Classificação de jogos eletrônicos como tecnologia assistiva para pessoas com deficiência visual

Claudio Gonçalves Bernardo, Cláudio Gottschalg Duque, Tomas Roberto Cotta Orlandi, Alexandre Mori

Resumo


Introdução: classificação da informação pertence a uma das categorias fundamentais da Ciência da Informação. Estudos sobre questões relacionadas à organização da informação são essenciais porque geram reflexões sobre a informação como coisa, um objeto a ser alcançado. Objetivo: propor a classificação de jogos eletrônicos que serve como tecnologia assistiva para a pessoa com deficiência visual, para ampliar a justificativa do uso de jogos como fonte de informação e recurso de apoio à apropriação da informação em contextos de aprendizados. Metodologia: Foi retirada a polissemia em nomes e classes de jogos eletrônicos pesquisados, foram identificados conceitos sobre jogos eletrônicos em pesquisa bibliográfica nos últimos 4 anos. Foi realizada uma diferenciação do jogo desenvolvido para entretenimento e o jogo desenvolvido para ser tecnologia assistiva para pessoa com deficiencia visual. Foi criada uma organização de cada estilo de jogo nos respectivos agrupamentos. Resultados: foi gerada uma classificação de jogos eletrônicos para as pessoas com deficiência visual. Além de apresentar a classificação o artigo chama a atenção para uma discussão social, posto que é um dos papeis da Ciência da Informação. Conclusões: A proposta não pretende criar um rótulo sobre a informação mas facilitar a compreensão de informação formatada para a pessoa com deficiencia visual.  Por se tratar de uma linguagem documentária pode ser aproveitada como catálogo de jogos eletrônicos disponíveis ao usuário pessoa com deficiencia visual, fomentar o diálogo sobre a informação que pode ser disponibilizada a partir do uso desses artefatos e servir de instrumento de transformação da sua realidade social.

Palavras-chave


Classificação da Informação; Pessoa com Deficiência Visual; Jogos Eletrônicos; Tecnologia Assistiva

Texto completo:

PDF

Referências


BASTOS, K. V. S. Os desafios encontrados no acesso à informação digital por pessoas com deficiência visual. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação). Universidade de Brasília. Brasil: Brasília, 2017.

BERNARDO, C. G.; MORI, A.; ORLANDI, T. R. C.; DUQUE, C. G. Multimodality by Electronic Games as Assistive Technology for Visual Disabilities. In: International Conference on Technology and Innovation in Sports, Health and Wellbeing, 2016. Anais […]. University of Trás-os-Montes e Alto Douro, Vila Real, Portugal, 2016.

BING. Página inicial da pesquisa. Disponível em: https://www.bing.com. Acesso em: 5 fev. 2018.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Decreto 5.904, de 21 de setembro de 2006. Dispõe sobre o direito da pessoa com deficiência visual de ingressar e permanecer em ambientes de uso coletivo acompanhada de cão-guia e dá outras providências. 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Decreto/D5904.htm. Acesso em: 27 set. 2016.

BUCKLAND, M. K. A natureza da Ciência da Informação e a sua importância para a sociedade. Aula inaugural 2018 da pós-graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal do Pará (UFPA), Brasil. Informação e Informação, Londrina, v. 23, n. 3, set./dez. 2018.

COSTA, R. Quais são os gêneros de videogames? Studio Design Zero Um. Mar, 2014. Disponível em: https://designzeroum.com.br/quais-sao-os-generosde-jogos-de-video-game/. Acesso em: 29 Dez. 2017.

CRAWFORD; C. The Art of Computer Game Design. 1982. Disponível em: https://www.digitpress.com/library/books/book_art_of_computer_game_design.pdf. Acesso em: 04 jan. 2018.

CUNHA, J. H. C; ARAÚJO JUNIOR. R. H. de. Taxonomia de distorções contábeis. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, v. 22, n. 49, maio/ago., 2017.

CURRÁS, E. Ontologias, taxonomia e tesauro em teoria e sistemática de sistemas. Brasília: Thesaurus, Brasil, 2010. 182 p.

DAHLBERG, I. Fundamentos teóricos-conceituais da classificação. Revista Biblioteconomia, Brasília, v. 6, n. 1, jan./jun., 1978.

DAHLBERG, I. Knowledge organization: a new science? Knowledge Organization, Frankfurt, v. 33, n. 1, p. 11-19, 2006.

DOSVOX. What is DOSVOX. NCE – Centro de Computação Eletrônica. UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil, 2018. Disponível em: http://intervox.nce.ufrj.br/dosvox/. Acesso em: 09 jan. 2018.

FLEURY, A.; NAKANO, D.; CORDEIRO, J. H. D. O. (Coords.) Mapeamento da indústria brasileira e global jogos digitais. São Paulo: BNDES, 2014.

FURTADO, T. De nerds a ciberatletas: o crescimento exponencial do esports. Disponível em: https://oglobo.globo.com/esportes/de-nerds-ciberatletascrescimento-exponencial-do-sports-21233721. Acesso em: 23 abr. 2017.

GAME ACCESSIBILITY GUIDELINES. A straightforward reference for inclusive game design. Disponível em: http://gameaccessibilityguidelines.com/. Acesso em: 29 dez. 2017.

GAMES FOR THE BLIND - LEAP games. Science for you Research and Development in Informatics. Atenas, Grécia. Disponível em: http://www.gamesfortheblind.org/. Acesso em: 09 jan. 2018.

GEE, J. P. What Video Games Have to Teach Us About Learning and Literacy, Palgrave Macmillan: New York, 2003.

GONÇALVES, J. Indústria de games fatura US$ 91 bilhões em 2016. Disponível em: https://olhardigital.com.br/games-e-consoles/noticia/industriade-games-faturou-us-91-bilhoes-in-2016/64846. Acesso em: 31 Dec. 2017.

IGNÁCIO, M. M. de M; Rehabilitation of the executive functions of people with schizophrenia: proposal of a serious game contextualized in the instrumental activities of daily life. Thesis (Doctorate in Psychology). Faculty of Psychology and Educational Sciences. University of Porto. Portugal, Jan / 2016.

INTERACTION DESIGN ASSOCIATION. Interaction Awards 2014 - Blind Duck Hunt. Copenhagen Institute of Interaction Design. Copenhagen, Denmark, 2014. Acessado em 13 Out 2018. Disponível em: http://awards.ixda.org/entry/2014/blind-duck-hunt/. Acesso em: 30 mar. 2020.

HUSSAIN, Y.; RASOOL, G. A taxonomy of mobile games based on structural similarity. In: International Conference on Advancements in Computational Sciences (ICACS). Anais […]. Lahore, Paquistão, pp. 1-6, fev/2018.

LUCCHESE, F.; RIBEIRO, B. Conceituação de jogos digitais. Universidade Estadual de Campinas: Campinas, 2009.

MATSUHARA, M.; FERNANDES, L. C. Tecnologia assistiva e tecnologia da informação e comunicação: novas perspectivas para baixa visão. E-Oftalmo – Jornal Digital de Oftalmologia. v. 3, n. 2. São Paulo, Brasil, 2017.

MEEKS, L. M.; JAIN, N. R. The Guide of Assisting Students whit Disabilities - Equal Access in Health Science and Professional Education. New York: Springer Publishing Company, USA, 2016.

MEMOR-I. Scify – Science for You. Atenas, Grécia. Disponível em: http://www.scify.gr/site/en/impact-areas-en/assistive-technologies/memorien. Acesso em: 09 jan. 2018.

MONTEIRO, S. D.; FERNANDES, R. P. M.; DECARLI, G. C.; TREVISAN, G. L. Sistemas de recuperação da informação e o conceito de relevância nos mecanismos de busca: semântica e significação. Encontros Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, v. 22, n. 50, p. 161-175, 2017. DOI: 10.5007/1518-2924.2017v22n50p161 Acesso em: 27 mar. 2020.

MOREIRA, W.; MORAES, I. S. O assunto “classificação” na literatura brasileira de Ciência da Informação: uma análise nos anais do ENANCIB (2003-2014). Revista Informação e Informação, Londrina, v. 24, n. 1, jan./abr. 2019.

MURIEL, D.; CRAWFORD, G. Video Games as culture. Considering the role and importance of video games in contemporary society. Routledge Advances in Sociology: Oxon, UK, 2018.

ORLANDI, T. R. C; DUQUE, C. G., MORI, A., ORLANDI, M. T. A. L. Uma nova abordagem multimodal nova à educação. Biblios, n. 70, 2018.

OTTONICAR, S. L. C; SANTOS, B. R. P dos; MORAES, I. S. Aplicabilidade da competência da informação e organização do conhecimento no processo de gestão da informação. RDBCI: Campinas, v. 15, n. 3, set./dez. 2017.

