Processos de Metacognição e de Significação Histórica: os três Audiovisuais produzidos por Estudantes de Primeiro Ano de Ensino Médio do Colégio de Aplicação da UFSC

Alexandre Pedro de Medeiros

Resumo


Este artigo apresenta resultados da aplicação de um Projeto de Ensino e Pesquisa desenvolvido no primeiro semestre de 2012 na disciplina Estágio Curricular Supervisionado II do Curso de Bacharelado e Licenciatura em História, da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), e aplicado no segundo semestre do mesmo ano durante a disciplina de Estágio Curricular Supervisionado III, em uma turma de Primeiro Ano de Ensino Médio do Colégio de Aplicação, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Nesta via, analisa-se aqui três audiovisuais – intitulados “É tempo de recordar”, “Existem mais Joanas d’Arcs e Marias Bonitas do que sonha nossa vã filosofia” e “MMA em História” –, produzidos por dez estudantes, os quais são compreendidos enquanto processos de metacognição, pois incitam os estudantes a pensarem sobre como aprenderam, e de significação histórica a partir da produção de um vídeo, que inclui desde a pesquisa iconográfica e sonora até a montagem, construindo assim um discurso audiovisual marcado por sentido histórico. Sendo assim, com a produção audiovisual, estimulou-se nos estudantes o exercício de investigação histórica a partir da problematização das diversas evidências coletadas em diferentes documentos visuais, sonoros e de cultura letrada, que, ao final do processo, resultou em alguns questionamentos sobre discursos historiográficos correntes.

Palavras-chave


Ensino de História. Educação Histórica. Metacognição. Audiovisuais produzidos por estudantes. Estágio Supervisionado.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDREW, J, D. Christian Metz e a Semiologia do Cinema. In: ANDREW, J, D.. As principais teorias do cinema: uma introdução. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2002. p. 170-192.

ANG, T. Vídeo digital: uma introdução. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2007.

ASHBY, R. Desenvolvendo um conceito de evidência histórica: as idéias dos estudantes sobre testar afirmações factuais singulares. Educar, Curitiba, p. 151-170, 2006. Especial

BARCA, I. Concepções de adolescentes sobre múltiplas explicações em História. In: BARCA, I. (Org.). Perspectivas em Educação Histórica. Actas das Primeiras Jornadas Internacionais de Educação Histórica. Braga (PT): Universidade do Minho, 2001. p. 29-43.

BARCA, I. Aula Oficina: do projecto à avaliação. In BARCA, I. (Org.). Para uma educação histórica de qualidade. Actas das IV Jornadas Internacionais de Educação Histórica. Braga (PT): Universidade do Minho, 2004. p. 131-144.

BLOCH, M. Apologia da história, ou, O ofício do historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.

BURKE, P. Testemunha ocular: história e imagem. Bauru, SP: EDUSC, 2004. (Coleção História).

CHARTIER, R. A história cultural: entre práticas e representações. 2. ed. Lisboa (PT): DIFEL, 2002. (Memória e Sociedade).

DUBOIS, P. Por uma estética da imagem de vídeo. In: DUBOIS, P. Cinema, vídeo, Godard. São Paulo: Cosac Naify, 2004. p. 69-95.

FERNANDES, L. Z. A reconstrução de aulas de História na perspectiva da Educação Histórica: da aula oficina à unidade temática investigativa. Disponível em:. Acesso em: 3 mar. 2013.

LAGNY, M. O cinema como fonte de história. In: NÓVOA, Jorge; FRESSATO, Soleni Biscouto; FEIGELSON, K. (Org.). Cinematógrafo: um olhar sobre a história. Salvador: EDUFBA; São Paulo: Ed. UNESP, 2009. p. 99-131.

LEE, P. “Nós fabricamos carros e eles tinham que andar a pé”: compreensão das pessoas do passado. In: BARCA, Isabel (Org.). Educação História e museus. Actas das Segundas Jornadas Internacionais de Educação Histórica. Braga (PT): Universidade do Minho, 2003. p. 9-26.

LEE, P. Em direção a um conceito de literacia histórica. Educar, Curitiba, Especial, p. 131-150, 2006.

MARTIN, M. A linguagem cinematográfica. São Paulo: Brasiliense, 2007.

MARTÍN-BARBERO, J. Globalização comunicacional e transformação cultural. In: MORAES, D. de (Org.). Por uma outra comunicação. 3. ed. Rio de Janeiro: Record, 2005. p. 57-86.

METZ, C. A significação no cinema. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1977.

ROSENSTONE, R. A história nos filmes, os filmes na história. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

RÜSEN, J. História viva: teoria da história: formas e funções do conhecimento histórico. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2007.

RÜSEN, J.; SCHMIDT, M. A.; BARCA, I.; MARTINS, E. de R. (Org.)]. Jörn Rüsen e o Ensino de História. Curitiba: Editora UFPR, 2010.

SILVA, M. História, filmes e ensino: desavir-se, reaver-se. In NÓVOA, J.; FRESSATO, S. B.; FEIGELSON, K. (Org.). Cinematógrafo: um olhar sobre a história. Salvador: Edufba, 2009. p. 147-157.

WHITE, H. Historiography and Historiophoty. American Historical Review, v. 93, n. 5, p. 1193-1199, Dec. 1988.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2013v19n2p303

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br