Representações de docentes de história sobre o ensino de história e cultura afro-brasileira na educação básica

Delton Aparecido Felipe

Resumo


Este artigo analisa as representações dos docentes de História da educação básica sobre o ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana, dez anos após outorgada a Lei 10.639/2003. Utiliza-se as representações sociais, como eixo explicativo por entendê-las como um conjunto de conceitos que se originam na vida diária no curso de comunicações interindividuais. Apresentam-se as narrativas de docentes que frequentaram um curso de extensão sobre ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana, meados de 2013. A análise das representações permitiu perceber que o conhecimento que eles têm sobre a História da população negra no Brasil ainda está ancorado em uma perspectiva eurocêntrica da História brasileira. Conclui-se que a efetivação da Lei 10.639/2003 demanda compreender as narrativas sociais construídas nas salas de aula como um espaço de intercâmbio de saberes, reconhecendo as diversas identidades culturais nelas existentes.H

Palavras-chave


Professores e professoras de História; História e Cultura Afro-Brasileira; Representações

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, R. C. Representações sociais e a construção da consciência histórica. 133 fls. (Dissertação) Mestrado em Educação. Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

AMISTAD. Diretor: Steven Spielberg. Distribuído por Warner Home Vídeo, EUA. 1997.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação. Porto: Porto Editora, 1994.

BORDENAVE, J. E. D. O que é participação. São Paulo: Brasiliense. 1983.

BRASIL. Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 jan. 2003.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de História e Cultura AfroBrasileira e africana. Brasília, MEC/Secad, 2004.

IBGE. Censo 2010. Populacional. Disponível em: . CAPUTO, S. G. Educação nos terreiros e como a escola se relaciona com crianças de candomblé. Rio de Janeiro: Pallas, 2012.

CANDAU. M. V. Educação intercultural e cotidiano escolar. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2006.

CARRETERO, M.; ROSA, A.; GONZÁLEZ, M. F. Ensino da História e memória coletiva. Porto Alegre: Artmed, 2007.

CARVALHO, J. Racismo fenotípico e estéticas da segunda pele. Revista Cinética, [S.l.], p.177-214, 2008. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2012.

COSTA, M. V. Poder, discurso e política cultural: contribuições dos Estudos culturais ao campo do currículo? In: LOPES, A. C.; MACEDO, E. (Org.). Currículo: debates contemporâneos. São Paulo: Cortez, 2002. p. 82-93.

FELIPE, D. A. Narrativas para alteridade: o cinema na formação de professores e professoras para o ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana na Educação Básica. 152f. (Dissertação) Mestrado em Educação – Universidade Estadual de Maringá, 2009.

FELIPE, D. A. Negritude em discurso: a educação nas revistas Veja e Época (2003- 2010). 2014. 179f. (Tese) Doutorado em Educação -Universidade Estadual de Maringá. Maringá, 2014.

FELIPE, D. A.; TERUYA, T. K. Nota sobre as políticas em prol do ensino da História e Cultura Afro-Brasileira e africana na educação escolar. Revista HISTEDBR Online, v. 39, p. 250-266, set. 2010.

FERNANDES, J. R. O. Ensino de História e diversidade cultural: desafios e possibilidades. Caderno Cedes, Campinas, v. 25, n. 67, p. 378-388, set./dez. 2005.

FERRO, M. História vigiada. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

FREIRE. G. Casa-grande e senzala: formação da família brasileira sob regime da economia patriarcal. 25. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1987.

GOMES, N. L. Indagações sobre currículo: diversidade e currículo. Organização do documento Jeanete Beauchamp, Sandra Denise Pagel, Aricélia Ribeiro do Nascimento. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2010.

GOMES, N. L. Corpo e cabelo como ícones de construção da beleza e a identidade negra nos salões étnicos de Belo Horizonte. 2002. Tese (Doutorado)- Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

GUSMÃO, N. M. M. Linguagem, cultura e alteridade: imagens do outro. Cadernos de Pesquisa da Fundação Carlos Chagas, São Paulo/Campinas, v. 107, n. 0, p. 15-21, 2007.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 1997

HOLANDA, S. B. de. Raízes do Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio. 1984. Jodelet, Denise. Representações sociais: um domínio em expansão. In D. Jodelet (Org.). As representações sociais (pp. 17-44). Rio de Janeiro: Eduerj, 2002.

JOVCHELOVITCH, S. Os contextos do saber: representações, comunidade e cultura. Petrópolis: Vozes, 2008.

LOPES, N. Enciclopédia Brasileira da diáspora africana. São Paulo: Selo Negro. 2004.

MARTÍNEZ-ECHAZÁBAL, L. O culturalismo dos anos 30 no Brasil e na América Latina: deslocamento retórico ou mudança conceitual? In: MAIO, Marcos (Org.). Raça, ciência e sociedade. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1996. p. 107-124.

MACUNAÍMA: um herói de nossa gente. Diretor: Joaquim de Andrade. Distribuído por Brasil filmes. Brasil, 1969.

MENESES, M. P. G. Os espaços criados pelas palavras – Racismo, etnicidades e encontro colonial. In: GOMES, N. L. (Org.). Um olhar além das fronteiras: educação e relações raciais. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. p. 23-37.

MOSCOVICI, S. Representações sociais: investigações em psicologia social. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

NOMA, A. K.; TERUYA, T. K.; PADILHA, A. Cinema, História e educação: projeto videoteca pedagógica. In: Anais do Seminário de Pesquisa PPE. Universidade Estadual de Maringá/PR: 2003.

PÉREZ, C. L. V. Cotidiano: História(s), memória e narrativa. Uma experiência de formação continuada de professores alfabetizadoras. In: GARCIA, Regina Leite (Org.). Método: pesquisa com o cotidiano. Rio de Janeiro: DP&A, 2003. p. 97- 118.

SANTOS, B. S. Para uma pedagogia do conflito. In: SILVA, Luis Heron. Novos mapas culturais, novas perspectivas educacionais. Porto Alegre: Sulina, 1996. p. 67-78.

SANTOS, B. S. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez, 2006.

SERRANO, C.; WALDMAN, M. Memórias d’África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007.

SILVA, T. T. da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2007.

VISTA A MINHA PELE. Diretor: Joel Zito Araújo. Distribuído por CEERT. Brasil, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2016v22n1p51

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.