Imaginando o passado... A construção de desenhos como forma de aproximar os alunos do “outro”, distante no tempo e no espaço

Maria Luiza Galle Lopedote

Resumo


Neste artigo são analisados desenhos produzidos por 25 alunos entre 12 e 15 anos, do 6º ano do Ensino Fundamental de uma escola da Rede Estadual de Ensino, em Florianópolis. Durante a regência de aulas própria ao estágio em prática docente do curso de Graduação em História da Universidade do Estado de Santa Catarina, foi trabalhada em sala de aula a temática da alteridade a partir de conteúdos referentes às sociedades egípcia, grega e romana na Antiguidade. Como uma das atividades finais pediu-se que os alunos produzissem desenhos em que retratassem um homem ou mulher da Antiguidade, e em seguida que retratassem a si mesmos, descrevendo ambas as imagens. Os resultados obtidos são percebidos pela perspectiva de que a construção de desenhos é uma forma de narrativa, elaborada através de um exercício de investigação e de imaginação, e que podem ser entendidos como um eficaz instrumento para avaliação do processo de ensino-aprendizagem e da consciência histórica dos alunos.

Palavras-chave


educação histórica, alteridade, desenho

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2014v20n2p211

Apontamentos

  • Não há apontamentos.