O ensino, a história e a lei 10.639

Paulo Fernando de Souza Campos

Resumo


O debate proposto tem como eixo a Lei 10.639 assinada em janeiro de 2003 pelo Presidente da República Luis Inácio Lula da Silva. O texto da normativa altera a Lei n. 9.394, de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, por incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática História e Cultura Afro-Brasileira nos estabelecimentos de ensino fundamental e médio, oficiais e particulares. Pretende-se uma reflexão acerca das condicionantes que levaram à promulgação da referida lei e as vicissitudes das mudanças propostas sobretudo no processo ensino-aprendizagem.


Palavras-chave


Ensino de história; História e cultura afro-brasileira; Lei 10.639.

Texto completo:

PDF

Referências


BERGANO, M. Retratos do Brasil: ensino fundamental não atinge 1,4 milhão. Folha de S. Paulo, São Paulo, 3 dez. 2003. Folha Cotidiano, Caderno C, p.1 3

BRASlL. Lei n. 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a legislação que estabelece as diretrizes e bases curriculares da educação nacional. Diário Oficial República Federativa do Brasil, Brasília, 10 jan. 2003

CAMARGO, P. Quando o prohlema não é o aluno. Folha de S. Paulo, São Paulo, 27 jan. 2004. Folha Sinapse, p. 14-16.

CARDOSO, C. Um modelo de luxo: alunos de escola de elite nos EUA circulam de pantufas entre obras de artes e aprendes história em viagens internacionais. Folha de S. Paulo, São Paulo, 27 jan. 2004. Folha Sinapse, p.19

CARNEIRO, M. L. T. O discurso da intolerância: fontes para o estudo do racismo. In: DiCREDDO, M. C. S. (Coord.). Fontes históricas: abordagens e e métodos. Assis: Programa de Pós-Graduação em história. 1996. p. 21-32

CARVALHO, M. M. C. Quando a história de educação é a história da disciplina de higienização das pessoas. In: FREITAS, M. C. (Org.). História social da infância no Brasil. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2001. p. 291-310.

CONSTANTINO, L. Ensino: professor estuda mais, mas salário é baixo. Folha de S. Paulo, São Paulo, 16 out. 2003. Folha Cotidiano, Caderno C, p. 6

ESCÓSSIA, F. Retratos do BrasiL: só 5,8 milhões tem curso superior no Brasi. Folba de S. Paulo, São Paulo, 3 dez. 2003. Folha Cotidiano, p. 1.

FLORENTINO, M. O ministro da educação sabe. Folha de S. Paulo, São Paulo, 4 fev. 2004. Caderno A, p. 3.

MARQUES, V. R. B. A medicalização da raça: médicos educadores e discursos eugênicos. Campinas: Ed. Unicamp, 1994.

NEUBAUER, R. Escola pública não se preparou para receber carente. Folba de S Pauio, Paulo, 27 nov. 2000. Brasil, Caderno A, p. 7.

SANTOS, G. A. A invenção do ser negro: um percurso das idéias naturalizaram a inferioridade dos negros: São Paulo: Educ , 2002.

SOUZA, I. S. Os educadores e as relações interétnicas: pais e mestres. Franca: Unesp, 2001.

THOMPSON, O. O futuro da pedagocia é científico. In: LABORATÓRIO de Pedagogia Experimental. São Paulo:Tip. Siqueira, 1914. p. 17 e 18




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2004v10n0p41

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br