Insalubre pela própria natureza: a biblioteca e os riscos à saúde do profissional da informação

Marília Cossich Ramos

Resumo


Introdução: Este trabalho apresenta os fatores de risco ocupacionais que afetam a saúde dos profissionais da informação (neste caso os bibliotecários) nos quais estão suscetíveis em seu ambiente de trabalho mais tradicional que é a biblioteca. Aborda a Medicina e a Segurança do Trabalho como ferramentas importantes para a diminuição de acidentes e doenças ocupacionais. Relata os fatores que interferem na qualidade de vida no trabalho.
Objetivo: Tem por objetivo refletir sobre o ambiente de trabalho e a prática profissional do bibliotecário tendo em vista o surgimento de doenças ocupacionais decorrentes do exercício da profissão.
Metodologia: Trata-se de uma pesquisa descritiva com abordagem qualitativa. Para a coleta dos dados foi realizado um levantamento bibliográfico em artigos de periódicos e livros.
Conclusões: Estabelece relações entre a falta de políticas institucionais quanto a segurança do trabalho para os bibliotecários e o surgimento de doenças ocupacionais. Como resultado pôde-se perceber a importância da adequação do ambiente de trabalho e das práticas profissionais a fim de se eliminar e/ou diminuir a incidência de doenças ocupacionais.


Palavras-chave


Segurança do trabalho; Bibliotecas; Doenças profissionais; Bibliotecários

Texto completo:

PDF

Referências


ALVIM, M. B. Contato e cultura organizacional: ensaio para um modelo psicológico de análise organizacional na perspectiva da abordagem gestáltica. 2000. 263 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília, 2000.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE MEDICINA DO TRABALHO. História da Medicina do Trabalho, São Paulo, [20??]. Disponível em: https://www.anamt.org.br/portal/historia-da-medicina-do-trabalho/. Acesso em: 02 dez. 2020.

BRISTOT, Vilson Menegon. Introdução à Engenharia de Segurança do Trabalho. Criciúma, SC: UNESC, 2019.

CONSELHO FEDERAL DE BIBLIOTECONOMIA. Resolução n. 42, de 11/01/2002: Código de Ética Profissional do Bibliotecário. 2002.

DWYER, Tom. Vida e morte no trabalho. São Paulo: Multiação Editorial; Campinas: Editora da Unicamp, 2006.

KLEIN, Leander L.; PEREIRA, Breno A. D.; LEMOS, Ricardo B. Qualidade de vida no trabalho: parâmetros e avaliação no serviço público. RAM. Revista. Adm. Mackenzie, São Paulo, v. 20, n. 3, 2019.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Recomendación sobre los servicios de Medicina del Trabajo en los lugares de empleo (Recomendación no 112 de la OIT adoptada en 24 de junio de 1959). In: Convenios y recomendaciones (1919-1966). Genebra, 1966. p. 1054-8. 46.

RODRIGUES, Mara Eliane Fonseca et al. A biblioteca e o bibliotecário no imaginário popular. Biblionline, João Pessoa, v. 9, n.1, p. 82-95, 2013.

SANTOS, Josiel Machado. Bibliotecas no Brasil: um olhar histórico. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, Nova Série, São Paulo, v.6, n.1, p. 50-61, jan./jun. 2010.

SIQUEIRA, Luís Fernando de Góes. O controle de qualidade do ar de interiores e a saúde ocupacional. In: VIEIRA, Sebastião Ivone (Org.). Medicina básica do trabalho. Curitiba: Gênesis, 1998. v. 5, p. 241-245.

SOUZA, F. C.; SILVA, P. S. O trabalho do bibliotecário e os riscos potenciais a sua saúde integral em torno do campo da ergonomia. Em Questão, Porto Alegre, v.13, n.1, p. 127-146, jan./ jun. 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2317-4390.2021v10n1p83

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Inf. Prof.

Londrina/PR - Brasil
ISSN: 2317-4390 (versão online)

DOI: 10.5433/2317-4390

infoprof@uel.br



Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)