História e investigação na escola: a experiência de formação do professor-pesquisador

Crislaine Barbosa de Azevedo

Resumo


Neste artigo apresentamos resultados de um projeto de formação de professores de História tomando por base a promoção de pesquisas em educação. Partimos do pressuposto da necessidade e viabilidade da formação do professor-pesquisador. As experiências em prol de tal formação foram desenvolvidas em atividades de estágio supervisionado na Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Trabalhamos com orientação teórica acerca de pesquisa educacional com ênfase na pesquisa do tipo etnográfico bem como com direcionamentos práticos na definição do lócus da pesquisa (escola campo de estágio) e na elaboração dos projetos de investigação dos licenciandos tendo como foco o ensino de História. Apesar deste processo de formação tomando por base a pesquisa ser recente e ainda está em andamento, houve alunos que já apresentaram suas pesquisas em eventos e publicações da área. A proposta tem enfrentado diferentes entraves. Contudo, os resultados positivos mostram-se reais.


Palavras-chave


Formação docente; Ensino de História; Professor-pesquisador

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRÉ, M. E. D. A. A pesquisa no cotidiano escolar. In: FAZENDA, I. (Org.). Metodologia da pesquisa educacional. São Paulo: Cortez, 1989, p. 35-45.

ANDRÉ, M. E. D. A. Etnografia da prática escolar. São Paulo: Papirus, 1995.

ANDRÉ, M. E. D. A. Avanços no conhecimento etnográfico da escola. In: FAZENDA, I. (Org.). A pesquisa em educação e as transformações do conhecimento. 2. ed. Campinas: Papirus, 1997, p. 99-110.

ANDRÉ, M. E. D. A. Ensinar a pesquisar: como e para quê?. In: VEIGA, I. P. A. V. (Org.). Lições de didática. Campinas: Papirus, 2006, p. 123-134.

DEMO, P. Iniciação científica: razões formativas. In: MORAES, Roque de; LIMA, Valderez M. do R. (Org.). Pesquisa em sala de aula: tendências para a educação em novos tempos. 2 ed. Porto Alegre: Ed. Pucrs, 2004. p. 103- 126

FAZENDA, I. (Org.). A pesquisa em educação e as transformações do conhecimento. 2 ed. Campinas: Papirus, 1997. p. 99-110.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

LIMA JÚNIOR, D. L. A História trabalhada quadro a quadro. SEMANA DE PESQUISA DO CCSA DA UFRN, 15., Natal, 2009. Anais .... Natal: UFRN, 2009.

OLIVEIRA, H. R. S. de. Entre história(s), músicas e representações: representação dos alunos sobre a utilização de música como nova linguagem no ensino de história. SEMANA DE PESQUISA DO CCSA DA UFRN. , 15., Natal, 2009. Anais .... Natal: UFRN, 2009.

REVISTA FAZENDO HISTÓRIA: Em questão – o ensino de História, Natal, ano 2, v. 3, 2009. http://www.cchla.ufrn.br/fazendohistoria/edicao3.php

RIANI, D. C. Formação do professor: a contribuição dos estágios supervisionados. São Paulo: Lúmen, 1996.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE. Projeto de Estruturação dos campos de estágio para a formação de professores de Educação Básica. Natal: Departamento de Educação/Coordenação das Licenciaturas, 2006.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE. Portaria no . 09/2008, de 10 de junho de 2008 – Institui o Regulamento das Atividades Especiais Coletivas Estágios Supervisionados de Formação de Professores nos cursos de licenciatura da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, campus central. Natal: Pró-Reitoria de Graduação, 2008.

VEIGA, I. P. A. V. (Org.). Lições de didática. Campinas: Papirus, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2238-3018.2011v17n2p339

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Hist. Ensino
E-Issn: 2238-3018
DOI10.5433/2238-3018
E-mail: labhis@uel.br