Rupturas de paradigmas na Arquivologia custodial para a pós-custodial

Sandra Sanches da Cunha, Alexandre Fernal

Resumo


Introdução: As raízes do Positivismo do século XIX propiciou à Arquivologia a predominância do sincretismo, do patrimonialismo, do tecnicismo da área, voltada para a custódia documental. Repensar as práticas arquivísticas no contexto do pós-moderno, tornou-se um desafio. Desta forma, realizou-se uma pesquisa que teve como objetivo analisar as bases da Arquivologia, evidenciar e ressaltar seus pontos de rupturas paradigmáticas e seus impactos na área. Para isso, utilizou-se como metodologia a pesquisa bibliográfica, documental exploratória e qualitativa. A conclusão, reflete a respeito dos elementos atribuídos neste trabalho e da complexidade que cerca este assunto das rupturas, ressaltando a importância das reflexões acerca da temática e das contribuições do clássico para o contemporâneo. Como resultado desta pesquisa, têm-se os pontos de ruptura destacados, suas consequências refletidas, sabendo-se, no entanto, que este tema ainda envolve discussões mais abrangentes e profundas para que se chegue a um consenso.


Palavras-chave


Arquivologia; Arquivologia custodial; Arquivologia pós-custodial; Paradigmas; Pós-moderno;

Texto completo:

PDF

Referências


COOK, Terry. Arquivologia e Pós-modernismo: novas formulações para velhos conceitos. Informação Arquivística. Rio de Janeiro, RJ, v. 1, n. 1, p. 123-148, jul./dez. 2012. Disponível em: https://bit.ly/3yHpMxD. Acesso em: 05 abr. 2018.

CRUZ, Emília Barroso. Acesso e gestão da informação governamental do tipo arquivístico: aspectos técnicos e a visão de gestores e servidores de duas instituições governamentais. 2016. 226 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) - Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: https://bit.ly/3yKeEjC. Acesso em: 25 nov. 2018.

FERNAL, Alexandre; FRANKLIN, Benjamin Luiz. Materialidade da informação nos ambientes informacionais digitais e os impactos na arquivologia.In:ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 16., 2015,João Pessoa. Anais [...] João Pessoa: ANCIB: UFPB, 2015, p. 1-19. Disponível; em: https://bit.ly/3htak2A. Acesso em: 07 abr. 2018.

KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. Tradução: Beatriz Vianna Boeira e Nelson Boeira. 5 ed. São Paulo: Perspectiva, 1998,.

PIMENTEL, Jorlânio de Miranda. Da concepção da visão custodial para a pós custodial no âmbito da gestão documental: uma discussão em aberto na literatura e na prática. 2016. 25 f. Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Arquivologia) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2016.Disponível em: https://bit.ly/36sXFq4. Acesso em: 01 dez. 2018.

ROCCO, Brenda Couto de Brito. Um estudo sobre a gestão de documentos arquivísticos digitais na administração pública federal brasileira. 2013. 130f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Instituto Brasileiro de informação em Ciência e Tecnologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

RONDINELLI, Rosely Curi. Gestão arquivística de documentos eletrônicos. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

SCHIMDT, Clarissa Moreira dos Santos. Arquivologia e a construção do seu objeto científico: concepções, trajetórias, contextualizações. 2012. 320 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) - Universidade de São Paulo, São Paulo,2012.

SCHIMDT, Clarissa Moreira dos Santos. O clássico e o pós-moderno: algumas reflexões acerca da arquivologia a partir do pensamento de Hilary Jenkinson e Terry Cook. Informação Arquivística, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 42-59, jan./jun. 2014. Disponível em: https://bit.ly/2T1Catf. Acesso em: 07 abr. 2018.

SILVA, Luiz Eduardo Ferreira da. Uma ruptura a-significante: o desconstruir-se a ideia de uma “nova ciência arquivística pós-moderna” sob uma ótica pós-estruturalista. Informação Arquivística, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 25-40, jan./jun. 2015. Disponível em: https://bit.ly/3wxiaw8. Acesso em: 08 jun. 2018.

SILVA NETO, Sertório de Amorim e. O que é um paradigma? Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, v. 45, n, 2, p. 345-354, out. 2011. Disponível em: https://bit.ly/2Uy7WhY. Acesso em: 13 out. 2018.

TOGNOLI, Natália Bolfarini. A contribuição epistemológica canadense para a construção da arquivística contemporânea. 2010. 120 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) -Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Marília, 2010. Disponível em: https://bit.ly/3wvDr9L. Acesso em: 16 jan. 2018.

TOGNOLI, Natália Bolfarini;. GUIMARÃES, José Augusto Chaves. Arquivística pós-moderna, diplomática arquivística e arquivística integrada: novas abordagens de organização para a construção de uma disciplina contemporânea. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 11., 2010, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro, ANCIB: IBICT,2010. Disponível em: https://bit.ly/3AH4VfM. Acesso em: 06 abr. 2018.

TOSSATO, Claudemir Roque. Incomensurabilidade, comparabilidade e objetividade.Scientiae Studia, São Paulo, v.10, n.3, 2012. Disponível em: https://bit.ly/3AH4WjQ. Acesso em: 12 nov. 2018.

VIEIRA, Thiago de Oliveira. Alguns aportes para os limites de uma arquivologia contemporânea. ÁGORA: Revista do Curso de Arquivologia da UFSC, Florianópolis, v. 23, n. 46, p. 45-57, jun. 2013. Disponível em: https://bit.ly/3k1au2H. Acesso em: 07 nov. 2018.

ZAMMATARO, Ana Flávia Dias. Concepção de arquivo no contexto pós-moderno: um diálogo com a arquivologia pós-custodial. In: SEMINÁRIO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO. 5., 2013, Londrina. Anais [...] Londrina: UEL, 2013, p. 352-369.Disponível em: https://bit.ly/3yK3fAA. Acesso em: 01 abr. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2317-4390.2021v10n1p183

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Inf. Prof.

Londrina/PR - Brasil
ISSN: 2317-4390 (versão online)

DOI: 10.5433/2317-4390

infoprof@uel.br



Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)