Percepções acerca do ensino e aprendizagem em História: uma análise sobre a temporalidade e o livro didático

Flávio Batista dos Santos

Resumo


A partir dos estudos de Jörn Rüsen (2010), Michael Oakeshott (2003) e Eric Hobsbawm (2010) buscou-se compreender e perceber a relevância do tempo na aula de História, bem como relacioná-lo à vida prática de cada um. Temos como pressuposto que a compreensão do passado está intimamente relacionada com a apreensão do tempo, constituindo dessa forma em um estatuto da História. Também discute o ideal de livro didático de história proposto por Jörn Rüsen (2011), o qual pensa essa ferramenta como um instrumento que tem a função de potencializar as competências da percepção, interpretação e orientação históricas. Neste sentido, propomos uma discussão a respeito da concepção apresentada por professores de História e estudantes da Educação Básica que fazem uso do livro didático no seu cotidiano da sala de aula. Nosso objetivo é compor um cenário a partir das visões de professores e estudantes, que permita responder à problemática proposta por Rüsen na sua concepção de livro didático. Temos como hipótese que o livro didático tem grande presença na sala de aula, assim compreender seu papel frente o processo educativo torna-se fundamental. Portanto, nossa expectativa é sinalizar se, na visão dos professores e também dos estudantes, a ferramenta livro didático corresponde às finalidades da disciplina, seleção e progressão dos conteúdos, ensino e aprendizagem, bem como facilita a compreensão da temporalidade.

Palavras-chave


Livro Didático; Temporalidade; Educação Histórica; Ensino e Aprendizagem.

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, José D’Assunção. Os usos da temporalidade na escrita na História. Saeculum: revista de história, João Pessoa, n. 13, p. 144-155, jul./dez. 2005. Disponível em: http://www.periodicos.ufpb.br/index.php/srh/article/download/11335/6449. Acesso em: 25 mar. 2019.

CAINELLI, Marlene. Educação histórica: perspectivas de aprendizagem da história no ensino fundamental. Educar em Revista, Curitiba, n. esp., p. 57- 72, 2006. Disponível em: https://moodle.ufsc.br/pluginfile.php/571591/mod_resource/content/1/artig o%20Marlene.pdf. Acesso em: 25 mar. 2019.

CAINELLI, Marlene; SCHMIDT, Maria Auxiliadora. Desafios teóricos e epistemológicos na pesquisa em educação histórica. Revista Antíteses, Londrina, v. 5, n. 10, p. 509-518, jul./dez. 2012. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/antiteses/article/view/14501. Acesso em: 15 jul. 2018.

CAINELLI, Marlene; SCHMIDT, Maria Auxiliadora. Percursos das pesquisas em educação histórica: Brasil e Portugal. In: CAINELLI, Marlene; SCHMIDT, Maria Auxiliadora (org.). Educação histórica: teoria e pesquisa. Ijui: Unijui, 2011.

CERRI, Luis Fernando. Ensino de história e consciência histórica: implicações didáticas de uma discussão contemporânea. São Paulo: FGV Editora, 2011.

CORRÊA, R. L. T. O livro escolar como fonte de pesquisa em História da Educação. Cadernos Cedes, Campinas, ano 20, n. 52, nov. 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v20n52/a02v2052.pdf. Acesso em: 25 mar. 2019.

HELLER, Agnes. O cotidiano e a história. Tradução de Carlos Nelson Coutinho e Leandro Konder. São Paulo: Paz e Terra, 2004. HOBSBAWM, Eric J. Era dos extremos: o breve século XX: 1924-1991. Tradução de Marcos Santarrita. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

MÉSZÁROS, István. Estrutura social e formas de consciência, volume II: a dialética da estrutura e da história. Tradução de Rogério Bettoni. São Paulo: Boitempo, 2011.

MUNAKATA, Kazumi. Livro didático como indício da cultura escolar. Revista História da Educação, Porto Alegre, v. 20, n. 50, p. 119-138, set./dez. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/heduc/v20n50/2236-3459- heduc-20-50-00119.pdf. Acesso em: 25 mar. 2019.

MUNAKATA, Kazumi. O livro didático como mercadoria. Revista Proposições, Campinas, v. 23, n. 3, p. 51-66, set./dez. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pp/v23n3/04.pdf. Acesso em: 25 mar. 2019.

OAKESHOTT, Michael. Sobre a história e outros ensaios. Tradução de Renato Rezende. Rio de Janeiro: Topbooks, 2003.

RÜSEN, Jörn. O livro didático ideal. In: SCHMIDT, Maria Auxiliadora; BARCA, Isabel; MARTINS, Estevão Rezende (org.). Jörn Rüsen e o ensino de história. Curitiba: Ed. UFPR, 2011.

RÜSEN, Jörn. Razão histórica: teoria da história: fundamentos da ciência histórica. Tradução de Estevão de Rezende Martins. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2010a.

RÜSEN, Jörn. Reconstrução do passado: teoria da história II: os princípios da pesquisa histórica. Tradução de Estevão de Rezende Martins. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2010b.

SCHENA, Denilson Roberto. O livro didático nossa pátria, expressão de prática cultural e lições educativas de ideário nacionalista (1917-1949). In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 12., 2015, Curitiba. Anais [...]. Curitiba: PUC, 2015. Disponível em: http://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2017/25391_12927.pdf. Acesso em: 25 mar. 2019.

SCHIMIDT, Maria Auxiliadora; CAINELLI, Marlene. Ensinar história. São Paulo: Scipione, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2019v25n1p183

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.