A análise bibliométrica da produção científica docente por gênero nas universidades federais no interior do Brasil

Paulo Eduardo Silva Lins Cajazeira

Resumo


Introdução: Análise bibliométrica da produção científica de docentes vinculados aos Cursos de Bacharelado em Jornalismo, abertos por meio de políticas públicas de expansão e interiorização em universidades federais brasileiras no período de 2013 a 2017.
Objetivo: Conhecer a produção científica em regiões que receberam novas universidades públicas federais, campi, cursos superiores e docentes.
Metodologia: Desenvolveu-se a partir de uma metodologia qualitativa, exploratória e documental. Procedeu-se a análise bibliométrica dos artigos produzidos pelos docentes efetivos de Cursos de Jornalismo em universidades federais localizadas no interior do Brasil.
Resultados: Foram analisados os currículos lattes de 181 docentes no quesito artigos e sua avaliação conforme o conceito qualis de avaliação de periódicos, mantido pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), além da observância na divisão por gênero dos docentes e vínculo institucional.
Conclusões: Verificou-se a concentração  das publicações em algumas docentes pesquisadoras nas regiões Nordeste, Sudeste e Sul, e a predominância de líderes de grupos de pesquisa do gênero masculino.  


Palavras-chave


Produção científica; Cursos de jornalismo; Reuni; Políticas públicas sociais

Texto completo:

PDF

Referências


AQUINO, E. M. L. Gênero e Ciência no Brasil: Contribuições para Pensar a Ação Política na Busca da Equidade. In: ENCONTRO NACIONAL DE NÚCLEOS E GRUPOS DE PESQUISA. Pensando gênero e ciência. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2006. p. 11-24. Disponível em: http://livros01.livrosgratis.com.br/br000014.pdf. Acesso em 17 dez. 2018.

BRAGA, M. M. Mestres e doutores formados no país em nove áreas: características dos titulados e aspectos da trajetória acadêmica. In: VELOSO, J. A pós-graduação no Brasil: 17 formação e trabalho de mestres e doutores no país. Brasília: CAPES, UNESCO, 2002. p. 373-392.

BRASIL. A democratização e expansão da educação superior no país 2003 – 2014. Brasília: Ministério da Educação, 2014.

BRASIL. Decreto Nº 4.637, de 21 de março de 2003. Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções Gratificadas do Ministério da Educação. Brasília: Ministério da Educação, 2003. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2003/D4637.htm. Acesso em 23 out 2018.

BRASIL. Decreto Nº 19.852, de 11 de abril de 1931. Dispõe sobre a organização da Universidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Ministério da Educação,1931.Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1930-1939/decreto-19852-11-abril- 1931-510363-republicacao-85622-pe.html. Acesso em 23 out 2018.

BRASIL. Decreto Nº 19.851, de 11 de abril de 1931. Dispõe que o ensino superior no Brasil obedecerá, de preferência, ao sistema universitário, podendo ainda ser ministrado em institutos isolados, e que a organização técnica e administrativa das universidades é instituída no presente Decreto. Rio de Janeiro: Ministério da Educação, 1931. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1930-1939/decreto-19851-11-abril- 1931-505837-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em 23 out 2018.

BRASIL. Decreto Nº 19.850, de 11 de abril de 1931. Cria o Conselho Nacional de Educação. Rio de Janeiro: Ministério da Educação, 1931. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1930-1939/decreto-19850-11-abril- 1931-515692-publicacaooriginal-1-pe.html BRASIL. Lei n° 5.480, de 10 de agosto de 1968. Revoga o Decreto lei nº 127 de 31 de janeiro de 1967, revoga e altera a redação de dispositivos do Decreto lei nº 5, de 4 de abril de 1966. Presidência da República. Brasília. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/1950-1969/L5480.htm. Acesso em: 23 out. 2018.

BRASIL. Decreto Nº 22.245, de 06 de dezembro de 1946. Dá organização ao Curso de Jornalismo. Rio de Janeiro: Ministério da Educação, 1946. Disponível em:https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1940-1949/decreto-22245-6- dezembro-1946-341023-publicacaooriginal-1-pe.html . Acesso em 23 out. 2018.

BRENES, A. C. História da parturição no Brasil, século XIX. Cad. Saúde Pública: Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p. 135-149, abr./jun., 1991.

CAJAZEIRA, Paulo E.S.L. et al. O Ensino do Telejornalismo nas Universidades Federais do Nordeste em Tempos De Convergência Digital. Anais do XIX Congresso De Ciências da Comunicação na Região Nordeste, Fortaleza, 2017.

CNPQ. Diretório dos Grupos de Pesquisa no Brasil. Disponível em http://lattes.cnpq.br/web/dgp. Acesso em 20.11. 2017.

CNPQ. A Plataforma Lattes. Disponível em http://lattes.cnpq.br/. Acesso em 30 de Nov 2018. LEMOINE, W. Productivity patterns of men and women scientists in Venezuela. Scientometrics, v. 24, n. 2, p. 281-295, 1992

LETA, J. As mulheres na ciência brasileira: crescimento, contrastes e um perfil de sucesso. Estudos Avançados, v. 17, n. 49, p. 1-14, 2003. MEC - Ministério da Educação. Resoluções CES. 2013. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=19121 . Acesso em 11 nov. 2018.

MUELLER, S. P. M. A publicação da ciência: áreas científicas e seus canais preferenciais. DataGramaZero, v. 6, n. 1, fev. 2005. Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/980. Acesso em: 11 nov. 2018.

NOORDENBOS, G. Women in academies of sciences: from exclusion to exception. Women’s Studies International Forum, v. 25, n. 1, p. 127-37, 2002

SAVIANI, D. Origem e desenvolvimento da pedagogia histórico-crítica. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL MARX E ENGELS- “Marxismo e Educação: Fundamentos Marxistas da Pedagogia Histórico-Crítica, v. 7, Anais [...], 2012. Disponível em: https://www.usfx.bo/nueva/vicerrectorado/citas/SOCIALES_8/Pedagogia/70.pdf. Acesso em: 07 fev. 2020. SCHIENBINGER, L. O feminismo mudou a ciência? Bauru: EDUSC, 2001. 384p. (Coleção Mulher)

SILVA, E. B. Gênero e ciência: interpretações feministas e distinções locais. Leeds: University of Leeds, jul. 1998. Mimeo. TOSI, L. Mulher e ciência: a Revolução Científica, a caça às bruxas e a ciência. Cadernos Pagu, Campinas, n. 10, p. 369-97, 1998.

VELHO, L.; LEON, E. A construção social da produção científica por mulheres. Cadernos Pagu, Campinas, n. 10, p. 309-343, 1998.

WAITZ, I. R.; ARANTES, M. P. C. Avaliação do ensino superior e a prática docente. Anuário da Produção Acadêmica Docente, Valinhos, v. 3, n. 6, p. 249-262, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2020v25n1p21

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional