A formação do docente em história como profissional do magistério da educação básica

Crislane Azevedo

Resumo


Neste texto discorremos sobre o desafio da formação de professores de História à luz das novas diretrizes curriculares nacionais para a formação inicial e continuada dos profissionais do magistério da Educação Básica e discutimos sobre possíveis encaminhamentos de propostas tendo em vista o repensar da organização e prática curricular dos cursos de formação docente inicial de História. Vivenciamos um período de discussões e levantamento de proposições tendo em vista reformas nos cursos de licenciatura. Professores formadores precisarão dedicar-se a um trabalho coletivo de revisões e encaminhamentos de reforma considerando as orientações das novas diretrizes curriculares para a formação de professores, aprovadas em junho de 2015 pelo Conselho Nacional de Educação. Tais encaminhamentos podem ser desenvolvidos de forma articulada tanto por meio da diversificação curricular das atividades do âmbito do ensino, quanto com o planejamento e institucionalização de ações de iniciação à pesquisa bem como de curricularização da extensão.


Palavras-chave


Docência em História; Diretrizes Curriculares Nacionais; Ensino, pesquisa e extensão

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, L. A. B.; SILVA, E. P. Extensão universitária: proposição de um conceito e sua aplicação. Revista de extensão. Universidade Federal de Mato Grosso, ano 1, n. 1, p. 24-32, Cuiabá, EdUFMT, 2004.

ANDRÉ, M. Ensinar a pesquisar: como e para quê? In: VEIGA, Ilma P. A. Veiga (Org.). Lições de didática. Campinas: Papirus, 2006, p. 123-134.

AZEVEDO, C. B. Estágio Supervisionado como lugar de pesquisa e suas implicações na formação do professor de História. Linguagens, Educação e Sociedade/UFPI. Teresina, ano, 15, n. 23, p. 215-249, jul./dez-2010.

BECKER, F.; MARQUES, T. B. I. (Org.). Ser professor é ser pesquisador. Porto Alegre: Mediação, 2010.

BRASIL. Parecer CEB/CNE n. 04/1998 relativo às Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental. Brasília: Conselho Nacional de Educação, 29 de janeiro de 1998. BRASIL. Parecer CNE/CP n. 9/2001, institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília: CNE, 2001a.

BRASIL. Parecer CNE/CP n. 28/2001, dá nova redação ao Parecer CNE/CP 21/2001, que estabelece a duração e a carga horária dos cursos de Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília: CNE, 2001b.

BRASIL. Parecer CNE/CES n. 492/2001. Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de Filosofia, História, Geografia, Serviço Social, Comunicação Social, Ciências Sociais, Letras, Biblioteconomia, Arquivologia e Museologia. Brasília: CNE/CES, 2001c.

BRASIL. Parecer CNE/CES n. 15/2005 - Relatório de esclarecimento ao Governo do Estado da Bahia/Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Brasília: Conselho Nacional de Educação, 2005.

BRASIL. Lei n. 13005, de 25 de junho de 2014 – aprova o Plano Nacional de Educação – PNE. Brasília: Ministério da Educação, 2014.

BRASIL. Parecer CNE/CP n. 02/2015 relativo às Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial e Continuada dos Profissionais do Magistério da Educação Básica. Brasília: Conselho Nacional de Educação, 9 de junho de 2015.

CALEFFE, L. G.; MOREIRA, H. Metodologia da pesquisa para o professor pesquisador. Rio de Janeiro: DP&A, 2006. DINIZ-PEREIRA, J. E. A prática como componente curricular na formação de professores. Educação, Santa Maria, v. 36, n. 2, p. 203-218, maio/ago. 2011.

FONSECA, S. G., COUTO, R. C. do. A formação de professores de História no Brasil: perspectivas desafiadoras do nosso tempo. In: ZAMBONI, Ernesta; FONSECA, Selva G. (Org.). Espaços de formação do professor de História. Campinas: Papirus, 2008, p. 101-130.

GATTI, B. Formação de professores no Brasil: características e problemas. Educação & Sociedade, Campinas, v. 31, n. 113, p. 1355-1379, 2010.

GHEDIN, E. et. al. Formação inicial de professores da educação básica no Brasil: trajetória e perspectivas. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 12, n. 37, p. 997-1026, set./dez. 2012.

MELLO, G. N. de. Formação inicial de professores para a educação básica - uma revisão necessária. São Paulo em Perspectiva. São Paulo, v. 14, n. 1, p. 98-110, jan./mar.2000.

MORAES, R. de; LIMA, V. M. do R. (Org.). Pesquisa em sala de aula: tendências para a educação em novos tempos. 2 ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004.

NÓVOA, A. (Org.). Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992.

REAL, G. C. M. A prática como componente curricular: o que isso significa na prática? Educação e Fronteiras On-Line, Dourados, v. 2, n. 5, p. 48-62, maio/ago. 2012.

SCHÖN, D. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

SILVA, E. W. O papel da extensão no cumprimento da função social da universidade. In: SILVA, E. W.; FRANTZ, W. As funções sociais da universidade: o papel da extensão e a questão das comunitárias. Ijuí: Ed. Unijuí, 2002. p. 103- 217.

TARDIF, M. Saberes profissionais dos professores e conhecimentos universitários: elementos para uma epistemologia da prática profissional dos professores e suas conseqüências em relação à formação para o magistério. Revista Brasileira de Educação, n. 13, p. 5-24, jan-abr. 2000.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002

TRINDADE, D. da S.; LIMA, R. R.; VICENTE, S. S. Ensino, Extensão e Pesquisa: representação sociais de professores de uma universidade pública de Mato Grosso. Cuiabá: EdUFMT, FAPEMAT, 2007.

UFRN. Nota do 1º Fórum das Licenciaturas da UFRN: Inclusão e diversidade étnico-racial nos cursos de licenciatura da UFRN. Natal, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 26 de março de 2015.

ZAMBONI, E.; FONSECA, S. G. Apresentação. In: ZAMBONI, E.; FONSECA, S. G. (Org.). Espaços de formação do professor de História. Campinas: Papirus, 2008, p. 7-15




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2015v21n2p55

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.