Trabalhando o tema da “diferença” em sala: noções dos alunos sobre concepções nazistas nos séculos XX e XXI

Lucas Werlang Girardi, Maria Luiza Galle Lopedote

Resumo


O escrito a seguir versa sobre uma experiência em sala de aula dos autores, bolsistas PIBID, que teve lugar no segundo semestre de 2012, na Escola de Educação Básica Padre Anchieta, Florianópolis. Relata-se e analisa-se a intervenção em forma de aula-oficina realizada com 23 alunos entre 15 e 20 anos do Segundo Ano do Ensino Médio, durante três encontros (totalizando seis horas/aulas). O tema “Período entreguerras e regimes totalitários” foi estabelecido de acordo com o cronograma da professora da unidade escolar, mas o recorte temático “Nazismo” foi definido após investigação das ideias prévias dos alunos e observação da turma. Foi objetivo atuar na consciência histórica dos alunos tanto para discutir a ineficácia e suprimir os binarismos simplistas vítima/algoz ou bom/mau, quanto para apontar para permanências no presente de certas concepções do nazismo e a necessidade de cessar ou transformar tal paradigma. Quis-se instrumentalizá-los para um posicionamento crítico em relação à sociedade que os envolve, e orientá-los em termos de ações futuras. 


Palavras-chave


Ensino de História; Nazismo; PIBID

Texto completo:

PDF

Referências


BARCA, Isabel. Aula Oficina: do projeto à avaliação. In: BARCA, Isabel (org.) Para uma educação histórica de qualidade. Actas das IV Jornadas Internacionais de Educação Histórica. Braga: Universidade do Minho, 2004. p. 131-144.

BERGMANN, Klaus. A História na Reflexão Didática. Dossiê História em QuadroNegro: escola, ensino e aprendizagem. Revista Brasileira de História, São Paulo, v.9, n. 19 p. 29-42. set.1989/fev.1990.

CARDOSO, Paulino de Jesus Francisco. Negros em desterro. Experiências de populações de origem africana em Florianópolis, 1860/1888. 2004. Tese (Doutorado) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2004.

CERRI, Luis Fernando. Os conceitos de consciência histórica e os desafios da didática da história. Revista de História Regional, v. 6, n. 2, p. 93-112, 2001. Disponível em http://www.revistas2.uepg.br/index.php/rhr/article/viewFile/2133/1614. Acesso em 13 set. 2013.

LEE, Peter. Por que aprender História? Educar em Revista, Curitiba. N.42. pp 19- 42. Out./dez2011. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/er/n42/a03n42.pdf. Acesso em 13 ago. 2013.

LIEBEL, Vinícius. Humor, propaganda e persuasão: as charges e seu lugar na propaganda nazista. 2006. Dissertação (Mestrado em História) – UFPR, Curitiba, 2006. Disponível em http://dspace.c3sl.ufpr.br/dspace/bitstream/handle/1884/5779/Humor%20Propanda%20e%20Persuas%C3%A3o.pdf?sequence=1. 13 ago. 2013.

MARTINS, Estevão C. Rezende. História: consciência, pensamento, cultura, ensino. Educar, Curitiba, n 42. p.43-58, 2011. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-40602011000500004&script=sci_abstract&tlng=es, acesso em 13/09/2013.

NECKEL, Roselane. A República em Santa Catarina: modernidade e exclusão (1889-1920). Florianópolis: EDUFSC, 2003.

NEONAZISTAS atacam imigrantes estrangeiros em bairro da Grécia. Notícias Terra. s.l., 07 jul. 2012. Disponível em: http://noticias.terra.com.br/mundo/noticias/0,,OI5883775-EI8142,00-Neonazistas+atacam+imigrantes+estrangeiros+em+bairro+da+Grecia.html. Acesso em 16 set. 2012.

RÜSEN, Jorn. Como dar sentido ao passado: questões relevantes de metahistória. História da Historiografia. N.02. pp. 163-209. mar.2009.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora. Cognição histórica situada: que aprendizagem histórica é esta? In: SCHMIDT, Maria Auxiliadora; BARCA, Isabel (org). Aprender História: perspectivas da educação histórica. Ijuí: Editora UNIJUI, 2009. p. 117- 137.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2013v19n2p325

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br