PATIKOWSKI, J.F. Jogos Inclusivos: orientações de acessibilidade para jogos digitais. 2013. Dissertação (Mestrado em Ciência da Computação). Instituto de Informática, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil, 2013.

PIVEC, M., KEARNEY, P. Jogos para a aprendizagem e aprender com jogos. Informatica, v. 31, 2007.

ROBREDO, J.; BRÄSCHER, M. (Orgs.). Passeios pelo bosque da informação: estudos sobre a representação e organização da informação e do conhecimento – EROIC. Brasília DF: IBICT, 2010. 329 p. Disponível em: http://www.ibict.br/publicacoes/eroic.pdf. Acesso em: 15 mar. 2020.

SAKUDA, L. O.; FORTIM, I. (Orgs.). II Censo da Indústria Brasileira de Jogos Digitais. Ministério da Cultura: Brasília, 2018. Disponível em: http://www.tinyurl.com/censojogosdigitais. Acesso em: 16 fev. 2019.

SANTOS, F. Como funcionam Audiogames, jogos acessíveis para deficientes visuais. Disponível em: https://www.techtudo.com.br/dicas-e-tutoriais/noticia/2016/04/como-funcionam-audiogames-jogos-acessiveis-paradeficientes-visuais.html. Acesso em: 15 jan. 2019.

SANTOS, A. D. P.; MEDOLA, F. O.; PASCHOARELLI, L. C.; LANDIM, P. C. Tecnologia Assistiva para Pessoas com deficiência visual: uma análise da produção tecnológica no Brasil. Cadernos de Prospecção: Salvador, v. 11, n. 5, dez. 2018.

SARTORETTO, M. L.; BERSCH, R. Tecnologia Assistiva e Educação - O que é Tecnologia Assistiva? Rio Grande do Sul - Brasil, 2015. Disponível em: http://www.assistiva.com.br/tassistiva.html. Acesso em: 28 mar. 2016.

SAVI, R; ULBRICHT, V. Jogos digitais educativos: Benefícios e Desafios. 2008. Dissertação (Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento). Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, Brasil, 2008.

SCHOLAR GOOGLE. Search homepage. Disponível em: https://scholar.google.com/scholar. Acesso em: 5 fev. 2018.

SCIFY – Science For You – Atenas, Grécia, 2018. Disponível em: http://www.scify.gr/site/en/who-we-are. Acesso em: 09 jan. 2018.

SEARCH YAHOO. Search homepage. Disponível em: https://search.yahoo.com. Acesso em: 25 dez. 2017.

SENS, A. L.; PEREIRA, A. T. C. Reflexões sobre o design de jogos digitais acessíveis: Caso Papa Sangre e Blindside. 2015. In: CONGRESSO NACIONAL DE HIPERMÍDIA AMBIENTES DE APRENDIZAGEM, 7., Anais [...]. Sao Luis, Maranhão, 2015.

SILVA, W. P. da. Jogos digitais adaptados para alunos com deficiência visual: estudo de habilidades cognitivas do Dosvox, 2017. Dissertação (Mestrado em Educação). Faculdade de Educação - Universidade de Brasília, Brasília, 2017.

SOUSA, R. T. B. de; ARAÚJO JÚNIOR, R. H. de. Classificação e taxonomia como instrumentos eficazes para recuperação da informação. Ciência da Informação, v. 41, n. 1, p. 148-160, Jan./abr. 2013. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/1400/1578. Acesso em: 02 nov. 2016.

SOUSA, R. T. B. de; ARAÚJO JÚNIOR, R. H de. Notas de aulas da disciplina Fundamentos da Organização da Informação. Programa de Pós-Graduação em Ciências da Informação / Faculdade de Ciência da Informação (FCI) / Universidade de Brasília (UnB). Brasília, Brasil, ago./dez., 2017.

TODOR, R. Taxonomia para jogos educativos. 2015. Dissertação (Mestrado em Design) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Brasil, 2015. Disponível em: www2.dbd.pucrio.br/pergamum/tesesabertas/1313582_2015_completo.pdf. Acesso em: 21 dez. 2017.

VGCHARTZ - Video Game Charts. Disponível em: http://www.vgchartz.com/gamedb/. United Kingdom. Acesso em: 31 dez. 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2020v25n1p141

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional