Ensino de história e cidadania: uma proposta de análise das instituições escolares na perspectiva do interacionismo simbólico

Rivail Carvalho Rolim

Resumo


Durante a década de 1990 houve uma forte mobilização para mudar o sistema educacional do país, objetivando formar cidadãos detentores de uma postura ética, compromisso social e político, para construir uma sociedade mais justa e solidária. Para isso, foram formuladas propostas educacionais, como a Lei de Diretrizes e Bases da Educação e os Parâmetros Curriculares Nacionais, pois o entendimento era de que a educação tinha um papel crucial no desenvolvimento das pessoas e das sociedades.Diante do exposto, temos como objetivo apresentar uma proposta de análise do tema da cidadania, no ensino de História, nas instituições escolares, na perspectiva do interacionismo simbólico. Com isso, pretendemos contribuir para a compreensão da implantação de políticas públicas no país; fornecer elementos que auxiliem no entendimento das instituições escolares, e daação do professor no chão da escola,quando uma nova proposta pedagógica é apresentada

Palavras-chave


Cidadania; Instituições escolares; Ensino de história

Texto completo:

PDF

Referências


ABUD, Kátia. Currículos de História e políticas públicas: os programas de História do Brasil na escola secundária. In: BITTENCOURT, Circe. O saber histórico na sala de aula. São Paulo: Contexto, 1997. p. 28-41.

AZANHA, José Mário Pires. Parâmetros Curriculares Nacionais e a autonomia da escola. In: VALLE, Bertha de Borjas Reis do et al. Políticas Públicas. Curitiba: IESD Brasil, 2009.

BEBIANO, Rui. Temas e problemas da História do presente. In: D`ENCARNAÇÃO, José. A História tal qual se faz. Lisboa: Colibri, 2003. p. 225-236.

BERGER, Peter; LUCKMANN, Thomas. A construção social da realidade. Petrópolis: Vozes, 1974.

BITTENCOURT, Circe. Capitalismo e cidadania nas atuais propostas curriculares de História. In:

BITTENCOURT, Circe. O saber histórico na sala de aula. São Paulo: Contexto, 1997. p. 11-27. BLUMER, Herbert. A natureza do interacionismo simbólico. In: MORTENSEN, C. David. Teoria da comunicação: textos básicos. São Paulo: Editora Mosaico, 1980. p. 119-138

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, 1988.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Brasilia, 1996. Disponivel em: . Acesso em: 22 fev. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Matriz de Referência ENEM – Matriz de Referência de Ciências Humanas e suas Tecnologias. Brasília, 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: História. Brasília, 1998b.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais. Brasília, 1998c.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília, 1998a.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Programa de desenvolvimento profissional continuado (Parâmetros em Ação). Brasília, 1999.

CARVALHO, José Murilo. Cidadania no Brasil: o longo caminho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

CHARTIER, Roger. Textos, impressão e leitura. In: HUNT, Lynn. A nova história cultural. São Paulo: Martins Fontes, 1992. p. 211-238.

DOUGLAS, Mary.Como pensam as instituições. Lisboa: Instituto Piaget, 2004.

DREYFUS, Françoise. La invención de la burocracia: servir ao Estado en Francia, Gran Bretaña y Estados Unidos (siglos XVIII-XX). Buenos Aires: Biblos, 2012.

GALIAN, Cláudia Valentina Assumpção. Os PCNs e a elaboração de propostas curriculares no Brasil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 44, n. 153, p. 648- 669, jul./set. 2014.

GOODSON, Ivor F.As políticas de currículo e de escolarização. Petrópolis: Vozes, 2013.

GUIMARÃES, Selva (Org.). Ensino de História e cidadania. Campinas: Papirus, 2016.

GUIMARÃES, Selva; SILVA, Marcos. Ensinar História no século XXI: em busca do tempo entendido. Campinas: Papirus, 2012.

MATTOS, Hebe Maria. O ensino de História e a luta contra a discriminação racial no Brasil. In: ABREU, Martha; SOIHET, Rachel (Org.). Ensino de História: conceitos, temáticas e metodologia. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003. p. 127-138.

MEAD, Georg. Espíritu, persona y sociedad. Madrid: Paidós, 2010.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Diretrizes Curriculares da Educação Básica – História. Curitiba, 2008.

PERRENOUD, Philippe. Escola e cidadania: o papel da escola na formação para a democracia. Porto Alegre: Artmed, 2005.

SCHMIDTH, Maria Auxiliadora. A formação do professor de História e o cotidiano de sala de aula. In: BITTENCOURT, Circe. O saber histórico na sala de aula. São Paulo: Contexto, 1997.

SILVA, Giovani José da. Perspectivas do Ensino de História e diversidade Étnicocultural. In: ZAMBONI, Ernesta e outros (Org.). Memória, sensibilidades e saberes. Campinas: Editora Alínea, 2015.p. 52-63.

SILVA, Giselda Costa da. A História da África e da cultura Afro-brasileira: os saberes e fazeres dos professores. In: ZAMBONI, Ernesta e outros (Org.). Memória, sensibilidades e saberes. Campinas: Editora Alínea, 2015.p. 193-208.

SILVA, Marcos Antonio da; FONSECA, Selva Guimarães. Ensino de História hoje: errâncias, conquistas e perdas. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 31, nº 60, p. 13-33, 2010.

WEBER, Max.Economia e sociedade. São Paulo: Editora UNB, 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2017v23n2p35

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.