Análise de Nutrientes Lixiviados pela Chuva na Serapilheira sob a Perspectiva das Formas de Humus em Floresta Ombrófila Densa de Médio Montana do Bioma Mata Atlântica – Parque Nacional da Tijuca – RJ

Marcio Luiz Gonçalves D´Arrochella

Resumo


A serapilheira é indicadora da integridade de ecossistemas florestais quando analisamos sob a perspectiva das “Formas de Humus”. Sendo o material orgânico disposto em camadas internas que variam no peso e espessura e expressa a ciclagem de nutrientes, que sintetiza o funcionamento dos ecossistemas. A pesquisa propõe entender que nutrientes são liberados pela ação da chuva lixiviando o material orgânico na copa e no solo, bem como pelas camadas internas da serapilheira numa floresta urbana de clima tropical. Foram construídos pluviômetros experimentais que coletavam a chuva e a depositava em recipientes abaixo de cada camada de serapilheira para análise química. Como resultados, percebemos que as diferentes camadas vão nutrir o solo de maneira diferenciada quando esse processo acontece com formas de humus mull-moder. O cálcio  é liberado em maior quantidade pelas camadas F e MFB, o potássio e o magnésio têm maior disponibilização pela camada L, indicando que durante esse processo esses nutrientes são mais consumidos do que liberados. O sódio é abundante nas chuvas antes de atingir a serapilheira.

Palavras-chave


Formas de humus; Lixiviação; Mata Atlântica.

Texto completo:

PDF

Referências


COELHO NETTO, A. L. Surface Hydrology and Soil Erosion in a Tropical Montainous Rainforest Drainege Basin, Rio de Janeiro. Tese (Doutorado), Katholieke Universiteit Leuven, Belgium, 1985.

D’ARROCHELLA, M. L. G. Análise do subsistema solo/serrapilheira em um trecho de Mata Atlântica sujeito aos efeitos de borda no Parque Nacional da Tijuca (RJ) utilizando os Indicadores Funcionais Globais. Monografia (Graduação em Geografia). Instituto de Geociências. – Rio de Janeiro: IGEO/UFRJ, 2008.

D'ARROCHELLA, M. L. G.; MIRANDA, R. A . C.; CASTRO JUNIOR, E.; SILVA, T. M. Retenção hídrica em serapilheira a partir da perspectiva das formas de húmus. Anais do IX Simpósio Brasileiro de Geomorfologia. Rio de Janeiro, 2012.

DELITTI, W. B. C.Estudos de ciclagem de nutrientes: instrumentos para a análise funcional de ecossistemas terrestres. In: ESTEVES, F., ed. OECOLOGICA BRASILIENSIS: Simpósio Sobre Estrutura, Funcionamento e Manejo de Ecossistemas. Rio de Janeiro, 1995. P. 469-486.

DUCHAUFOUR, P. H. Ecologie de la Humification et Pedodénèse. In. Pesson, P. (Ed.) Actuallités d’écologie forestiere. Sol, Flore et Faune. Paris. Gouthier – Villars. P177-200, 1979.

FIGUEIRÓ, A. S. Mudanças ambientais na interface floresta-cidade e propagação do efeito de borda no Maciço da Tijuca, Rio de Janeiro: um modelo de vizinhança. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2005.

GARAY, I.; KINDEL, A.; CALLIPO, A.; BARROS, M. E. O. & JESUS, R. M. Formas de Húmus em ecossistemas de floresta costeira intertropical. I – Mata Atlântica de Tabuleiros. In: ESTEVES, F., ed. OECOLOGICA BRASILIENSIS: Simpósio Sobre Estrutura, Funcionamento e Manejo de Ecossistemas. Rio de Janeiro, 1995. P. 1-18.

GREEN, R. N., TROWBRIDGE, R. L., KLINKA. K. Towards a taxonomic classification of húmus form. For. Sci. Monogr., 29:1-48, 1993.

GOLLEY, F. B.; MCGINNIS, J. T.; CLEMENTS, R. G.; CHILD, G. I.; DUEVER, M. J. Ciclagem de Minerais em um ecossistema de floresta tropical úmida ; Tradução de Eurípedes Maravolta. – São Paulo: EPU: Ed. Universidade de São Paulo, 1978.

KINDEL, A. A fragmentação Real: heterogeneidade de remanescentes florestais e valor indicador das formas de húmus. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2001.

KINDEL, A& GARAY,I. Caracterização de Ecossistemas da Mata Atlântica de Tabuleiros por meio das formas de Humus. SeçãoQuimica II. In R. Brás. Ci. Solo, 25:551-563, 2001.

KINDEL, A & GARAY,I. Humus form in ecossistems of the Atlantic Forest, Brazil. In: Geoderma 108:101-118, 2002.

LOUZADA, M. A. P.; QUINTELA, M. F. S. & PENNA, L. P. S. Estudo comparativo da produção de serrapilheira em áreas de Mata Atlântica: a floresta secundária ‘antiga’ e uma floresta secundária (capoeira) In: ESTEVES, F., ed. O ECOLOGICA BRASILIENSIS: Simpósio Sobre Estrutura, Funcionamento e Manejo de Ecossistemas. Rio de Janeiro, 1995. P. 61-74.

MIRANDA, F. S. M. Relações entre microtopografia e estoque de matéria orgânica de superfície em floresta hombrófila de encosta íngreme do PARNA-Tijuca, RJ. Monografia (Graduação em Geografia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2010.

MONTEZUMA, R. C. M. Produção e reabilitação funcional do piso florestal em clareira de deslizamento: Parque Nacional da Tijuca, Rio de Janeiro. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2005.

PEREIRA, T. F. P. D. (2005) Uso de indicadores funcionais globais no diagnóstico geo-biofísico de casos de fragmentação da Floresta Atlântica na Bacia do Rio Macacú (RJ), Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2005.

POGGIANI, F & SHUMACHER, M. V. Ciclagem de nutrients em Florestas Nativas. In: GONÇALVES, J. L. M. & BENEDETTI, V. (Eds.) Nutrição e Fertilização Florestal. Piracicaba: IPEF, 2000.

SILVA FILHO, E. V. Estudos de chuva ácida e entradas atmosféricas de Na, K, Ca, Mg e Cl na Bacia do alto rio Cachoeira, Parque Nacional da Tijuca – RJ. Dissertação (Mestrado em Geoquímica) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 1985.

SKOOG, D. A; HOLLER, T. A.; NIEMAN, T. A. Principles of Instrumental Instrumental Analysis. 5th ed., 1998.

TYLER, G.; COSNIER, A.; LE CORRE, N. Utilizing the far UV region in ICP for halogens and alternative wavelengths for other elements. FACSS. Lecture, 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2447-1747.2020v29n2p205

Direitos autorais 2020 GEOGRAFIA (Londrina)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Locations of visitors to this page

 

Geografia (Londrina)

ISSN: 0102-3888

E-ISSN: 2447-1747 

E-mail: revista.geografia.uel@gmail.com