As sonoridades e ruídos de clio: os usos e abusos da música nas aulas de história

Cláudia Crisitina da Silva Fontineles, Pedro Pio Fontineles Filho

Resumo


O artigo tem o objetivo principal de analisar os usos e possibilidades temáticas de letras de músicas de bandas, músicos e cantores brasileiros nas aulas de história. Para além de uma narrativa de fases ou períodos da música, a problematização está voltada para a centralidade em determinados estilos e gêneros musicais, o que aponta para elementos da formação dos professores e do imaginário sociocultural que elenca o que é considerado música “intelectual”. Metodologicamente, o estudo se deu pela discussão de três eixos: músicas de engajamento político, músicas de manifestação social e músicas de expressão sociocultural, retomando as orientações dos Parâmetros Curriculares Nacionais, no Brasil. Para isso, algumas letras de músicas foram utilizadas para o percurso analítico-interpretativo. Como arcabouço teórico-metodológico, autores como Sekeff (2007), Costa (2007), Napolitano (2005) e Naves (2004), para pensar as relações entre história, música e ensino.


Palavras-chave


História; Música; Ensino

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, P. C. de. Eu não sou cachorro, não: música popular cafona e ditadura militar. Rio de Janeiro: Record, 2005.

BA: deputada quer punir cantor por considerar música racista. Rede Social Correio Nagô. Publicado originalmente em 22 dez 2011. Disponível em: http://correionago.ning.com/profiles/blogs/ba-deputada-quer-punir-cantor-porconsiderar-musica-racista. Acesso em: 22 ago 2013.

BLOCH, M. A apologia da história ou o ofício do historiador. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BOUTIER, J; JULIA, D. (Org.). Passados recompostos: campos e canteiro da história. Rio de Janeiro: EDUFRJ/EDUFGV, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: ensino médio. Brasília: MEC, 1999. Parte IV.

COSTA, C. G. F.; SERGL, M. J. A música na ditatura militar brasileira: análise da sociedade pela obra de Chico Buarque de Holanda. Revista eletrônica de Iniciação Científica, Ano I, n. 1. p. 35-40, ago 2007

COSTA, S. G. Gênero e História. In: ABREU, M.; SOIHET, R. Ensino de História: conceitos, temáticas e metodologia. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

DAMATTA, R. Tem pente aí? reflexões sobre a identidade masculina. Enfoques, v. 9. n. 1, p. 134-151, ago 2010.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

GINZBURG, C. Controlando a evidência: o juiz e o historiador. In: NOVAIS, F.; SILVA, R. F. (Org.). Nova História em Perspectiva. São Paulo: Cosac Naify, 2011. v. 1, p. 341-358.

GINZBURG, C. O queijo e os vermes: o cotidiano e as ideias de um moleiro perseguido pela Inquisição. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

NAPOLITANO, M. História e música: história cultural da música popular. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

NAVES, S. C. “Eu quero frátria”: a comunidade do rap. ArtCultura: Revista do Instituto de História da Universidade Federal de Uberlândia, n. 9. p. 39-45, Jul./dez. 2004..

PINSKY, J. Por que gostamos de história. São Paulo: Contexto, 2013.

RAYNOR, H. História Social da Música: da Idade média a Beethoven. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986.

SERRES, Michel. Luzes: cinco entrevistas com Bruno Latour. São Paulo: Unimarco, 1999.

SEKEFF, M. de L. Da música, seus usos e recursos. 2 ed. São Paulo: UNESP, 2007.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2014v20n1p55

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.