Sacrifício ritual nas religiões afro-brasileiras: reflexões sobre patrimonialização, memória e anarquivamento

Clovis Carvalho Britto, Kellen Josephine Muniz de Lima

Resumo


Introdução: Este artigo investiga como o sacrifício ritual de animais constitui um lugar de memória das religiões afro-brasileiras e as tensões que surgem no campo das políticas do patrimônio. Objetivo: Como desdobramento da problemática, tenta compreender as ressonâncias envolvidas nesse universo simbólico e a teia de elementos que parece sustentar a estratégia de esquecimento das políticas culturais em relação a esse saber-fazer tradicional. Metodologia: Partindo de uma breve análise do processo de registro do ofício das baianas de acarajé, é traçado um comparativo a fim de tentar compreender os elementos que interferem, direta ou indiretamente, na eleição do que é digno de ser rememorado e ocupar o lugar de patrimônio cultural que, em última escala, representa a própria identidade nacional. Resultados: Argumenta que embora o sacrifício ritual seja um lugar de memória das religiões afro-brasileiras, o esvaziamento da sua importância enquanto bem cultural e saber tradicional está diretamente relacionado a ressonância externa negativa dessa prática, consequência do que Yvonne Maggie chamou de “medo do feitiço”, que povoa o imaginário popular e acompanha as religiões afro-brasileiras ainda nos dias atuais. Conclusões: Evidencia o modo como as tensões contribuem para a instituição de “memórias anarquivadas” no campo das políticas patrimoniais brasileiras e as profícuas intersecções entre a ciência da informação e o campo do patrimônio cultural.


Palavras-chave


Sacrifício Ritual. Religiões Afro-Brasileiras. Memória. Patrimônio cultural.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2019v24n3p433

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional