Das resistências ao ensino escolar de história da África: algumas considerações

José Henrique Rollo Gonçalves

Resumo


O artigo discute certas atitudes de repúdio mais ou menos ostensivo à introdução de conteúdos relativos à história africana em todos os níveis de ensino no Brasil. Ele sugere que não se trata somente, como sustenta uma voz corrente, de falta de informações básicas neste país sobre a África. Tampouco de falta de empenho das autoridades que devem zelar pela efetivação das propostas de inovação curricular. As razões são mais amplas. Elas têm raizes profundas nas mentalidades coletivas, especialmente na forte vigência de crenças e valores ocidentocêntricos. Também tem a ver com o evolucionismo intrínseco às Teorias da História predominantemente ensinadas nos cursos universitários.

Palavras-chave


História da África. Ocidentocentrismo. Ensino escolar. História e Cultura Afro-Brasileira.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2014v20n1p83

Apontamentos

  • Não há apontamentos.