Análise dos remanescentes florestais da bacia hidrográfica do rio Tibagi – Paraná, utilizando sistemas de informação geográfica

Graziele Hernandes Volpato, Mirian Vizintim Fernandes Barros

Resumo


 

O processo de desmatamento tanto mundial quanto regional tem ocasionado diversos distúrbios nos ecossis­temas. Este trabalho tem como proposta um estudo da espacialização dos remanescentes florestais da bacia hidrográfica do rio Tibagi-PR, com enfoque no tamanho dos fragmentos, já que são dados importantes para subsidiar propostas de planejamento, manejo e conservação, ou de implantação e ampliação de áreas para a preservação dos recursos naturais. No desenvolvimento do trabalho foi utilizada a Carta de Uso e Ocupação do Solo da Bacia do Rio Tibagi, na escala 1:250.000, elaborada a partir de dados do LANDSAT TM 5, em formato analógico. Esta foi escanerizada e integrada ao programa SPRING, onde foi executados a edição vetorial, o cálculo de área das classes e a reclassificação, objetivando reconhecer e localizar os remanescente florestais. A bacia ocupa 12,6% da área do estado e apresenta 9,3% de mata natural, com 985 fragmentos, sendo que 894 apresentam tamanho entre o intervalo 0,003595 Km2 e 4,623595 Km2. É no alto Tibagi onde ocorre a maior concentração de fragmentos, distribuídos irregularmente; na parte do baixo Tibagi e ao longo do rio a presença destes são quase inexistentes, influenciando na falta de corredores florestais, o que demonstra a necessidade da criação de novos planos de manejo e de áreas prioritárias.

 

 


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2447-1747.2001v10n2p231

Direitos autorais 2011 GEOGRAFIA (Londrina)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Locations of visitors to this page

 

Geografia (Londrina)

ISSN: 0102-3888

E-ISSN: 2447-1747 

E-mail: revista.geografia.uel@gmail.com