Os termos relativos ao segmento GLBT (gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros) no contexto das Linguagens Documentárias

Claudio Roberto da Silva, Marilda Lopes Ginez de Lara

Resumo


Este artigo sintetiza uma monografia de conclusão de curso que investiga a importância das palavras relativas à experiência de gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros. A reflexão tem início com estudos sobre a formação da linguagem e de sua importância para a integração humana à cultura, diferenciando a linguagem natural da linguagem documentária através da compreensão sobre o processo de formação das LDs e do reconhecimento de seu poder ideológico. Na seqüência, dedica-se a recuperar o uso de termos relacionados a sexo e gênero no decorrer da história e à apresentação dos sistemas organizados por Dewey e Cutter (CDD e LCSH). Neste ponto, é feita uma análise sobre como esses sistemas sustentavam discursos produzidos pela autoridade científica, no primeiro caso, e, no segundo, pela imposição de padrões culturais relativos ao público majoritário e cujas características incapacitaram esses sistemas de atender a segmentos sociais mais específicos. Finalmente, a reflexão destaca as mudanças provocadas por sujeitos políticos que, aliados aos bibliotecários, ganharam espaço nos anos sessenta e que reconheceram a importância da guarda de materiais, de centros de documentação, como a necessidade de novas linguagens para atender ao público GLBT, dando origem a um novo campo de estudos sobre a análise da documentação.

Palavras-chave


Homossexualidade; Linguagens documentárias

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2004v9n1-2p33

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional