Avaliação de documentos em instituições públicas de Ensino Superior de Florianópolis – SC: panorama de uma década

Iuri Ianiski de Moura, Eliana Maria dos Santos Bahia

Resumo


A avaliação de documentos é uma atividade essencial da gestão documental, constituindo-se de uma função arquivística responsável em identificar valores para os documentos, visando estabelecer prazos de guarda e destinação para a documentação. As instituições de ensino também se vêem diante de problemas gerados pelo aumento contínuo de documentos, principalmente as instituições públicas. Desta forma, no ano de 2009, durante o Curso de Pós-Graduação a Distância Especialização Gestão em Arquivos, da Universidade Federal de Santa Maria, foi realizada uma pesquisa que teve como objetivo investigar as políticas de avaliação de documentos em instituições públicas de ensino superior de Florianópolis – SC. Para tanto, realizou-se um estudo descritivo, de abordagem qualitativa, onde por meio de questionário, foram coletados os dados em três instituições de ensino. Dez anos depois, em 2019, o mesmo questionário foi aplicado novamente nas três instituições objeto da pesquisa, visando identificar as evoluções ocorridas no período.

 


Palavras-chave


Avaliação de documentos; Arquivística; Instituições de ensino superior; Tabela de temporalidade de Documentos; Comissão permanente de avaliação de documentos

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, T.; MEDEIROS, G. M. Avaliação de documentos nas universidades federais brasileiras. Àgora, v. 24, n. 48, p. 332-350, 2014. Disponível em: https://www.brapci.inf.br/index.php/res/v/12604. Acesso em: 13 maio 2020.

ARQUIVO NACIONAL. Dicionário brasileiro de terminologia arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005.

ARQUIVO NACIONAL. Classificação, temporalidade e destinação de documentos de arquivo; relativos às atividades-meio da administração pública. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2001.

BERNARDES, I. P. Como avaliar documentos de arquivo. São Paulo: Arquivo do Estado, 1998. (Projeto como fazer; v. 1).

BRASIL. Lei nº 8.159 de 8 de janeiro de 1991. Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências. Presidência da República, Casa Civil, 1991.

BRASIL. Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011. Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5º , no inciso II do § 3º do art. 37 e no § 2º do art. 216 da Constituição Federal; altera a Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990; revoga a Lei nº 11.111, de 5 de maio de 2005, e dispositivos da Lei nº 8.159, de 8 de janeiro de 1991; e dá outras providências. Diário Oficial da União, 18 de novembro de 2011.

CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A.; SILVA, R. da. Metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. Portaria nº 92, de 23 de setembro de 2011. Diário Oficial da União, de 26 de setembro de 2011.

ELIAS, E. D.; PINTO, A. L. Métricas em Arquivo Universitário. Florianópolis: Imprensa Universitária, 2016.

FONSECA, M. O. K. Direito à informação: acesso aos arquivos públicos municipais. 1996. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Universidade Federal do Rio de Janeiro - Escola de Comunicação. Rio de Janeiro, 1996.

INDOLFO, A. C. Dimensões político-arquivísticas da avaliação de documentos na administração pública federal (2004-2012). 2013. 312 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação. Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia/Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: http://ridi.ibict.br/handle/123456789/893. Acesso em: 04 maio 2020.

JARDIM, J. M. Transparência e opacidade do estado no Brasil: usos e desusos da informação governamental. Niterói: EdUFF, 1999.

LOPES, L. C. A nova arquivística na modernização administrativa. Rio de Janeiro: Papéis e Sistemas Assessoria Ltda, 2000.

MAKHLOUF, B.; CAVALCANTE, L. E. Avaliação arquivística: bases teóricas, estratégias de aplicação e instrumentação. Encontros Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Florianópolis. v. 13, n. 26, p. 201-213, 2008. Disponível em: http://www.periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/7199/6646. Acesso em: 31 mai. 2019.

MACHADO, H. C.; CAMARGO, A. M. A. de. Como implantar arquivos públicos municipais. São Paulo: Arquivo do Estado, 2000.

MEDEIROS, N. L.; AMARAL, C. M. G. do. A representação do ciclo vital dos documentos: uma discussão sob a ótica da gestão de documentos. Em Questão, Porto Alegre, v. 16, n. 2, p. 297-310, jul./dez. 2010.

ROUSSEAU, J. Y; COUTURE, C. Os fundamentos da disciplina arquivística. Lisboa, Portugal: Nova Enciclopédia, 1998.

SANTOS, V. B. dos; INNARELLI, H. C.; SOUSA, R. T. B. de (Orgs.). Arquivística: temas contemporâneos: classificação, preservação digital, gestão do conhecimento. 3 ed. Distrito Federal: SENAC, 2009.

SISTEMA DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E ARQUIVOS. Portaria MEC nº 1.224, de 18 de dezembro de 2013. Diário Oficial da União, n. 246, seção 1, p. 105-116, de 12 de dezembro de 2013.

SOUSA, R. T. B. As bases do processo classificatório em arquivística. São Paulo. Associação de Arquivistas de São Paulo, 2002.

SOUZA, K. I. M. de. Arquivista, visibilidade profissional: formação, associativismo e mercado de trabalho. Brasília: Starprint, 2011.

SCHELLENBERG, T. R. Arquivos modernos: princípios e técnicas. 6 ed. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2008.

SILVA, J. A. da. Por uma Política Nacional de Arquivos. In: Mesa Redonda Nacional de Arquivos, 1999. Caderno de textos. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2317-4390.2020v9n1p48

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Inf. Prof.

Londrina/PR - Brasil
ISSN: 2317-4390 (versão online)

DOI: 10.5433/2317-4390

infoprof@uel.br

 


 
Esta obra está licenciada com uma licença Creative Commons Atribuição-Não comercial 4.0 Internacional.