015_v8_pub.pdf. Acesso em: 04 nov. 2019.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. Glossário: Documentos Arquivísticos Digitais. Versão 7.0. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2016. 54 p. Disponível em: http://conarq.arquivonacional.gov.br/images/ctde/Glossario/2016-CTDEGlossario_V7_public.pdf. Acesso em: 21 mar. 2018.

DURANTI, Luciana. An Infrastructure for TruthEntrusting Digital Facts to Archival Theory. In: ALA-ICA CONFERENCE, México, nov. 2017. Disponível em: http://www.alaarchivos.org/wp-content/uploads/2017/12/Magistral-LucianaDuranti.pdf. Acesso em: 5 jun. 2019.

FERREIRA, Miguel. Introdução à preservação digital: Conceitos, estratégias e actuais consensos. Guimarães, Portugal: Escola de Engenharia da Universidade do Minho, 2006. 88 p.

FLORES, D.; ROCCO, B. C. B.; SANTOS, H. M. Cadeia de custódia para documentos arquivísticos digitais. Acervo - Revista do Arquivo Nacional, v. 29, n. 2, p. 117-132, 2016. Disponível em: http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/40511. Acesso em: 24 out. 2019.

GLADNEY, Henry. Long-Term Preservation of Digital Records: Trustworthy Digital Objects. The American Archivist, v. 72, n. 2, p. 401-435, 2009. Disponível em: https://americanarchivist.org/doi/pdf/10.17723/aarc.72.2.g513766100731832. Acesso em: 01 out. 2019.

GIL, Antônio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002. 175 p.

HIRTLE, P. B. Archival Authenticity in a Digital Age. Páginas A&B, Arquivos e Bibliotecas, Portugal, n. 6, p. 73-90, 2001. Disponível em: https://ojs.letras.up.pt/index.php/paginasaeb/article/view/136/128. Acesso em: 04 ago. 2019.

INTERNATIONAL COUNCIL ON ARCHIVES. Multilingual Archival Terminology. Disponível em: https://www.ica.org. Acesso em: 14 ago. 2019.

LUZ, Charlley; FLORES, Daniel. Cadeia de custódia e de preservação: autenticidade nas plataformas de gestão e preservação de documentos arquivístico. In: SEMINÁRIO SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO EM MUSEUS, 4., 2016, São Paulo. Anais eletrônicos [...] São Paulo: Pinateca de São Paulo, 2016. Disponível em: http://biblioteca.pinacoteca.org.br:9090/publicacoes/index.php/sim/article/view/1 05/110. Acesso em: 17 jul. 2019.

ROCHA, C. L. Repositórios para a preservação de documentos arquivísticos digitais. Acervo - Revista do Arquivo Nacional, Rio de Janeiro, v. 28, n. 2, p. 180-191, 2015. Disponível em: http://revista.arquivonacional.gov.br/index.php/revistaacervo/article/view/608/66. Acesso em: 04 nov. 2019.

SANTOS, H. M.; FLORES, D. As vulnerabilidades dos documentos digitais: Obsolescência tecnológica e ausência de políticas e práticas de preservação digital. Biblios - Revista de Bibliotecología y Ciencias de la Información, n. 59, p. 45-54, 2015. Disponível em: http://biblios.pitt.edu/ojs/index.php/biblios/article/view/215. Acesso em: 26 jun. 2019.

SANTOS, H. M.; HEDLUND, D. C.; FLORES, D. Padronização dos formatos de arquivo: um caminho para preservar os documentos arquivísticos digitais. Biblionline, João Pessoa, v. 11, n. 1, p. 158-172, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/biblio/article/view/25157. Acesso em: 04 nov. 2019.

WEITZEL, S. R. O papel dos repositórios institucionais e temáticos na estrutura da produção científica. Em Questão, Porto Alegre, v. 12, n. 1, p. 51-71, 2006. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/EmQuestao/article/view/19. Acesso em: 20 out. 2019




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2020v25n2p74

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional