Aspectos da Arquitetura da Informação envolvidos no mapeamento de processos em Organizações Militares sob a perspectiva semiótica

Mac Amaral Cartaxo, Cláudio Gottschalg Duque

Resumo


Introdução:  A descrição dos processos visando representar as atividades desenvolvidas numa organização possui importante apelo semiótico, seja pelos usos de fluxogramas, relatórios de gestão e das diversas formas de representação das estratégias utilizadas. A posterior interpretação dos colaboradores da organização envolvidos na aprendizagem das tarefas e os símbolos utilizados para traduzir os significados das práticas de gestão tem papel imprescindível para a organização.

Objetivo: O objetivo deste estudo foi identificar indícios da natureza conceitual e empírica, sobre os aspectos da arquitetura da informação envolvidos no mapeamento de processos realizado em organizações militares sob a perspectiva semiótica.

Metodologia: A pesquisa caracteriza-se como qualitativa, estudo de caso e a de técnica de coleta de dados foi a entrevista semi-estruturada, aplicada aos assessores de gestão.

Resultados: Os principais resultados indicam que as práticas de gestão descritas com a utilização de símbolos pictóricos e layouts diferenciados possuem maior impacto para explicitar a relevância das práticas de gestão e seus indicadores.

Conclusão: No que diz respeito ao apelo semiótico, verificou-se que o impacto de um relatório de gestão é expressivo devido ao uso de signos e layout que estimulam a prosseguir a leitura pela simplificação de conceitos complexos em tabelas, diagramas que resumam longas descrições.


Palavras-chave


Arquitetura da Informação; Mapeamento de Processos; Excelência Gerencial; Organizações Militares; Semiótica

Texto completo:

PDF

Referências


BACHA, M. L.; STREHLAU, V. I. Propaganda na TV não vende carros. A semiótica ajuda a entender por que. In: 29o ENANPAD, 2005, Brasília. Anais eletrônicos do XXIX ENANPAD. Brasília: ANPAD, 2005.

BAILEY, S. Information architecture: a brief introduction. The Information Architecture Institute, Beverly, Massachusetts, Mar. 12, 2003. Disponível em: http://iainstitute.org/tools/download/BaileyIAIntro.pdf>. Acesso em: 15 jul. 2013.

BALDRIGE NATIONAL QUALITY PROGRAM. Criteria for Performance Excellence. Edition 2006. Gaithersburg, MD: National Institute of Standards and Technology (NIST), 2006.

BELTON, K. A Design Foundation for Information Architecture. In: MORROGH, E. Information Architecture: An Emerging 21st Century Profession. New Jersey: Prentice Hall, 2003, cap. 22, p. 143-153.

BENNER, M.J., TUSHMAN, M.L.Exploitation, Exploration, and Process Management: The Productivity Dilemma Revisited’, Academy of Management Review 28(2), 2003

BRANCHEAU, J. C.; WETHERBE, J. C. Information Architectures: Methods and Pratice. Information Processing & Management, v. 22, n. 6, p. 453-463, May 1986.

CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A. Metodologia Científica: para uso dos estudantes universitários. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1983.

CHOO, C. W. A organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. São Paulo: SENAC, 2003.

CROSBY, P. B. Quality is Free: The Art of Making Quality Certain. New York: McGraw- Hill, 1979.

CONSULTA DE INDICADORES DE GESTÃO: Ministério da Defesa, 2015. Disponível em: https://www.sispegweb.ensino.eb.br/ > . Acesso em: 18 maio 2015.

DAVENPORT, T. H. Ecologia da informação: por que só a tecnologia não basta para o sucesso na era da informação. São Paulo: Futura, 1998.

DEMING, W. E. Out of the Crisis. Cambridge, MA: Massachusetts Institute of Technology, Center for Advanced Engineering Study, 1986.

ECO, H. Teoria geral da semiótica. São Paulo: Editora Perspectiva, 1980.

FEIGENBAUM, A. V. Total Quality Control. Harvard Business Review, v. 34, n. 6, p. 93- 101, 1956.

FUNDAÇÃO NACIONAL DA QUALIDADE (FNQ). Critérios de Excelência. Edição 2012. São Paulo, 2013.

GARRETT, J. Um vocabulário visual para AI e Design de Interação. Afifa, 2004. Disponível em: http://aifia.org/pt/translations/000332.html. Acesso em: 24 Maio 2014.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

HAMMER, M.; STANTON, S. How process enterprises really work. Harvard Business Review, v.77, n.6, p.108-118, nov./dec., 1999.

HUBER, G. P. Organization Information System: The contributing processes and the literature. Organization Science, Mangement Science,1991.

JURAN, J. M. Managerial Breakthrough. New York: McGraw-Hill, 1964.

LIMA-MARQUES, M. Outline of a theoretical framework of Architecture of Information: a School of Brasilia proposal. In: BEZIAU, J.-Y.; CONIGLIO, M. E. (Eds.) 2011.

LEVY, Michael. Computer-assisted language learning: context and conceptualization. New York: Oxford University Press, 1997.

MACEDO, F.L.O. Arquitetura da informação: aspectos epistemológicos, científicos e práticos. 186 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) - Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília: Brasília, 2005.

MARCH, J. G. Exploration and Exploitation in Organizational Learning. Organization Science, v. 2, n. 1, p. 70-87, 1991.

McGEE, J. V.; PRUSAK, L. Gerenciamento estratégico da informação. 10. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1994

NIELSEN, J.; TAHIR, M. Home Page: Usabilidade. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

PEIRCE, C. S. Collected papers. Cambridge: Harvard University Press.,1935

ROSENFELD, L.; MORVILLE, P.Information architecture for the world wide web.2. ed. Sebastopol: O’Really, 2002.

RUMMLER, Geary A., BRACHE Alan P.; Melhores Desempenhos das Empresas – Uma abordagem Prática para Transformar as Organizações através da reengenharia, Editora Makron Books, SP, 1994.

SANTAELLA, Lúcia. O que é Semiótica. São Paulo, Brasiliense, 2003.

_________. Matrizes da linguagem e pensamento: sonora, visual, verbal: aplicações na hipermídia. São Paulo: Iluminuras e FAPESP, 2005.

YIN, R. Estudo de Casos: planejamento e Métodos. Porto Alegre, Bookman, 2005

TOUB, S. Evaluating information architecture: a practical guide to assessing web site organization. 2000. Disponível em: http://argusacia.com/white_papers/evaluating_ia.pdf>. Acesso em: 25 jul. 2012.

WODTKE, C. Information Architecture: Blueprints for the web. Indianapolis: New Riders, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2016v21n1p103

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional