O que precisa saber um professor de história?

Flávia Eloísa Caimi

Resumo


O presente artigo resulta de um estudo bibliográfico em que se dialoga com autores do campo da História, do Ensino da História e da Educação, com o propósito de problematizar algumas das principais demandas que se apresentam ao trabalho do professor de História, diante da diversidade e complexidade das práticas sociais e culturais que adentram a escola na contemporaneidade. Parte-se do pressuposto de que a História como disciplina escolar contempla potencialidades educativas fundamentais para a formação das novas gerações. Nessa perspectiva, defende-se a centralidade do professor como um agente mediador decisivo na concretização das finalidades educativas desta disciplina e questiona-se acerca de quais conhecimentos e capacidades um professor de História precisa manejar para dar conta das exigências que emergem dos atuais contextos social e escolar. No raciocínio empreendido, elenca-se três principais conjuntos de saberes a serem mobilizados na docência em História: 1) os saberes a ensinar, circunscritos na própria história, na historiografia, na epistemologia da história, dentre outros; 2) os saberes para ensinar, que dizem respeito, por exemplo, à docência, ao currículo, à didática, à cultura escolar; 3) os saberes do aprender, que se referem ao aluno, aos mecanismos da cognição, à formação do pensamento histórico etc.


Palavras-chave


Ensino; Aprendizagem; História; Professor

Texto completo:

PDF

Referências


ACOSTA, J. M. O currículo interpretado: o que as escolas, os professores e as professoras ensinam? In: SACRISTÁN, J. G. (Org.). Saberes e incertezas sobre o currículo. Porto Alegre: Ed. Penso, 2013, p. 188-208.

BACHELARD, G. A formação do espírito científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

BARROS, C. Propuestas para el nuevo paradigma educativo de la Historia. Clío & Asociados. La Historia Enseñada, n. 12, p. 207-235, 2008.

BRANSFORD, J. D.; BROWN, A. L.; COCKING, R. R. (Org.). Como as pessoas aprendem: cérebro, mente, experiência. São Paulo: Ed. Senac São Paulo, 2007.

CARRETERO, M.. Comprensión y aprendizaje de la Historia. In: GUTIERREZ, Leopoldo F.R.; GARCÍA, N. G. (Org.). Enseñanza y aprendizaje de la Historia en la Educación Básica. Guauhtémoc, México: Secretaria de Educación Pública, 2011, p. 69-104.

CARRETERO, M.; CASTORINA, J. A. La construcción del conocimiento histórico. Enseñanza, narración e identidades. Buenos Aires: Paidós, 2012.

CHARLOT, B. A pesquisa educacional entre conhecimentos, políticas e práticas: especificidades e desafios de uma área de saber. Revista Brasileira de Educação, v. 11, n. 31, p. 7-18, jan./abr. 2006.

CHARLOT, B. Da relação com o saber às práticas educativas. São Paulo: Cortez, 2013.

FORQUIN, J. C. Escola e cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

GUMBRECHT, H. U. Depois de “depois de aprender com a história”, o que fazer com o passado agora? In: NICOLAZZI, F.; MOLLO, H. M.; ARAUJO, V. L. de (Org.). Aprender com a história? O passado e o futuro de uma questão. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2011, p. 25-42.

LIBÂNEO, J. C. Conteúdos, formação de competências cognitivas e ensino com pesquisa: unindo ensino e modos de investigação. In: PIMENTA, S. G.; ALMEIDA, M. I. de. Pedagogia Universitária: caminhos para a formação de professores. São Paulo: Cortez, 2011, p. 188-212.

MELLO, G. N. de. Formação inicial de professores para a educação básica: uma (re)visão radical. Revista São Paulo em Perspectiva, v.14, n. 1, p. 98-110, 2000.

MORIN, E. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. 8 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

ORWELL, G. 1984. São Paulo: Editora Nacional, 1982.

PAGÉS, J. Enseñar a enseñar Historia: la formación didáctica de los futuros professores. Miradas a la historia: reflexiones historiográficas en recuerdo de Miguel Rodríguez Llopis. Coord. por José Antonio Gómez Hernández, María Encarna Nicolás Marín, 2004, p. 155-178.

PAGÉS, J.¿Qué se debería enseñar de historia hoy en la escuela obligatoria?, ¿qué deberían aprender, y cómo, los niños y las niñas y los y las jóvenes del pasado? Revista 6 Escuela de Historia. Año 6, v. 1, n. 6, 2007. Disponível em http://www.unsa.edu.ar/histocat/revista/revista0602.htm. Acesso em 15 jun. 2015.

PAIS, J. M. Culturas Juvenis. Lisboa: Imprensa Nacional, 1996.

PLÁ, S. Aprender a pensar historicamente. La escritura de la historia en el bachillerato. México, DF: Plaza y Valdez Editores, 2005.

PRATS, J. Ensinar história no contexto das ciências sociais: princípios básicos. Revista Educar, Curitiba, n. esp., p. 191-218, 2006.

PRATS, J. Entrevista. Revista Escuela, n. 3753 (915), jun./2007. Disponível em http://histodidactica.es/articulos/Escuela-Prats.pdf. Acesso em 9 de janeiro de 2012.

RÜSEN, J. A Razão histórica. Teoria da História: os fundamentos da ciência histórica. Brasília: Ed. UnB, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2015v21n2p105

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.