Transportes e Dinâmicas Econômicas no Desenvolvimento do Maranhão

Allison Bezerra Oliveira, Diego Armando de Sousa Paz, Maria do Rosário Sá Araújo

Resumo


O presente artigo tem por objetivo discutir as relações entre a infraestrutura de transportes e as transformações econômicas que se sucederam no Maranhão a partir do fim do século XX. Parte-se do ponto central de que os transportes são elementos fundamentais dos movimentos de “modernização” econômica vividos pelo estado desde então, como a expansão da fronteira agrícola, a implantação de grandes projetos minerometalúrgicos e, mais recentemente, agroindustriais. Para analisar tais relações, foram utilizados dados da Indústria Brasileira de Árvores, Empresa Maranhense de Administração Portuária, Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes, Departamento Nacional de Trânsito e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, além de fotografias de acervo resultantes de pesquisa de campo. Os resultados indicam que os movimentos de “modernização econômica”, apoiados por ações estatais e investimentos nos modais rodoviário e ferroportuário, contribuíram para a estruturação de um capitalismo “moderno” no estado, com vistas à produção de commodities minerais e agrícolas para o mercado externo.

Palavras-chave


Transportes; Commodities; Agro-minero-exportação; Maranhão.

Texto completo:

PDF

Referências


ARRAIS, Tadeu Alencar; CASTILHO, Denis; AURÉLIO NETO, Onofre Pereira. Integração nacional e fragmentação regional: o sentido territorial da BR-153 no centro-norte brasileiro. Geographia, Niterói, v. 18, n. 36, p. 62-85, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.22409/GEOgraphia2016.v18i36.a13743. Acesso em: 7 mar. 2020.

DENATRAN - Departamento Nacional de Trânsito. Volume de veículos por estado da federação. Brasília, DF: DENATRAN, 2020. Disponível em: https://infraestrutura.gov.br/denatran. Acesso em: 9 jun. 2020.

BRASIL. Ministério da Infraestrutura. Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes. Infraestrutura rodoviária. Brasília, DF: DNIT, 2016. Disponível em: https://www.gov.br/dnit/pt-br/assuntos/infraestrutura-rodoviaria. Acesso em: 7 out. 2020.

EMAP - Empresa Maranhense de Administração Portuária. Relatório de movimentação de cargas portuárias no Maranhão. [São Luís]: EMAP, 2020. Disponível em: https://www.emap.ma.gov.br/public/_files/arquivos/Relat%C3%B3rio%20de%20Movimenta%C3%A7%C3%A3o%20de%20Cargas-%202001%20a%202019_5e5e3d3b1e103.pdf. Acesso em: 10 abr. 2020.

HARVEY, David. Os limites do capital. São Paulo: Boitempo, 2013.

IBÁ - Indústria Brasileira de Árvores. Relatório de produção da silvicultura no Brasil. Brasília, DF: IBÁ, 2020. Disponível em: https://www.iba.org/. Acesso em: 10 fev. 2020.

IBGE. Produto interno bruto dos estados brasileiros. Rio de Janeiro: IBGE, 2020. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/. Acesso em: 14 jun. 2020.

IBGE. Infraestrutura de transporte e logística no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. Disponível em: https://mapas.ibge.gov.br/tematicos/infra-estrutura-e-logistica. Acesso em: 14 fev. 2020.

KUBITSCHEK, Juscelino. Por que construí Brasília. Brasília, DF: Senado Federal, 2000.

MESQUITA, Benjamin Alvino et al. Formação socioeconômica do estado do Maranhão. In: CASTRO, Edna Ramos; CAMPOS, Índio (org.) Formação socioeconômica da Amazônia. Belém: NAEA/UFPA, 2015. cap. 5, p. 225-319.

MESQUITA, Benjamin Alvino. Notas sobre a dinâmica econômica recente em área periférica: as mudanças na estrutura produtiva do Maranhão. In: CONFERÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO (CODE/IPEA), 2., 2011, Brasília, DF. Anais eletrônicos [...]. Brasília, DF: Ipea, 2011. p. 1-15. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/code2011/chamada2011/pdf/area4/area4-artigo33.pdf. Acesso em: 19 out. 2020.

MOTTA, Célia Maria. Um desenvolvimento insustentável. Lutas Sociais, São Paulo, n. 11/12, p. 23-35, jun. 2004. Disponível em: https://ken.pucsp.br/ls/article/view/18693/13890. Acesso em: 7 mar. 2020.

OLIVEIRA, Allison Bezerra. Indústria de celulose e o avanço da silvicultura do eucalipto na fronteira agrícola da Amazônia maranhense. Geosul, Florianópolis, v. 34, n. 71, p. 301-327, abr. 2019. Dossiê Agronegócios no Brasil. Disponível em: http://doi.org/10.5007/1982-5153.2019v34n71p301. Acesso em: 7 mar. 2020.

OLIVEIRA, Francisco. Elegia para uma re(li)gião: Sudene, Nordeste, planejamento e conflito de classes. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

PRADO JÚNIOR, Caio. História econômica do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1945.

SICSÚ, Abraham Benzaquem; LIMA, João Policarpo Rodrigues. Fronteiras agrícolas no Brasil: a lógica de sua ocupação recente. Nova Economia, Belo Horizonte v. 10, n. 1, p. 109-138, jul. 2000. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/novaeconomia/article/view/2145/1123. Acesso em: 7 fev. 2020.

SUZIGAN, Wilson. Indústria brasileira: origem e desenvolvimento. São Paulo: Hucitec; Campinas: Unicamp, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2447-1747.2021v30n2p91

Direitos autorais 2021 GEOGRAFIA (Londrina)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Locations of visitors to this page

 

Geografia (Londrina)

ISSN: 0102-3888

E-ISSN: 2447-1747 

E-mail: revista.geografia.uel@gmail.com