Processo de comunicação no ambiente interno de uma indústria: compreensões a partir da análise de conteúdo

Marcio Ferreira da Silva

Resumo


Introdução: O presente trabalho discute e analisa o processo de comunicação em uma indústria do setor sucroalcooleiro do estado de São Paulo. Visa identificar a compreensão e participação dos agentes mediadores da informação no processo de comunicação.

Metodologia: A pesquisa se apresenta como um estudo de caso. O corpus analisado foi composto por oito entrevistas realizadas em 2013 em uma das 20 maiores indústrias produtoras de álcool em 2010 no estado de São Paulo. Quanto à análise das entrevistas foi utilizada a Análise de Conteúdo.

Resultados: Verificou-se alguns ruídos e problemas quanto ao uso de meios no processo. A participação dos agentes é identificada como fundamental ao fluxo de informação e comunicação formal e informal do ambiente interno da indústria.

Conclusões: Contudo, sugere um olhar mais efetivo sobre os ruídos e barreiras de acesso à informação e suas consequências à indústria. Por fim, se reconhece a ação dos agentes mediadores da informação ou gatekeepers entre os respondentes dos departamentos analisados.


Palavras-chave


Comunicação da Informação; Agentes Mediadores; Indústria Sucroalcooleira – São Paulo; Análise de Conteúdo

Texto completo:

PDF

Referências


ACKOFF, Russel L. Planejamento de pesquisa social. São Paulo: Herder, 1967.

ADORNO, Theodor W. A indústria cultural. In: COHN, Gabriel. (Org.). Comunicação e indústria cultural: leituras de análise dos meios de comunicação na sociedade contemporânea e das manifestações da opinião pública, propaganda e “cultura de massa” nessa sociedade. 5. ed. São Paulo: Nacional, 1977. p. 287-295.

ALLEN, Thomas J. Managing the flow of technology: technology transfer and the dissemination of technological information within the R&D organization. Cambridge: MIT Press, 1979. p. 141-181.

ALMEIDA JÚNIOR, Oswaldo. F. Mediação da informação e múltiplas linguagens. Tendências na Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, Brasília, v. 2, n. 1, p. 89-103, jan./dez. 2009.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BRAY, Sílvio Carlos; FERREIRA, Enéias Rente; RUAS, Davi Guilherme Gaspar. As políticas da agroindústria canavieira e o Proálcool no Brasil. Marília: Unesp Marília Publicações, 2000.

COELHO NETTO, Teixeira. Dicionário crítico de políticas culturais: cultura e imaginário. São Paulo: FAPESP: Iluminuras, 1997.

CUNHA, Murilo Bastos; CAVALCANTI, Cordélia Robalinho de Oliveira. Dicionário de biblioteconomia e arquivologia. Brasília: Briquet de Lemos, 2008.

ROS, Silvia Zanata da. Pedagogia e mediação em Reuven Feuerstein: o processo de mudança em adultos com história de deficiência. São Paulo: Plexus, 2002.

DAVALLON, Jean. A mediação: a comunicação como processo? Prisma, Porto, n. 4, 2007.

EJARQUE, Luis García. Diccionario del archivero bibliotecario: terminología de la elaboración, tratamiento y utilización de los materiales propios de los centros documentales. Espanha: Trea, 2000.

ESCOSTEGUY, Ana Carolina. Os estudos culturais. In: HOLFELDT, Antonio; MARTINO, Luiz C.; FRANÇA, Vera Veiga. (Org.). Teorias da comunicação: conceitos, escolas e tendências. Petrópolis: Vozes, 2001. p.151-170.

FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. 32. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2005.

FREITAG, Barbara. A teoria crítica: ontem e hoje. 5. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 39. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

GOMES, Henriette Ferreira. A mediação da informação, comunicação e educação na construção do conhecimento. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 9, n. 1, jan. 2009.

GUIMARÃES, José Augusto Chaves. Moderno profissional da informação: a formação, o mercado e o exercício profissional no Brasil. CBF: Informa, Brasília, v. 3, n. 2, p. 6-7, abr. 1998.

GUIMARÃES, José Augusto Chaves. O profissional da informação sob o prisma de sua formação. In: VALENTIM, M. L. P. (Org.). Profissionais da informação: formação, perfil e atuação profissional. São Paulo: Polis, 2000. p. 53-70.

KREMER, Jeannette. Information flow among engineers in a design company. 1980. 158 f. Thesis (Doctor of Philosophy in Library Science) - School of Library Science, University of Illinois, Urbana, 1980.

MAIA, Patrícia Albano. Expansão territorial do Brasil colonial: o bandeirismo. In: ODÁLIA, Nilo; CALDEIRA, João Ricardo de Castro (Org.). História do Estado de São Paulo: a formação da unidade paulista: São Paulo Colônia e Império. São Paulo: Ed. UNESP; Arquivo Público do Estado: Imprensa oficial, 2010. v. 1, p. 93-103.

MARCHIORI, Patrícia. Zeni. Que profissional queremos formar para o século XXI: graduação. Informação & Informação, Londrina, v. 1, n. 1, p. 27-34, jan./jun. 1996.

MATELLART, Armand; MATELLART, Michèle. Histórias das teorias da comunicação. 14. ed. São Paulo: Loyola, 2011.

MEADOWS, Arthur Jack. A comunicação científica. Brasília: Briquet de Lemos, 1999.

OLIVEIRA, Ivone de Lourdes; PAULA, Maria Aparecida. O que é comunicação estratégica nas organizações. São Paulo: Paulus, 2007.

PEIRCE, Charles Sanders. Semiótica e filosofia. São Paulo: Cultrix, 1972.

PETRONE, Maria Thereza Schorer. A lavoura canavieira em São Paulo: expansão e declínio (1765-1851). São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1968.

PINHO, Jose Benedito. Comunicação nas organizações. Viçosa: Ed. UFV, 2006.

RABAÇA, Carlos Alberto; BARBOSA, Gustavo Guimarães. Dicionário de comunicação. 2. ed. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

REA, Louis M.; PARKER, Richard A. Metodologia de pesquisa: do planejamento à execução. São Paulo: Pioneira, 2000. p. 123-151.

SANTAELLA, Lucia. Matrizes da linguagem e pensamento: sonora, visual, verbal: Aplicações na hipermídia. São Paulo: Iluminuras: Fapesp, 2001.

SARACEVIC, Tefko. Information Science. Journal of The American Society for Information Science, New York, v. 50, n. 12, p. 1051-1063, 1999.

MARTÍNEZ DE SOUSA, José. Diccionario de bibliología y ciencias afines. 3. ed. Gijón: Trea, 2004.

SILVA, Armando Malheiro da; RIBEIRO, Fernanda. Paradigmas serviço e mediações na Ciência da Informação. Recife: Néctar, 2011.

SMIT, Johanna W.; BARRETO, Aldo de Albuquerque. Ciência da informação: base conceitual para a formação profissional. In: VALENTIN, Marta Ligia Pomim (Org.). Formação do profissional da informação. São Paulo: Polis, 2002. Cap. 1, p. 9-24.

TARAPANOFF, Kira. Perfil do profissional da informação no Brasil. Brasília: FIBRA/IEL, 1997.

WOLF, Mauro. Teorias da comunicação. 8. ed. São Paulo: Presença, 2006.

YIN, Robert. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2016v21n1p306

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional