As iniciativas de acesso aberto nas instituições de ensino e pesquisa da região norte

Francisco Gilson Rebouças Porto Junior, Edson de Sousa Oliveira

Resumo


Introdução: Um dos desafios do movimento de acesso aberto é a compreensão do processo de gestão da comunicação científica no âmbito das instituições de ensino e pesquisa, compreensão essa que buscamos aprofundar nesse artigo.
Objetivo: Compreender o processo de gestão da comunicação científica no âmbito das Instituições de Ensino e Pesquisa da Região Norte do Brasil.
Metodologia: trata-se de estudo qualiquantitativa e de propósito descritivo. O universo pesquisado foi o dos atores que compõem o sistema de comunicação científica, principalmente dos RIs das instituições. O método adotado foi o levantamento por meio de questionário, análise de validador RCAAP e levantamento do site dos repositórios institucionais - RIs e portais de periódicos da região. Os dados foram coletados por meio de instrumento de pesquisa com a identificação de categoria ou grupo de atores e, em seguida, submetidos à análise quantitativa e textual.
Resultados: Com os resultados da pesquisa, foi possível produzir um diagnóstico atual da situação dos RIs e das Revistas da área de Comunicação e informação da região norte.
Conclusões: Foi possível conhecer a realidade de dois dos mais importantes instrumentos para a promoção do acesso aberto: a criação dos RIs e de portais de periódicos eletrônicos na região, que podem ser explicados em função da atuação do Ibict e a iniciativa dos profissionais da informação que criaram a Rede Norte de Repositórios Institucionais como um ambiente voltadas para o acesso aberto e a visibilidade da produção acadêmica das Instituições enquanto um recurso que impulsiona a filosofia do acesso aberto e das redes colaborativas na Região Norte.


Palavras-chave


Comunicação científica. Acesso livre. Repositório Institucional. Periódicos eletrônicos.

Texto completo:

PDF

Referências


BAPTISTA, Ana Alice. A Falar nos Entendemos – a interoperabilidade entre repositórios digitais. In: GOMES, Maria João; ROSA, Flávia (org.). Repositórios institucionais: democratizando o acesso ao conhecimento. Salvador: EDUFBA, 2010, p. 71-90. Disponível em: http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/11517. Acesso em: 18 set. 2018.

BARATA, Rita de Cássia Barradas. Dez coisas que você deveria saber sobre o Qualis. Revista Brasileira de Pós-Graduação, Brasília, v. 13, n. 30, p. 13 - 40, jan./abr. 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.21713/2358-2332.2016.v13.947.

BERLIN declaration on open access to knowledge in the sciences and humanities of 22 october 2003. Disponível em: https://openaccess.mpg.de/Berlin-Declaration. Acesso em: 20 out. 2017.

BETHESDA statement on open access publishing: released june 20, 2003. Disponível em: https://legacy.earlham.edu/~peters/fos/bethesda.htm. Acesso em: 21 out. 2017

BRASIL. Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES. Portaria nº 013, de 15 de fevereiro de 2006. Institui a divulgação digital das teses e dissertações produzidas pelos programas de doutorado e mestrado reconhecidos. Disponível em: http://www.capes.gov.br/images/stories/download/legislacao/Portaria_013_2006.pdf. Acesso em: 15 mar. 2010.

BUDAPEST open access initiative: self-archiving faq. Southampton: University of Southampton, 2001. Disponível em: https://legacy.earlham.edu/~peters/fos/boaifaq.htm. Acesso em: 18 set. 2018.

COSTA, Michelli Pereira da. Características e contribuições da via verde para o acesso aberto à informação científica na América Latina. 2014. 226 f., il. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) — Universidade de Brasília, Brasília, 2014. Disponível em: http://repositorio.unb.br/handle/10482/15687

COSTA, Michelli Pereira da; LEITE, Fernando César Lima. Repositórios institucionais da América Latina e o acesso aberto à informação científica. Brasília: IBICT, 2017. 178 p.

COSTA, Michelli Pereira da; LEITE, Fernando César Lima. Repositórios institucionais de acesso aberto à informação científica: proposta de modelo de avaliação. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde, [s. l.], v. 9, n. 3, oct. 2015. Disponível em: https://www.reciis.icict.fiocruz.br/index.php/reciis/article/view/996. Acesso em: 08 sep. 2018.

COSTA, S. M. S.; LEITE, F. C. L. Repositórios institucionais: potencial para maximizar o acesso e o impacto da pesquisa em universidades. In: CONFERÊNCIA IBEROAMERICANA DE PUBLICAÇÕES ELETRÔNICAS NO CONTEXTO DA COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA, 1. Brasília, 25 a 28 de abril de 2006. Anais [...] Brasília, Universidade de Brasília 2006.

CROW, R. The case for institutional repositories: A SPARC position paper. ARL Bimonthly Report, n. 223, 2002. Disponível em: http://www.arl.org/sparc/bm~doc/ir_final_release_102-2.pdf. Acesso em: fev. 2016.

DIAS, A. G. Periódicos eletrônicos: considerações relativas à aceitação deste recurso pelos usuários. Ciência da Informação, Brasília, v. 31, n. 3, p. 18-25, 2002.

FLICK, Uwe. Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009. 405 p.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

GOMES, M. J.; ROSA, F. (org.). Repositórios institucionais: democratizando o acesso ao conhecimento. Salvador: EDUFBA, 2010. HARNAD, S. The Immediate-Deposit/OptionalAccess (ID/OA) mandate: rationale and model: Open Access Archivangelism. 2006. Disponivel em: http://openaccess.eprints.org/index.php?/archives/71-guid.html. Acesso em 25 ago.2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE INFORMAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA (IBICT). Manifesto brasileiro de apoio ao acesso livre à informação científica. Brasília: IBICT, 2005. Disponível em: http://livroaberto.ibict.br/Manifesto.pdf. Acesso em: 30 fev. 2016.

JOHNSON, Richard K. Partnering with faculty to enhance scholarly communication. D-Lib Magazine, v. 8, n. 11, nov. 2002. Disponível em: http://www.dlib.org/dlib/november02/johnson/11johnson.html. Acesso em 23 maio 2016.

KURAMOTO, H. Implantação de repositórios institucionais em universidades e instituições de pesquisa do Brasil: do projeto ao processo. In: GOMES, M. J.; ROSA, F. (org.). Repositórios institucionais: democratizando o acesso ao conhecimento. Salvador: EDUFBA, 2010. p. 61-70.

KURAMOTO, H. Open Access no Brasil: o PL 1120/2007 pede socorro: JC e-mail 4228, de 30 de mar. de 2011. Disponível em: http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=76967. Acesso em: 08 fev. 2014.

KURAMOTO, Hélio. A informação científica e o seu Acesso Livre: que direção o Brasil está adotando? Bibliotecas Universitárias: pesquisas, experiências e perspectivas, Belo Horizonte, v. 2, número especial, p. 6-28, fev. 2015. Disponível em: https://seer.ufmg.br/index.php/revistarbu/article/view/1117. Acesso em: 18 set. 2018.

KURAMOTO, Hélio. Informação científica: proposta de um novo modelo para o Brasil. Ci. Inf., v. 35, n.2, p. 91-102. 2006. ISSN 0100-1965. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-19652006000200010.

LEITE, Fernando César Lima, COSTA, Sely. Gestão do conhecimento científico: proposta de um modelo conceitual com base em processos de comunicação científica. Ci. Inf., Brasília, v. 36, n. 1, p. 92-107, jan./abr. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ci/v36n1/a07v36n1.pdf. Acesso em: 30 abr. 2011.

LEITE, Fernando César Lima. Como gerenciar e ampliar a visibilidade da informação científica brasileira: repositórios institucionais de acesso aberto. Brasília: Ibict, 2009. 120p.

LEITE, Fernando César Lima. Gestão do conhecimento científico no contexto acadêmico: proposta de um modelo conceitual. Universidade de Brasília, 2006. 159 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) - Universidade de Brasília, 2006.

LYNCH, C. Institutional repositories: essential infrastructure for scholarship in the digital age. ARL: A Bimonthly Report, v. 226. 2003. Disponível em: http://www.arl.org/resources/pubs/br/br226/br226ir. shtml. Acesso em: 07 fev 2013.

LYNCH, C.; LIPPINCOTT, J. Institutional repository deployment in the United States as of early 2005. D-lib Magazine, v. 11, n. 9, p. 5, 2005. Disponível em: http://webdoc.sub.gwdg.de/edoc/aw/d-lib/dlib/september05/lynch/09lynch.html. Acesso em: 15 ago. 2016.

MARCONDES, Carlos Henrique. “Linked data” – dados interligados - e interoperabilidade entre arquivos, bibliotecas e museus na web. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, Florianópolis, v. 17, n. 34, p. 171-192, ago. 2012. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/1518- 2924.2012v17n34p171/22782. Acesso em: 18 set. 2018.

MEADOWS, A. A comunicação científica. Brasília: Briquet Lemos, 1999. 268p.

MEIRELLES, Rodrigo França. Gestão do processo editorial eletrônico baseado no modelo acesso aberto: estudo em periódicos da Universidade Federal da Bahia, UFBA. 2009. 131f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Universidade Federal da Bahia, Bahia, 2009. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/5629. Acesso em: 26 jan. 2016.

RIEH, S.; MARKEY, K.; JEAN, B.; YAKELL, E.; KIM, J. Census of institutional repositories in the United States. CLIR, n. 140. 2007. Disponível em: http://www.clir.org/pubs/abstract/reports/pub140. Acesso em: 12 fev. 2016.

SAYÃO, Luis Fernando. Bibliotecas digitais e suas utopias. Ponto de Acesso, Salvador, v.2, n.2, p. 2-36, ago. /set. 2008. DOI: http://dx.doi.org/10.9771/1981- 6766rpa.v2i2.2661. Disponível em: https://rigs.ufba.br/index.php/revistaici/article/view/2661. Acesso em: 18 set. 2018.

SAYÃO, Luis Fernando; MARCONDES, Carlos Henrique. O desafio da interoperabilidade e as novas perspectivas para as crianças digitais. Transinformação, Campinas, v. 20, n. 2, p. 133-148, ago2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103- 37862008000200002&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 18 set. 2018.

SIDONE, Otávio José Guerci; HADDAD, Eduardo Amaral; MENA-CHALCO, Jesús Pascual. A ciência nas regiões brasileiras: evolução da produção e das redes de colaboração científica. Transinformação, Campinas, v. 28, n. 1, p. 15-32, abr. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103- 37862016000100015&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 28 fev. 2018.

SILVA, L. M. T.; MEDEIROS, C. A. F.; ENDERS, W. T. Avaliação da cultura organizacional: um contraponto entre as abordagens quantitativas e qualitativas. Interface - Revista do Centro de Ciências Sociais Aplicadas, v. 8, n. 2, art. 7, p. 123-140, 2011.

TEIXEIRA FILHO, J. Gerenciando conhecimento: como a empresa pode usar a memória organizacional e a inteligência competitiva no desenvolvimento dos negócios. Rio de Janeiro: Ed. SENAC, 2000.

WEITZEL, S. R. Fluxo da informação científica. In: PROBLACIO, D. A.; WITER, G. P.; SILVA, J. F. M. (org.). Comunicação e produção científica: contexto, indicadores e avaliação. São Paulo: Angelara, 2006. p. 81-114.

WESTRIENEN, G.; LYNCH, C. Academic institutional repositories: deployment status in 13 nations as of mid 2005. D-Lib Magazine, v. 11, n. 9. set. 2005. Disponível em: http://www.dlib.org/dlib/september05/westrienen/09westrienen.html. Acesso em: 15 fev. 2016.

WOODLEY, M. S. DCMI Glossary (revisado em 2005). Disponivel em: http://dublincore.org/documents/usageguide/glossary.shtml. Acesso em: 18 set. 2018.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional