A posição da bibliografia na epistemologia de Peignot no setecentos

Gustavo Silva Saldanha

Resumo


Introdução: A partir da perspectiva de uma epistemologia histórica, a reflexão, de fundo filosófico, propõe uma discussão sobre a construção do pensamento peignotiano em direção à seara bibliográfica.

Objetivo: O objetivo geral é contextualizar o pensamento de Gabriel Peignot, bibliófilo, bibliotecário e bibliólogo, na construção, no século XVIII, de uma visão sobre a relevância histórico-política e científica da Bibliografia no contexto de revoluções contemporâneas à sua formalização.

Metodologia: O estudo se concentra na análise conceitual da obra Dictionnaire Raisonné de Bibliologie, publicada em 1802 e aqui compreendida como um dos pioneiros discursos epistêmicos gerais de tentativa de afirmação de um campo científico orientado às práticas de preservação, organização e disseminação dos saberes registrados.

Resultados: A reflexão conduz ao debate sobre a figura sócio-histórica de Peignot em seu tempo e sobre o discurso de construção epistemológica do campo da organização dos saberes entre as noções de Bibliografia e Bibliologia.

Conclusões: Desdobra-se como observações conclusivas a amplitude da bibliografia, das bibliografias e dos bibliógrafos no plano sistemático-epistêmico de Gabriel Peignot tecido ao longo do século XVIII e produzido para o século seguinte.


Palavras-chave


Bibliografia. Bibliologia. Gabriel Peignot. Bibliógrafos. Epistemologia.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2015v20n2p143

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional