O perfil do gestor da informação: um estudo a partir dos egressos do curso de Gestão da Informação da UFPE

Tatyane Lucia Cruz, Fábio Mascarenhas e Silva, Leilah Santiago Bufrem, Natanael Vitor Sobral

Resumo


Introdução:Com as recentes transformações sociais e econômicas, surgiram novas possibilidades de atuação dos profissionais da informação. Neste contexto, insere-se o Gestor da informação, que pode contribuir na busca de soluções para os principais desafios relativos à coleta, processamento e uso da informação. Objetivo:Identificar as convergências e divergências entre a formação acadêmica do gestor da informação, egresso da UFPE, em relação à sua atuação profissional. Metodologia:a) revisão bibliográfica; b) mapeamento dos egressos; c) elaboração do questionário; d) disponibilização do questionário; e) tabulação e formatação dos dados; f) análise dos dados. Resultados:54 dos 71 egressos responderam o questionário (76%), percentual considerado satisfatório. Destacam-se os seguintes resultados: 85% dos egressos estão desenvolvendo atividades profissionais; 56% dos ocupados estão atuando em atividades relacionadas à área de Gestão da Informação; os segmentos de atuação profissional são diversos, com destaque para o setor de serviços (34%). Na pirâmide organizacional, constatou-se que o nível de atuação mais representativo é o operacional (43%). No quesito disciplinas, chamou a atenção que os gestores têm uma maior necessidade de empregar os conhecimentos ligados a Tecnologia da Informação. Conclusões:Ressalta-se a importância do Gestor da informação na atualidade, enfatizando a necessidade de aperfeiçoamento dessa profissão recente em relação às demandas da sociedade.


Palavras-chave


Atuação profissional. Formação. Gestor da Informação. Gestão da Informação. UFPE.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial. Formação e mercado de trabalho. Brasília: Governo Federal, 2012. 28 p. Disponível em: http://www.brasilmaior.mdic.gov.br/images/data/201212/e4196555d9f62d9286 cccfaf5fd5e133.pdf>. Acesso em: 01 fev. 2016.

BOURDIEU, P. O campo científico. In: ORTIZ, R. (org.). Pierre Bourdieu: Sociologia. São Paulo: Ática, 1983, p. 122-155.

CARVALHAL, M. D. Os fundamentos do debate sobre a formação profissional. Revista Pegada Eletrônica (UNESP), Presidente Prudente, v. 3, n. 1, p.1-12, 2002. Disponível em: http://revista.fct.unesp.br/index.php/pegada/article/view/799/822>. Acesso em: 14 mar. 2016.

DAVENPORT, T. Ecologia da informação: por que só a tecnologia não basta para o sucesso na era da informação. São Paulo: Futura, 1998.

DRUCKER, P. Sociedade Pós-Capitalista. 2. ed. Lisboa: Conjuntura Actual, 2015. 240 p. (Extra Coleção). Tradução de Maria Fernanda Jesuíno.

FERREIRA, A. B. H. Dicionário Aurélio. 5. ed. Curitiba: Positivo, 2010.

FERREIRA, D. T.; SANTOS, R. N. M. Profissional da informação: perfil de habilidades demandadas pelo mercado. Revista de Biblioteconomia de Brasília, Brasília, v. 23-24, n. 2, p. 147-160, 2000. Disponível em: http://www.brapci.ufpr.br/brapci/index.php/article/view/0000001857>. Acesso em: 14 Mar. 2016.

FRASER-ARNOTT, M. Competencies for information specialists in emerging roles. Library Management, v. 38, n. 1, p. 65-76, 2017.

FREIRE, I. M.; ARAUJO, V. M. R. H. de. A responsabilidade social da Ciência da informação. Transinformação, Campinas, v.11, n.1, p. 7-15, jan./abr., 1999.

GONDIM, S. M. G. A Sociedade da Informação, as Organizações Formais Educacionais, Valores e o Trabalho Docente: possíveis Inter-relações. Ética e Filosofia Política, Juiz de Fora, v. 3, n. 2, p.69-102, 1998.

GONZÁLEZ DE GOMEZ, M. N. A globalização e os novos espaços. Informare, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2-3, jan. 1997.

KUENZER, A. A Pedagogia da Fábrica: as relações de produção e a educação do trabalhador. São Paulo: Cortez, 1985.

______. Ensino médio e profissional: as políticas do estado neoliberal. São Paulo: Cortez, 1988.

______. Competência como práxis: os dilemas da relação entre teoria e prática na educação dos trabalhadores. Boletim Técnico do SENAC, Rio de Janeiro, v. 29, n.1, p. 17-27, jan./abr. 2003.

LASTRES, H. M. M; FERRAZ, J. Economia da informação, do conhecimento e do aprendizado. In: LASTRES, H M M; ALBAGLI, S (Ed.). Informação e Globalização na Era do Conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 1999. Cap. 1. p. 27-57. Disponível em: http://www.uff.br/ppgci/editais/saritalivro>. Acesso em: 13 mar. 2016.

LE COADIC, Y.-F. A ciência da informação. 2. ed. Brasília: Briquet de Lemos, 2004.

LOURENÇO, G. M. Economia paranaense: novos cenários. Análise Conjuntural, Curitiba, v.21, n.1-2, p.3-12, jan./fev. 1999.

MARCHIORI, P, Z. A ciência e a gestão da informação: compatibilidades no espaço profissional. Ciência da Informação, Brasília, v. 31, n. 2, out. 2002. Disponível em: http://revista.ibict.br/index.php/ciinf/article/view/159>. Acesso em: 13 Mar. 2016.

ORENGO, M.; ABREU, F. A Responsabilidade social e o seu impacto estratégico na gestão dos projetos do parque das nações (Lisboa) e do Porto Digital (Recife). 2009. 17 f. Monografia (Especialização) - Curso de Gestão Empresarial, Fundação Getúlio Vargas, Santa Maria, 2009. Disponível em: http://www.conferp.org.br/wp-content/uploads/2009/07/tcclisboa.pdf>. Acesso em: 14 jan. 2016.

NORONHA, D. P.; MARICATO, J. de. M. Estudos métricos da informação: primeiras aproximações. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, Florianópolis, p. 116-128, abr. 2008. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/15182924.2008v13nesp1p1 16>. Acesso em: 14 mar. 2016.

PORTO DIGITAL. O que é o Porto Digital. 2016. Disponível em: http://www.portodigital.org/parque/o-que-e-o-porto-digital#submenuempresas>. Acesso em: 02 fev. 2016.

RUBI, M. P.; EUCLIDES, M. L.; SANTOS, J. C. dos. Profissional da informação: aspectos de formação, atuação profissional e marketing para o mercado de trabalho. Informação & Sociedade: Estudos, João Pessoa, v. 16, n. 1, p. 7989, 2006. Disponível em: http://www.ies.ufpb.br/ojs/index.php/ies/article/view/443>. Acesso em: 14 mar. 2016.

SAVIANI, D. O trabalho como princípio educativo frente as novas tecnologias. In: FERRETTI, C J et al (Org.). Novas tecnologias, trabalho e educação: um debate multidisciplinar. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 2003. p. 151-168.

SEVERINO, A. J. A busca do sentido da formação humana: tarefa da Filosofia da Educação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 32, n. 3, p. 619-634, dez. 2006. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/ep/article/view/28030>. Acesso em: 14 mar. 2016.

SILVA, E. L. da; CUNHA, M. V. da. A formação profissional no século XXI: desafios e dilemas. Ci. Inf., Brasília, v. 31, n. 3, p. 77-82, set. 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010019652002000300008&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 14 mar. 2016.

SPARROW, O.. Open Horizons: three Scenarios for 2020 (the 1998 Report from the Chatham House Forum) Multimedia CD, dez. 1998.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Departamento de Ciência da Informação. Projeto político pedagógico do curso de graduação em Gestão da Informação. Recife, 2012. 69 p.

ZAPAROLLI, I. Quality control of vocational higher education and training in Brazil: the relationship among universities, ministry of education, professional representative institutions and labour market. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 25, p.75-88, set. 2004. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/seminasoc/article/download/3814/307 2>. Acesso em: 14 mar. 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2017v22n1p150

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional