Imaginando o passado... A construção de desenhos como forma de aproximar os alunos do “outro”, distante no tempo e no espaço

Maria Luiza Galle Lopedote

Resumo


Neste artigo são analisados desenhos produzidos por 25 alunos entre 12 e 15 anos, do 6º ano do Ensino Fundamental de uma escola da Rede Estadual de Ensino, em Florianópolis. Durante a regência de aulas própria ao estágio em prática docente do curso de Graduação em História da Universidade do Estado de Santa Catarina, foi trabalhada em sala de aula a temática da alteridade a partir de conteúdos referentes às sociedades egípcia, grega e romana na Antiguidade. Como uma das atividades finais pediu-se que os alunos produzissem desenhos em que retratassem um homem ou mulher da Antiguidade, e em seguida que retratassem a si mesmos, descrevendo ambas as imagens. Os resultados obtidos são percebidos pela perspectiva de que a construção de desenhos é uma forma de narrativa, elaborada através de um exercício de investigação e de imaginação, e que podem ser entendidos como um eficaz instrumento para avaliação do processo de ensino-aprendizagem e da consciência histórica dos alunos.

Palavras-chave


Educação histórica; Alteridade; Desenho

Texto completo:

PDF

Referências


BARCA, I. Aula Oficina: do projeto à avaliação. In: BARCA, I. (Org.). Para uma educação histórica de qualidade. Actas das IV Jornadas Internacionais de Educação Histórica. Braga: Universidade do Minho, 2004, p. 131-144.

BERGMANN, K. A História na Reflexão Didática. Dossiê História em QuadroNegro: escola, ensino e aprendizagem. Revista Brasileira de História. São Paulo. v.9. n.19 pp. 29-42. set.1989/fev.1990.

CARDOSO, P. de J. F. Negros em desterro. Experiências de populações de origem africana em Florianópolis, 1860/1888. Tese de Doutoramento na PUC/SP. São Paulo, 2004.

CERRI, L. F. Os conceitos de consciência histórica e os desafios da didática da história. Revista de História Regional. v.2, n. 6, pp. 93-112, 2001. Disponível em http://www.revistas2.uepg.br/index.php/rhr/article/viewFile/2133/1614, acesso em 13/09/2013.

MARTINS, E. C. R. História: consciência, pensamento, cultura, ensino. Educar, Curitiba, n 42. p.43-58, 2011. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104- 40602011000500004&script=sci_abstract&tlng=es, acesso em 13/09/2013.

NECKEL, R. A República em Santa Catarina: modernidade e exclusão (1889- 1920). Florianópolis: EDUFSC, 2003.

RÜSEN, J. Como dar sentido ao passado. Questões relevantes de meta-história História da historiografia. Rio de Janeiro/Ouro Preto, n. 2, p. 163-209, março 2009.

SCHMIDT, M. A. Cognição histórica situada: que aprendizagem histórica é esta? In: SCHMIDT, M. A.; BARCA, I. (org). Aprender História: perspectivas da educação histórica. Ijuí: Editora UNIJUI, 2009, p. 117-137.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2014v20n2p211

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.