Cientificidade da Organização da Informação: uma análise epistemológica a partir da comunidade brasileira

Daniel Abraão Pando, Carlos Cândido de Almeida

Resumo


Introdução: A Organização da Informação tem-se constituído em importante campo de estudos e investigações relativas às questões do tratamento e do acesso às informações. Embora seja evocada a questão de sua cientificidade, os parâmetros que permitem sustentar essa afirmação ainda não estão sistematizados na literatura do campo. Objetivo: Nesse sentido, pretendeu-se a realização de um estudo que retratasse a suposta cientificidade desse campo a partir de uma análise dos seus fundamentos epistemológicos no contexto brasileiro. Metodologia: Adotamos como metodologia um estudo teórico-exploratório com a fundamentação da pesquisa bibliográfica e os aportes da análise de conteúdo. A partir de uma abordagem epistemológica, definiu-se, a partir da sistematização de Hilton Japiassu e Mario Bunge como sendo válidos para tal análise os seguintes critérios: objeto, método, teoria, terminologia/sistema conceitual e lei. Resultados: constatou-se, a partir do contexto brasileiro, que os critérios objeto, método, teoria, terminologia/sistema conceitual e lei não são atendidos pelo referido campo. Conclusões: Tendo como parâmetro preliminar que um campo não deve ser considerado científico apenas pelos vestígios mais visíveis como a existência de grupos de estudos, revistas especializadas, encontros e eventos nacionais e internacionais ou a quantidade de pesquisadores, observamos que, no contexto brasileiro, ainda não estão reunidas as condições necessárias e desejáveis do ponto de vista epistemológico que possam sustentar a plena cientificidade do campo de Organização da Informação.


Palavras-chave


Organização da Informação; Ciência da Informação; Critérios de Cientificidade

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, C. C. Peirce e a Organização da Informação: contribuições teóricas da Semiótica e do Pragmatismo. 2009. 416 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Faculdade de Filosofia e Ciências, Marília, 2009.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BARITÉ, M. Organización del conocimiento: un nuevo marco teórico-conceptual en Bibliotecologia y Documentación, Organização do Conhecimento. In: CARRARA, K. (Org.) Educação, universidade e pesquisa. Marília: Unesp Marília Publicações; São Paulo: FAPESP, 2001. p. 35-60.

BARRETO, A. A. O tempo e o espaço da Ciência da Informação. Transinformação, Campinas, v. 14, n. 1, p. 17-24, jan./jun. 2002.

BUNGE, M. Ciência e desenvolvimento. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia; São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, 1980a.

BUNGE, M. Epistemologia: curso de atualização. São Paulo: T.A. Queiroz; Ed. da Universidade de São Paulo, 1980b.

BUNGE, M. La ciência: su método y su filosofia. Navarra: Imagraf, 2013.

BUNGE, M. La investigación científica. 2 ed. corr. Barcelona: Ariel, 1989.

CAFÉ, L. M. A.; SALES, R. Organização da informação: conceitos básicos e breve fundamentação teórica. In: ROBREDO, J.; BRASCHER, M. (Orgs.). Passeios no Bosque da Informação: estudos sobre Representação e Organização da Informação e do Conhecimento. Brasília, DF: IBICT, 2010.

CESARINO, M. A. N.; PINTO, M. C. M. F. Cabeçalho de assunto como linguagem de indexação. Revista da Escola de Biblioteconomia da UFMG, Belo Horizonte, v. 7, n. 2, p. 268-288, set. 1978.

CHIBENI, S. S. O que é ciência?. 2006. Disponível em: http://www.unicamp.br/~chibeni/textosdidaticos/ciencia.pdf. Acesso em: 14 maio 2016.

GUIMARÃES, J. A. C. A análise documentária no âmbito do tratamento da informação: elementos históricos e conceituais. In: RODRIGUES, G. M.; LOPES, I. L. Organização e representação do conhecimento na perspectiva da Ciência da Informação. Brasília, DF: Thesaurus, 2003. p. 100-117.

JAPIASSU, H. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

JAPIASSU, H. Questões epistemológicas. Rio de Janeiro: Imago, 1981.

LADRIÉRE, J. Prefácio. In: BRUYNE, P.; HERMAN, J.; SCHOUTHEETE, M. D. Dinâmica da pesquisa em ciências sociais: os polos da prática metodológica. 5. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1982.

MARTINHO, N. O.; FUJITA, M. S. L. La catalogación de materias: apuntes históricos sobre su normalización. Scire: Representación y organización del conocimiento, v. 16, p. 61-70, 2010.

MEDEIROS, G. M. Organização da informação em repositórios digitais: implicações do auto-arquivamento na representação da informação. 2010. 303 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Educação, Florianópolis, 2010.

NÉRICI, I. G. Introdução à lógica. 5. Ed. São Paulo: Nobel, 1978.

ORTEGA, C. D. Contexto de desenvolvimento da organização da informação, com enfoque para a catalogação, na escola de ciência da informação da UFMG. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 18, n. 2, p. 182-215, 2013. Disponível em: http://www.brapci.ufpr.br/brapci/v/a/13344. Acesso em: 11 set. 2017.

ORTEGA, C. D. Fundamentos da organização da informação frente à produção de documentos. Transinformação, Campinas, v. 20, n. 1, p. 7-15, jan./abr. 2008.

SALES, R.; GUIMARÃES, J. A. C. Julius Otto Kaiser na Organização da Informação: contribuições para classificação, catalogação e indexação de assuntos. In: CONGRESSO ISKO ESPANHA E PORTUGAL/XI CONGRESSO ISKO ESPANHA, 1, 2013, Porto. Anais eletrônicos...Porto, 2013. Disponível em: http://ocs.letras.up.pt/index.php/ISKO/ISKO/paper/view/90. Acesso em: 20 jan. 2016.

SANTANA, S. A.; KOBASHI, N. Y. Produção científica em Organização da informação em periódicos brasileiros de Ciência da Informação (2000-2010). In: Seminário de Pesquisa da FESPSP, 2013, São Paulo. Anais eletrônicos... São Paulo, v. 2, n. 2, 2013. Disponível em: http://www.fespsp.org.br/seminario2013/artigos/IISeminarioPesquisa_SolangeAlvesSantana.pdf. Acesso em: 22 jan. 2016.

SMIT, J. W. Novas abordagens na organização no acesso e na transferência da informação. In: SILVA, H. C.; BARROS, M. H. T. C. (Orgs.) Ciência da Informação: múltiplos diálogos. Marília: Oficina Universitária Unesp, 2009. p.57-66.

SVENONIOUS, E. The Intellectual Foundation of Information Organization. London: The MIT Press, 2000.

TORRES, S.; ALMEIDA, M. C. B. Classificação: uma operação inerente às linguagens documentárias?. DataGramaZero, v. 16, n. 3, não paginado, 2015. Disponível em: http://www.brapci.ufpr.br/brapci/v/a/18897. Acesso em: 11 set. 2017.

VICTORINO, M. C.; BRÄSCHER, M. Organização da informação e do conhecimento, engenharia de software e arquitetura orientada a serviços: uma abordagem holística para o desenvolvimento de sistemas de informação computadorizados. DataGramaZero, v. 10, n. 3, não paginado, 2009. Disponível em: http://www.brapci.ufpr.br/brapci/v/a/7097. Acesso em: 11 set. 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2019v24n1p102

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional