O estudo dos cristãos-novos no Brasil colônia sobre a ótica das escolas israelitas: estudo de caso.

Helena Ragusa

Resumo


Neste estudo pretendemos chamar a atenção para o modo como se dá o ensino de História numa escola de origem judaica, a qual aqui iremos chamar de Cheder. Localizada na cidade de São Paulo daremos ênfase a dois materiais que embora diferenciados quanto à sua elaboração, trazem em suas narrativas a figura do cristão-novo numa perspectiva mais abrangente do que aquela existente nos livros didáticos utilizados nas escolas não judaicas, por exemplo. Foi logo no início do século XX que se deu a criação das primeiras escolas de origem judaicas no Brasil. Embora a história da educação judaica no Brasil esteja ainda para ser feita, para os judeus imigrantes que chegavam no Brasil especialmente nesse período, a escola apresentava-se como uma forma de preservação da cultura, da memória e da identidade judaica que faziam questão de manter. Em nossas primeiras constatações, pudemos verificar que em se tratando das disciplinas ligadas ao ensino do judaísmo, essas ocorrem, exceto pelo ensino da língua hebraica, externamente daquelas que compreendem o currículo oficial, e, dessa forma, não se limitam apenas ao currículo judaico; não necessariamente implicam na obrigatoriedade do ensino religioso; percebemos que ao contrário de uma postura de submissão ou vitimização, a escrita da história em torno dos cristãos-novos nos textos aqui apresentados, demonstra a todo o momento o quanto esses agentes estavam integrados nas sociedades em que se inseriram, criando redes de negociação e sociabilidade com as populações locais, mesclando-se a elas, ocupando cargos de confiança e criando mecanismos de sobrevivência.


Palavras-chave


Escola Judaica; História e Ensino; Material didático; São Paulo

Texto completo:

PDF

Referências


ASHERI, M. O judaísmo vivo: as tradições e as leis dos judeus praticantes. Rio de Janeiro: Imago Ed., 1995.

CYTRYNOWICZ, R. Cotidiano, imigração e preconceito: a comunidade judaica nos anos 1930 e 1940. In: GRINBERG, K. (Org.). Os judeus no Brasil: inquisição, imigração e identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005. p. 285-314.

CYTRYNOWICZ, R. ; ZUQUIM, J. Renascença 75 anos/1922-1997. São Paulo: Ed. Renascença, 1997.

FALBEL, N. Judeus no Brasil: estudos e notas. São Paulo. Humanitas: USP, 2008.

CYTRYNOWICZ, R. Literatura ídiche no Brasil. São Paulo: Humanitas, 2009. GRINBERG, K. A Construção da Identidade Étnica na Escola Judaica: um estudo de caso. In: LEWIN, H. (Org.). Judaísmo: memória e Identidade. Rio de Janeiro: EDUERJ. 1997.

MANDELELERT, D. da V. Pais na gestão da escola: mudaram as relações? Uma análise sociológica de uma instituição judaica. 2005. Dissertação (Mestrado em educação) - PUC-Rio, Rio de Janeiro, 2005.

RATTNER, H. R. Tradição e Ruptura: a comunidade judaica em São Paulo. São Paulo: Ática, 1977.

SANTOS, J. H. dos. Existentes, mas não cidadãos: o status jurídico dos judeus no Brasil Holandês (1630-1654). In: LEWIN, H. (Org.). Judaísmo e modernidade: suas múltiplas inter-relações. Rio de Janeiro: 2009. Disponível em: www.centroedelstein.org. Acesso em: 22 dez. 2011.

TRZONOWICZ, A. S. M. Ledor vador: construindo identidades judaicas de geração em geração. Estudo exploratório de casos de famílias e escolas judaicas em São Paulo. 2006. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Estadual de São Paulo, São Paulo, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2013v19n2p241

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br