Semiautomatização de relações em tesauros: uma proposta para o refinamento de relacionamentos semânticos a partir do tesauro Agrovoc

Decio Wey Berti Junior, Dagobert Soergel, Gercina Ângela de Lima, Benildes Coura Moreira dos Santos Maculan

Resumo


Introdução: Os tesauros são ferramentas que contribuem com a recuperação da informação em serviços como bases de dados digitais e bibliotecas digitais. Objetivo: Apresentar uma análise quantitativa do refinamento da estrutura semântica do Tesauro AGROVOC, visando um modelo semiautomatizado para refinamento de relacionamentos semânticos em tesauros. Metodologia: Utilizaram-se os dados do Tesauro AGROVOC, refinado e representado em modelo SKOS-XL, agregados à análise qualitativa na classificação de conceitos em tipos de entidade e classificação hierárquica de relacionamentos feita por Soergel. Com esta base foi feita a análise quantitativa dos tipos de relacionamento. Resultados: O resultado da análise quantitativa mostra que o refinamento do Tesauro AGROVOC ainda não é completo. A maioria dos relacionamentos related term parecem estar refinados, mas os relacionamentos hierárquicos (broader / narrower) não estão. Conclusões: Este estudo demonstra que a análise quantitativa desvenda a estrutura do tesauro para indicar áreas onde é possível implementar melhorias.

Palavras-chave


Sistema de Organização do Conhecimento; Tesauros; Relações Semânticas; AGROVOC

Texto completo:

PDF

Referências


BARITÉ, M. et al. Diccionario de Organización del Conocimiento: clasificación, indización, terminología. 5a. ed. Montevideo: PRODIC, 2013.

BOCCATO, V. R. C.; BISCALCHIN, R. As dimensões culturais no contexto da construção de vocabulários controlados multilíngues. Rev. Interam. Bibliot, Medellín, v. 37, n. 3, p. 237-250, Dec. 2014.

BRÄSCHER, M.; CAFÉ, L.. Organização da Informação ou Organização do Conhecimento? In: SMIT, J. W.; GINEZ DE LARA, M. L. (Org.). Temas de pesquisa em Ciência da Informação no Brasil. São Paulo: Escola de Comunicações e Artes/USP, 2010. p. 8-103. Disponível em: http://www3.eca.usp.br/sites/default/files/form/ata/pos/ppgci/publicacoes%20%20temasdepesquisas.pdf>. Acesso em: 20 jan 2017.

CAFÉ, L. M. A.; BARROS, C. M.; SANTOS, V. C. O conceito de Organização do Conhecimento nas revistas brasileiras de Ciência da Informação. Rev. Interam. Bibliot, Medellín, v. 37, n. 3, p. 201-214, Dec. 2014.

CAFÉ, L.; BRÄSCHER, M. Organização do Conhecimento: teorias semânticas como base para estudo e representação de conceitos. Inf. & Inf., Londrina, v. 16, n. 2, p. 25-51, dez. 2011. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/10388/9282>. Acesso em: 25 fev. 2017.

CAMPOS, M. L. A. Linguagem documentária: teorias que fundamentam sua elaboração. Rio de Janeiro: EUFF, 2001.

CAMPOS, M. L. A.; GOMES, H. E. Metodologia de elaboração de tesauro conceitual: a categorização como princípio norteador. Perspect. Ciênc. Inf., Belo Horizonte, v. 11, n. 3, p. 348-359, set./dez. 2006. Disponível em: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/273/66>. Acesso em: 05 março 2016.

CAMPOS, M. L. A.; GOMES, H. E.; MOTTA, D. F. Manual de elaboração de tesauro. Rio de Janeiro: BITI, 2004.

CARVALHO, S. A. L. Terminologia e Documentação: um estudo terminográfico sobre performance musical. 2013. 188f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Escola de Ciência da Informação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2013.

CINTRA, A. M. M. et al. Para entender as linguagens documentárias. 2. ed. rev. ampl. São Paulo: Polis, 2002.

CURRÁS, E. Tesauros: linguagens terminológicas. Brasília: IBICT, 1995.

DAHLBERG, I. A referent-oriented, analytical concept theory of Interconcept. International Classification, v. 5, n. 3, p. 122-151, 1978.

DAHLBERG, I. Teoria da classificação, ontem e hoje. Tradução de Henry B. Cox. In: CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE CLASSIFICAÇÃO BIBLIOGRÁFICA, 12-17 de setembro de 1972, Rio de Janeiro. Anais... Brasília, IBICT/ABDF, v. 1, p. 352-370, 1979.

DODEBEI, V. L. D. Tesauro: linguagem de representação da memória documentária. Niterói: Intertexto, 2002.

FARRADANE, J. Relational Indexing: part I e part ll. Journal of Information Science, n.1, p. 267-276; 313-324, 1980.

FOSKETT, A. C. A abordagem temática da informação. São Paulo: Polígono, 1973.

GOMES, H. E. (Org.). Manual de elaboração de tesauros monolíngues. Brasília: Programa Nacional de Bibliotecas de Instituições de Ensino Superior, 1990.

GREEN, R. Overview of relationship in knowledge organization. In: BEAN, C. A.; GREEN, R. (Ed.). Relationship in knowledge organization. Dordrecht: Kluwer, 2001. Chapter 1, p. 3-18.

GREEN, R. Relationships in knowledge organization. Knowledge Organization, v. 35, n. 2-3, p. 150-159, 2008.

HODGE, G. Systems of knowledge organization for digital libraries: beyond traditional authorities files. Washington, DC: Council on Library and Information Resources, 2000. Disponível em: https://www.clir.org/pubs/reports/pub91/pub91.pdf>. Acesso em: 5 out. 2016.

HUTCHINS, W. J. Languages of indexing and classification: a linguistic study of structures and functions. Stevenage: Herts Peter Peregrinus, 1975. (Librarianship and information studies, 3).

INTERNATIONAL STANDARD ORGANIZATION. ISO 25964: thesauri and interoperability with other vocabularies. Part 1: thesauri for information retrieval. Geneve: International Standard Organization, 2011.

INTERNATIONAL STANDARD ORGANIZATION. ISO 25964: thesauri and interoperability with other vocabularies. Part 2: interoperability with other vocabularies. Geneve: International Standard Organization, 2013.

KOBASHI, N. Y. Fundamentos semânticos e pragmáticos da construção de instrumentos de representação de informação. DataGramaZero - Revista de Ciência da Informação, v. 8, n. 6, dez. 2007.

MACULAN, B. C. M. S. Estudo e aplicação de metodologia para reengenharia de tesauro: remodelagem do THESAGRO. 2015. 339f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) - Escola de Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2015.

MARRONI, G. N. B. Identificação e delimitação de relações associativas em tesauros: um estudo de caso na área do direito do trabalho. 2006. 127f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Universidade de Brasília, Brasília, 2006.

MOTTA, D. F. Método relacional como nova abordagem para a construção de tesauros. 1987. 89f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, Rio de Janeiro, 1987.

SOERGEL, D. et al. Reengineering thesauri for new applications: the AGROVOC example. J. Digital Inf., v.4, n.4, p. 1-23, 2004. Disponível em: https://journals.tdl.org/jodi/index.php/jodi/article/view/112/111>. Acesso em: 05 março 2016.

SOERGEL, D. Entity type assignments. [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por deciowbj@gmail.com>. Acesso em: 18 fev. 2017.

SOUZA, R. R.; TUDHOPE, D.; ALMEIDA, M. B. Towards a taxonomy of KOS: dimensions for classifying knowledge organization systems. Knowledge Organization, v. 39, n. 3, p. 179-192, 2012. Disponível em: http://mba.eci.ufmg.br/ downloads/ Souza_Tudhope_Almeida__KOS_Taxonomy.Submitted.pdf>. Acesso em: 10 out. 2016.

SVENONIUS, E. The intellectual foundations of information organization. Cambridge: The MIT Press, 2000.

ZENG, M. L. Knowledge organization systems (KOS). Knowledge Organization, Frankfurt, v. 35, n. 2-3, p. 160-182, Jan. 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2017v22n3p377

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional