Avaliação das noções de Digital Object Identifier (DOI) em alunos de um curso a distância de Pós-Graduação Lato Sensu

Ricardo Shitsuka, Dorlivete Moreira Shitsuka, Rabbith Ive Carolina Shitsuka Risemberg

Resumo


Introdução: Mais de um milhão de estudantes se graduam anualmente no Brasil e muitos seguem para cursos de Pós-Graduação Lato sensu. Estes são voltados para o mercado profissional e acadêmico. Neles é interessante que se aprendam as noções de DOI (Digital Object Identifier), titularidade e copyright.

Objetivo: Apresentar a avaliação das noções de DOI, e gerenciamento de informação em estudantes.

Metodologia: Realiza-se uma pesquisa exploratória, qualitativa, estudo de caso do fenômeno das noções sobre DOI e conceitos relacionados. Entrevistam-se estudantes que estão concluindo seu curso de Pós-Graduação Lato sensu em uma instituição particular tradicional no segmento e localizada na Região Sudeste do Brasil.

Resultados: A grande maioria dos estudantes do estudo do caso não conhecia o DOI e outros padrões para identificação de documentos relacionados ao gerenciamento da informação. A participação na pesquisa os faz se interessarem pelo tema.

Conclusões: Poucos estudantes, desta pesquisa, conheciam o DOI e gerenciamento da informação. Associa-se este fenômeno à baixa inserção brasileira na produção científica mundial. A realização do trabalho mostrou-se incentivadora para o surgimento da motivação em se reverter esse quadro e este tipo de estudo se mostra interessante para desvelar caminhos para aumentar a produção cientifica nacional no contexto da produção mundial.

Palavras-chave


Metadados; Documentos Digitais; Ciência da Informação; Gerenciamento da Informação; Metodologia do Trabalho Científico

Texto completo:

PDF

Referências


BAPTISTA, Dulce Maria. A utilização da internet como ferramenta indispensável na busca contemporânea de informação: alguns aspectos relevantes. Informação & Informação, Londrina, v. 12, n. 1, jan./jun. 2007. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/1754>. Acesso em: 29 fev. 2016.

BARATA, Germana. A difícil tarefa de entrar para o cenário internacional. Ciência e Cultura, São Paulo, v. 61, n. 3, p. 8-11, 2009. Disponível em: http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?pid=S000967252009000300004&script=sci_arttext>. Acesso em 29 fev. 2016.

BARATA, Germana. América Latina e o impacto de suas publicações científicas. Ciência e Cultura, São Paulo, v. 62, n. 2, p. 14-16, 2010. Disponível em: http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?pid=S000967252010000200007&script=sci_arttext>. Acesso em: 29 fev. 2016.

BOGHI, Cláudio; SHITSUKA, Ricardo. Sistemas de informação: um enfoque dinâmico. 3. ed. São Paulo: Erica, 2007.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CES n° 1, de 8 de junho de 2007. Estabelece normas para o funcionamento de cursos de pós-graduação lato sensu, em nível de especialização. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/ arquivos/pdf/rces001_07.pdf>. Acesso em: 29 fev. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Ensino superior registra mais 7,3 milhões de estudantes. 2014. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/educacao/2014/09/ ensino-superior-registra-mais-de-7-3milhoes-de-estudantes>. Acesso em: 29 fev. 2016.

BRASIL. Portaria n. 7, de 22 de junho de 2009. Dispõe sobre e o mestrado profissional no âmbito da Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES. Disponível em: https://www.capes.gov.br/images/stories/download/legislacao/Revogada-Portaria-Normativa-n_7-22-de-junho-2009-Mestrado-Profissional.pdf>. Acesso em: 29 fev. 2016.

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS. Biblioteca Mario Henrique Simonsen. Digital object identifier. 2013. Disponível em: http://sistema.bibliotecas-rj.fgv.br/bmhs/tutorais/doi>. Acesso em: 29 fev. 2016.

INEP - INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Brasil teve mais de 7 milhões de matrículas no ano passado. 2013. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/visualizar/-/asset_publisher/6AhJ/ content/brasil-teve-mais-de-7-milhoes-de-matriculas-no-ano-passado>. Acesso em: 28 fev. 2016.

LANZI, Lucirene Andréa Catini et al. Tecnologias de informação e comunicação no cotidiano dos adolescentes: enfoque no comportamento e nas competências informacionais da “geração Google”. Informação & Informação, Londrina, v. 17, n. 3, p. 49-75, set./dez. 2012. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/11308>. Acesso em: 28 fev. 2016.

LAUDON, Keneth; LAUDON, Jane Price. Sistemas de informação. São Paulo: Pearson, 2015.

LE COADIC, Yves-François. A ciência da informação. Brasília: Briquet Lemos, 2004.

LUDKE, Menga; ANDRE, Marli Elisa Dalmazo Afonso de. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: E.P.U., 2013.

MARQUES, Fabrício. A construção da teia. Pesquisa FAPESP, São Paulo, v. 169, p. 31-33, mar. 2010.

O’BRIEN, James A. Sistemas de informação e as decisões gerenciais na era da Internet. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2011.

OLIVEIRA, Adriano Mendes et al. Search engine optimization - SEO: a contribuição do bibliotecário na otimização de websites para os mecanismos de busca. Revista CRB-8 Digital. São Paulo, v. 4, n. 1, p. 64-77, abr. 2011. Disponível em: http://revista.crb8.org.br/index.php/crb8digital/article/view/61>. Acesso em: 28 fev. 2016.

OLIVEIRA, Fátima Bayma de. Origem e evolução dos cursos de pósgraduação lato sensu no Brasil. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, n. 29, v. 1, p. 19-33, jan./mar. 1995. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/ rap/article/view/8285/7062>. Acesso em: 28 fev. 2016.

OLIVEIRA, Marlene de (Coord.). Ciência da informação e biblioteconomia: novos conteúdos e espaços de atuação. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2005.

PASKIN, Norman. Digital object identifier (D.O.I.) system. In: BRACK, Miriam. Encyclopedia of library and information sciences. 3th. ed. New York: Marcel Dekker, 2009.

PRENSKY, Marc. Digital native, digital immigrants. On the Horizon, NBC University Press, v. 9, n. 5, 2001. Disponível em: http://www.marcprensky.com/writing/Prensky%20-%20Digital%20Natives,%20Digital%20Immigrants%20-%20Part1.pdf>. Acesso em: 17 jun. 2015.

PRENSKY, Marc. H. sapiens digital: from digital immigrants and digital natives to digital Wisdom. Innovate, United States, v. 5, n. 3, 2009. Disponível em: http://www.wisdompage.com/Prensky01.html>. Acesso em: 29 fev. 2016.

ROSENBLATT, Bill. The digital object identifier: solving the dilemma of copyright protection online. The Journal of Electronic Publishing, v. 3, n. 2, Dec. 1997. Disponível em: http://dx.doi.org/10.3998/3336451.0003.204>. Acesso em: 27 jun. 2015.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

TESTAL, Cristina Garcia. Digital object identifier. El Profesional de la Información, Barcelona, v. 10, n. 7-8, p. 26-31, jul./ago. 2001. Disponível em: http://www.elprofesionaldelainformacion.com/contenidos.html>. Acesso em: 29 fev. 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Mestrado profissional agora é stricto sensu e terá normas próprias. Disponível em: https://www.ufpe.br/agencia/index.php?option=com_content&view=article&id=34713:a&catid=19&Itemid=72>. Acesso em 29 fev. 2016.

YIN, Robert K. O estudo de caso. Porto Alegre: Bookman, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2016v21n1p496

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional