Livro didático, currículo escolar e história pública: futuro do pretérito

Márcia Elisa Teté Ramos

Resumo


Discute as relações entre o livro didático, currículo de história e a História Pública. Considera três momentos históricos: os currículos e livros didáticos da transição da década de 1980-1990; os Parâmetros Curriculares Nacionais de meados da década de 90 e a contemporaneidade com a Base Nacional Comum Curricular, em especial sobre as mudanças na organização de conteúdos históricos entre a primeira versão e a terceira versão, esta então vigente. Levanta hipóteses, a partir do currículo de história atual e das ideias que circulam sobre História, quanto à configuração do livro didático de história no futuro próximo. Entende que, de um lado, defende a renovação/reformulação/atualização nos conteúdos históricos escolares, mas de outro, o passado persiste sob a ideia de cronologia linear, periodização quadripartite e conteúdos organizados de forma eurocêntrica. Considera que temos que compreender o que circula na História Pública em termos de conhecimento histórico, principalmente o que é veiculado pela mídia, e ao mesmo tempo pensa que analisar currículo e livro didático permite uma intervenção didático-pedagógica de modo a promover uma sociedade mais democrática, justa e igualitária.

Palavras-chave


Livro didático; Currículo escolar; Ensino de História; História Pública

Texto completo:

PDF

Referências


ALBIERI, Sara. Apontamentos. In: ALMEIDA, Juniele Rabêlo; ROVAI, Marta Gouveia de Oliveira (org.). Introdução à História Pública. São Paulo: Letra e Voz. 2011. p. 19-30.

ALMEIDA, Juniele Rabêlo; ROVAI, Marta Gouveia de Oliveira (org.). Introdução à História Pública. São Paulo: Letra e Voz. 2011.

AZEVEDO, Reinaldo. Esquerdopatia nas escolas, a nota do MEC, a educação no pântano. Revista Veja, São Paulo, 18 set. 2007a.

AZEVEDO, Reinaldo. Livro didático faz a apologia do erro: exponho a essência da picaretagem teórica e da malvadeza dessa gente. Revista Veja, São Paulo, 20 fev. 2017.

AZEVEDO, Reinaldo. Maria Victoria e Comparato usam lei da ditadura para contestar ditabranda. Revista Veja, São Paulo, 14 mar. 2009. AZEVEDO, Reinaldo. Mistificação 1: o petismo chega ao livro didático. Agora sem disfarca. Revista Veja, São Paulo, 2 out. 2007b.

AZEVEDO, Reinaldo. Nossas crianças estão entregues à sanha esquerdopata. Revista Veja, São Paulo, 18 set. 2007c.

AZEVEDO, Reinaldo. Panfleto didático 2: o MEC acorda tarde. Revista Veja, São Paulo, 20 set. 2007d.

AZEVEDO, Reinaldo. Uma entrevista com Ali Kamel. Revista Veja, São Paulo, 21 set. 2007e.

AZEVEDO, Reinaldo. Uma nova geração de energúmenos. Revista Veja, São Paulo, 19 set. 2007f.

BERGMANN, Klaus. A História na reflexão didática. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 9, n. 19, p. 29-42, set./fev. 1990.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Capitalismo e cidadania nas atuais propostas curriculares de História. In: BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes (org.). O saber histórico em sala de aula. São Paulo: Contexto, 1997. p. 11- 27.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Ensino de História: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2004. BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: história. Brasília: MEC, SEF, 1997. BRASIL, Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação. 2015. Disponível em http://docs.wixstatic.com/ugd/d8d064_86ba8d7ba16f43a091abbd2b7e6983 e6.pdf Acesso em: 15 jan. 2019.

BRASIL, Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação. 2015. Disponível em http://www.observatoriodoensinomedio.ufpr.br/wpcontent/uploads/2017/04/BNCC-Documento-Final.pdf Acesso 15 jan. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Histórico. [201-]. Disponível em: https://www.fnde.gov.br/programas/programas-do-livro/livrodidatico/historico Acesso em: 15 jan. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Edital de convocação 01/2017: CGPLI. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70041-edital-pnld-2019- pdf/file. Acesso em: 10 nov. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretária de Educação Básica. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. PNLD 2019: história: guia de livros didáticos. Brasília: MEC, 2018. Disponível em: https://s3.us-east2.amazonaws.com/plataforma-pnld/guias/Guia_PNLD_2019_historia.pdf. Acesso em: 10 nov. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: história. Brasília: MEC: SEF, 1998.

CABRINI, Conceição. O ensino de História: revisão urgente. São Paulo: Brasiliense, 1987.

CAIMI, Flávia. História convencional, integrada, temática: uma opção necessária ou um falso debate? In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 25., 2009, Fortaleza. Anais [...]. São Paulo: ANPUH, 2009a.

CAIMI, Flávia. História escolar e memória coletiva: como se ensina? Como se aprende? In: ROCHA, Helenice; MAGALHÃES, Marcelo; GONTIJO, Rebeca (org.). A escrita da história escolar: memória e historiografia. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2009b. p. 65-79.

CHEVALLARD, Yves. La transposición didáctica: del saber sábio al saber enseñado. Buenos Aires: Aique, 1991.

CONSTANTINO, Rodrigo. Escola sem partido já! In: Escola Sem Partido. [S. l.], 6 mar. 2015. Disponível em: http://www.escolasempartido.org/artigostop/536-escola-sem-partido-ja. Acesso em: 12 nov. 2018.

CONSTANTINO, Rodrigo. O contexto em 1964. Gazeta do Povo, Curitiba, 1 abr. 2017. DOMINGUES, Joelza Esther. História em documento: imagem e texto. São Paulo: FTD, 2001. v. 5-8.

FAGUNDES, Bruno Flávio Lontra. O que é, como e por que história pública? Algumas considerações sobre indefinições. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE HISTÓRIA, 8., 2017, Maringá. Anais [...]. Maringá: UEM, 2017. Disponível em: http://www.cih.uem.br/anais/2017/trabalhos/3426.pdf. Acesso em: 14 jan. 2019.

FARIA, Ana Lúcia Goulart de. Ideologia no livro didático. 6. ed. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1987.

FÉLIX, Rosana. Ensino de História no Brasil em xeque. Gazeta do Povo, Curitiba, 18 dez. 2015. FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. Rio de Janeiro: Vozes, 2000.

FUNARI, Pedro Paulo. Mudanças no ensino de história são prejudiciais, diz professor da Unicamp. Folha de S. Paulo, São Paulo, 23 out. 2015.

GOODSON, Ivor Frederick. La construcción social del curriculum: posibilidades y ámbitos de investigación de la historia del curriculum. Revista de Educación, Madrid, n. 295, p. 7-37, 1991.

HÖFLING, Eloisa de Mattos. O livro didático em Estudos Sociais. Campinas: Editora Unicamp, 1986.

KAMEL, Ali. O que ensinam às nossas crianças. O Globo, Rio de Janeiro, 18 set. 2007.

LAUTIER, Nicole. Os saberes históricos em situação escolar: circulação, transformação e adaptação. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 36, n. 1, p. 39-58, jan./abr. 2011.

LE GOFF, J. et al. A nova história. Rio de Janeiro: Edições 70, 1977. LIBÂNEO, José Carlos. Saber, saber ser, saber fazer: o conteúdo do fazer pedagógico. Revista da ANDE, Rio de Janeiro, v. 1, 1982.

LIDDINGTON, Jill. What Is Public History? Publics and Their Pasts, Meanings and Practices. Oral History, v. 30, n. 1, Women?s Narratives of Resistance, p. 83-93, 2002.

LIMA, André de. Carta Capital dedica capa e oito páginas ao PNLD. In: Abrelivros. São Paulo, 1 out. 2017. Disponível em: http://www.abrelivros.org.br/home/index.php/noticias/2235-carta-capitaldedica-capa-e-oito-paginas-ao-pnld. Acesso em: 11 nov. 2018.

MACEDO, José Rivair; OLIVEIRA, Marley W. Brasil: uma história em construção. São Paulo: Editora do Brasil, 1996. v. 2.

MAGNOLI, Demétrio; BARBOSA, Elaine Senise. História sem tempo. Gazeta do Povo, Curitiba, 8 nov. 2015a.

MAGNOLI, Demétrio; BARBOSA, Elaine Senise. Proposta do MEC para ensino de história mata a temporalidade. Folha de S. Paulo, São Paulo, 8 dez. 2015b.

MALERBA, Jurandir. Acadêmicos na berlinda ou como cada um escreve a História? Uma reflexão sobre o embate entre historiadores acadêmicos e não acadêmicos no Brasil à luz dos debates sobre Public History. História da Historiografia, Ouro Preto, v. 15, p. 27-50, ago. 2014.

MARTINS, Maria do Carmo. A CENP e a criação do currículo de História: a descontinuidade de um projeto educacional. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 18, n. 36, p. 36-60, 1998.

MEDEIROS, Daniel Hortêncio. A formação da consciência histórica como objetivo do ensino de História no Ensino Médio: o lugar do material didático. 2005. 208 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2005.

MONTELLATO, Andrea Rodrigues Dias; CABRINI, Conceição; CATELLI JUNIOR, Roberto. História temática: diversidade cultural e conflitos. São Paulo: Scipione, 2000.

MONTELLATO, Andrea Rodrigues Dias; CABRINI, Conceição; CATELLI JUNIOR, Roberto. História temática: tempos e culturas. São Paulo: Scipione, 2000.

MONTELLATO, Andrea Rodrigues Dias; CABRINI, Conceição; CATELLI JUNIOR, Roberto. História temática: terra e propriedade. São Paulo: Scipione, 2000.

MONTELLATO, Andrea Rodrigues Dias; CABRINI, Conceição; CATELLI JUNIOR, Roberto. História temática: o mundo dos cidadãos. São Paulo: Scipione, 2000.

MORENO, Jean Carlos. História na Base Nacional Comum Curricular: déjà vu e novos dilemas no século XXI. História & Ensino, Londrina, v. 22, n. 1, p. 7-27, jan./jun. 2016.

MUNAKATA, Kazumi. História que os livros didáticos contam depois que acabou a ditadura no Brasil. In: FREITAS, Marcos Cezar de (org.). Historiografia brasileira em perspectiva. São Paulo: Contexto, 1998. p. 271- 296. NADAI, Elza. O ensino de história no Brasil: trajetória e perspectivas. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 13, n. 25/26, p. 143-162, set./ago. 1993.

NADAI, Elza; NEVES, Joana. História do Brasil: da Colônia à República. São Paulo: Saraiva, 1991a.

NADAI, Elza; NEVES, Joana. História geral: antiga e medieval. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 1991b.

NADAI, Elza; NEVES, Joana. História geral: moderna e contemporânea. 8. ed. São Paulo: Saraiva, 1991c.

NIKITIUK, Sônia. Repensando o ensino de história. São Paulo: Cortez, 1996.

NOSELLA, Maria de Lourdes Chagas Deiró. As belas mentiras: a ideologia subjacente aos textos didáticos. 8. ed. São Paulo: Moraes, 1981.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Superintendência de Educação. Departamento de Ensino de Primeiro Grau. Currículo básico para a escola pública do Estado do Paraná. Curitiba: SEED, 1990.

PENTEADO, Heloísa Dupas. Metodologia do ensino de História e Geografia. São Paulo: Cortez, 1994.

PINSKY, Jaime (org.). O ensino de história e a criação do fato. 5. ed. São Paulo: Contexto, 1992.

PINTO JUNIOR, Arnaldo; BUENO, João Batista Gonçalves; GUIMARÃES, Maria de Fátima. A BNCC em pauta: quando nós vamos estudar nossa história? In: MOLINA, Ana Heloísa;

FERREIRA, Carlos Augusto Lima (org.). Entre textos e contextos: caminhos do ensino de história. Curitiba: Editora CRV, 2016. p. 61-82.

PROST, Antoine. Doze lições de história. Tradução Guilherme João de Freitas Teixeira. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

RAMOS, Márcia Elisa Teté. O ensino de história na revista Nova Escola (1986-2002): cultura midiática, currículo e ação docente. Curitiba: CRV, 2015.

RICCI, Claudia Sapag. Quando os discursos não se encontram: imaginário do professor de história e a reforma curricular dos anos 80 em São Paulo. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 18, n. 36, p. 61-88, 1998.

RIGHETTI, Sabine. Proposta de ministério que altera ensino de história causa reações. Folha de S. Paulo, São Paulo, 22 nov. 2015.

ROSENZWEIG Roy; THELEN, David. The Presence of the Past. Popular Uses of History in American Life. New York: Columbia University Press, 1998.

RÜSEN, Jörn. Didática da História: passado, presente e perspectivas a partir do caso alemão. In: SCHMIDT, Maria Auxiliadora; BARCA, Isabel; MARTINS, Estevão de Rezende (org.). Jörn Rüsen e o ensino de História. Curitiba: Editora UFPR, 2010a. p. 23-40.

RÜSEN, Jörn. Aprendizado histórico. In: SCHMIDT, Maria Auxiliadora; BARCA, Isabel; MARTINS, Estevão de Rezende (org.). Jörn Rüsen e o ensino de História. Curitiba: Editora UFPR, 2010b. p. 41-50.

RÜSEN, Jörn. Narrativa histórica: fundamentos, tipos, razão. In: SCHMIDT, Maria Auxiliadora; BARCA, Isabel; MARTINS, Estevão de Rezende (org.). Jörn Rüsen e o ensino de História. Curitiba: Editora UFPR, 2010c. p. 93-108.

SAGATI, Siumara. A abordagem temática de conteúdos como metodologia para o ensino de história no Ensino Médio. [200-]. Disponível em: http://www.gestaoescolar.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/producoes_pde/artigo_siumara_sagati.pdf. Acesso em: 12 out. 2018.

SALLES, André Mendes. A guerra do Paraguai nas edições do livro didático História do Brasil: da colônia à república, das autoras Elza Nadai e Joana Neves. Educação Básica Revista, Sorocaba, v. 3, n. 2, p. 291-311, 2017.

SANTHIAGO, Ricardo. Duas palavras, muitos significados: alguns comentários sobre a história pública no Brasil. In: MAUAD, Ana Maria; ALMEIDA, Juniele Rabêlo; SANTHIAGO, Ricardo (org.). História pública no Brasil: sentidos e itinerários. São Paulo: Letra e Voz, 2016. p. 23-35.

SAVIANI, Dermeval. A pedagogia no Brasil: história e teoria. Campinas: Autores Associados, 2008.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora. História: construindo a relação conteúdo método no ensino de História no Ensino Médio. In: KUENZER, Acácia Zeneida. Ensino Médio: construindo uma proposta para os que vivem do trabalho. São Paulo: Cortez, 2005. p. 203-230

SILVA, Andréa Villela Mafra da. A pedagogia tecnicista e a organização do sistema de ensino brasileiro. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, v. 16, n. 70, p. 197-209, dez. 2016.

SOFFIATI, Arthur. A ausência da natureza nos livros didáticos de história. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 9, n. 19, p. 43-56, set./fev. 1990.

ULHÔA, Raquel. Historiador diz que série busca visão independente. Folha de S. Paulo, São Paulo, 8 jan. 2001.

UMBELINO, Giseli Origuela. A Nova História Crítica de Mario Schmidt: um diálogo entre imprensa, academia e público consumidor sobre o livro didático e o ensino. Revista Trilhas da História, Três Lagoas, v. 7, n. 13, p. 23-43, jul./dez. 2017.

VAINFAS, Ronaldo. Nova face do autoritarismo. O Globo, Rio de Janeiro, 5 dez. 2015. VIEBERG, Mônica; PEREIRA, Camila. Você sabe o que estão ensinando a ele? Revista Veja, São Paulo, n. 2074, ago. 2008.

VILLA, Marco Antonio. Golpe à brasileira. Estadão, São Paulo, 19 fev. 2014.

ZAHAVI, Gerald. Ensinando História Pública no século XXI. In: ALMEIDA, Juniele Rabêlo; ROVAI, Marta Gouveia de Oliveira (org.). Introdução à História Pública. São Paulo: Letra e Voz. 2011. p. 53-63.

ZAMBONI, Ernesta. Orientações metodológicas presentes no currículo e na docência do ensino de História do Brasil. In: JORNADA ESTADUAL DE ENSINO DE HISTÓRIA, 5., 1998, Santa Cruz do Sul. Anais [...]. Santa Cruz do Sul: UNISC, 1998. v. 4.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2018v24n2p217

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.