Transporte Rodoviário Interestadual de Passageiros e Cidades Médias: circulação e interações em Chapecó, Santa Catarina

João Henrique Zoehler Lemos

Resumo


A sociedade contemporânea se reproduz através de contínuas inter-relações e movimentos, entre diferentes áreas. Essa condição é expressa principalmente pelas cidades, nós da rede urbana, produto das relações de trabalho, consumo e do próprio movimento da população. Diante disso, no caso brasileiro, o transporte de pessoas através dos ônibus mostra-se de fundamental importância na circulação territorial. Com atenção à cidade média de Chapecó, este trabalho busca, à luz das operações do transporte rodoviário interestadual de passageiros, compreender quais são as interações regionais presentes na cidade analisada e, conjuntamente, entender como esse modal de transporte se configura. Há então, a justaposição teórico-conceitual da formação socioespacial da Região Geográfica Intermediária de Chapecó, a noção de rede urbana, além das compreensões atuais acerca do transporte de passageiros por via rodoviária. A discussão apresentada nos ajuda a compreender este meio de transporte como uma das expressões da formação socioespacial regional, além de contribuir para a análise integrada entre a rede urbana e o transporte de passageiros.

Palavras-chave


Transporte rodoviário interestadual de passageiros; Cidades médias; Chapecó; Rede urbana; Circulação de passageiros.

Texto completo:

PDF

Referências


AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. Consulta às empresas autorizatárias. Brasília, DF: ANTT, 2019b. Disponível em: http://bit.ly/2IesQc3. Acesso em: 22 fev. 2019.

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. Consulta às linhas que fazem seção em uma localidade. Brasília, DF: ANTT, 2019a. Disponível em: http://bit.ly/2QEoheM. Acesso em: 15 mar. 2019.

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. Estatísticas e estudos rodoviários: dados operacionais. Brasília, DF: ANTT, 2009. Disponível em: http://bit.ly/2ZenEeP. Acesso em: 1 fev. 2019.

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. Estatísticas e estudos rodoviários: dados operacionais. Brasília, DF: ANTT, 2014. Disponível em: http://bit.ly/33UrSfg. Acesso em: 1 fev. 2019.

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. Estatísticas e estudos rodoviários: dados operacionais. Brasília, DF: ANTT, 2018a. Disponível em: http://bit.ly/2Wg5A7y. Acesso em: 1 fev. 2019.

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. Estatísticas e estudos rodoviários: resumo do setor. Brasília, DF: ANTT, 2018b. Disponível em: http://bit.ly/2JRjLci. Acesso em: 5 mar. 2019.

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. Resolução nº 4.770, de 25 de junho de 2015. Dispõe sobre a regulamentação da prestação do serviço regular de transporte rodoviário coletivo interestadual e internacional de passageiros, sob o regime de autorização. Brasília, DF: ANTT, 2015. Disponível em: http://bit.ly/2Wdbguc. Acesso em: 20 nov. 2018.

ALBA, R. Apontamentos sobre a geografia do oeste de Santa Catarina. In: ALBA, R. (org.). Estudos de geografia agrária do oeste catarinense. Chapecó: Argos,

p. 19-46.

ALBA, R. Espaço urbano: os agentes da produção em Chapecó. Chapecó: Argos, 2002.

ARROYO, M. Dinâmica territorial, circulação e cidades médias. In: SPOSITO, E. S.; SPOSITO, M. E. B.; SOBARZO, O. (org.). Cidades médias: produção do espaço. São Paulo: Expressão Popular, 2006. p. 71-85.

BRASIL. Lei nº 12.996, de 18 de junho de 2014. Altera as Leis nºs [...] 10.233, de 5 de junho de 2001; e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República Disponível em: http://bit.ly/2WUCJVL. Acesso em: 24 fev. 2019.

BRASIL. Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil. Empresa de Planejamento e Logística. Anuário estatístico de transportes 2010-2016. Brasília: MTPA, 2017.

CASTELLO BRANCO, M. L. Cidades Médias no Brasil. In: SPOSITO, E. S.; SPOSITO, M. E. B.; SOBARZO, O. (org.). Cidades médias: produção do espaço urbano e regional. São Paulo: Expressão Popular, 2006. p. 245-277.

CORRÊA, R. L. Construindo o conceito de cidade média. In: SPOSITO, M. E. B. (org.). Cidades médias: espaços em transição. São Paulo: Expressão Popular, 2007. p. 23-33.

CORRÊA, R. L. Estudos sobre a rede urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2015.

CORRÊA, R. L. Interações espaciais. In: CASTRO, I. E. de; GOMES, P. C. da C.; CORRÊA, R. L. (org.). Explorações geográficas: percursos no fim de século. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010. p. 279-318.

CORRÊA, R. L. Redes geográficas: reflexões sobre um tema persistente. Cidades, Presidente Prudente, v. 9, n. 16, p. 199-218, 2012.

DRUCIAKI, V. P. As (des)articulações de Guarapuava com Maringá e Londrina: uma análise a partir da rede de transporte rodoviário de passageiros. 2009. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2009.

FREDERICO, S. Modernização da agricultura e regulação territorial nos fronts agrícolas brasileiros. Espaço e Geografia, Brasília, DF, v. 11, n. 2, p. 135-155, 2008.

GRUPO Ouro e Prata compra Unesul e Belmiro Zaffari anuncia saída da empresa. Atmosfera, Erechim, RS, 18 ago. 2016. Publicidade. Disponível em: https://atmosferaonline.com.br/ grupo-ouro-e-prata-compra-unesul-e-belmiro-zaffari-anuncia-saida-da-empresa. Acesso em: 25 fev. 2019.

HAESBAERT, R. Des-territorialização e identidade: a rede gaúcha no Nordeste. Niterói: EDUFF, 1997.

HUERTAS, D. Território e circulação: transporte rodoviário de carga no Brasil. São Paulo: Unifesp, 2018.

IBGE. Base cartográfica contínua na escala 1:250.000. Rio de Janeiro: IBGE, 2017. Disponível em: http://geoftp.ibge.gov.br/cartas_e_mapas/bases_cartogra-ficas_continuas/bc250/versao2017/shapefile/ 2017. Acesso em: 17 nov. 2018.

IBGE. Estimativas da população. Rio de Janeiro: IBGE, 2019. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/9103-estimativas-de-populacao.html. Acesso em: 2 out. 2019.

IBGE. Regiões de influência das cidades 2007. Rio de Janeiro: IBGE, 2008.

IBGE. Sistema IBGE de Recuperação Automática. Séries de dados temporais para o Censo Demográfico (1970, 1980, 1991, 2000 e 2010). Disponível em: http://sidra.ibge.gov.br. Acesso em: 17 nov. 2018.

LEMOS, J. H. Z. Espaço geográfico, fluxos e migrações: contribuições para o debate a partir do transporte rodoviário de passageiros. In: ENCONTRO ESTADUAL DE GEOGRAFIA, 35., 2018, Erechim, RS. Anais [...]. Erechim: AGB SL; Porto Alegre: UFFS, 2018. p. 1-12. Disponível em: http://portaleventos.uffs.edu.br/index.php/EEG. Acesso em: 1 out. 2019.

LIMA, N. Viagem ao ônibus brasileiro. Rio de Janeiro: Arte Ensaio, 2008.

MAGRINI, M. A.; CATALÃO, I. Del derecho al consumo al derecho a la ciudad: contradicciones y convergencias. EURE, Santiago, v. 43, n. 130, p. 25-46, 2017.

MATIELLO, A. M.; VILLELA, A. L. V.; FUJITA, C.; OTSUSCHI, C.; ALBA, R. S. Chapecó/SC: o agronegócio, o setor terciário em expansão e a crescente desigualdade socioespacial. In: SPOSITO, M. E. B.; MAIA, D. S. (org.). Agentes econômicos e reestruturação urbana e regional: Dourados e Chapecó. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2016. p. 171-319.

PELUSO JÚNIOR, V. A. Estudos de geografia urbana de Santa Catarina. Florianópolis: UFSC, 1991.

PERTILE, N. Formação do espaço agroindustrial em Santa Catarina: o processo de produção de carnes no Oeste Catarinense. 2008. Tese (Doutorado em Geografia) - Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.

REOLON, C. A. A aglomeração urbana da soja: Cascavel e Toledo no contexto de metropolização na Mesorregião Oeste Paranaense. 2007. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional e Agronegócio) - Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade do Oeste do Paraná, Toledo, 2007.

SANTOS, B. C. Divisão territorial do trabalho e transporte rodoviário interestadual de passageiros entre o interior sulista e a fronteira agrícola. 2019. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019b.

SANTOS, B. C. Divisão territorial do trabalho, rede urbana e transporte rodoviário interestadual de passageiros no Brasil. Revista Transporte y Territorio, Buenos Aires, n. 20, p. 135-164, enero /jun., 2019a.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Edusp, 2014a.

SANTOS, M. A urbanização brasileira. São Paulo: Edusp, 2018.

SANTOS, M. Da totalidade ao lugar. São Paulo: Edusp, 2012.

SANTOS, M. Metamorfoses do espaço habitado. São Paulo: Edusp, 2014b.

SANTOS, M.; SILVEIRA. M. L. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. 11. ed. Rio de Janeiro: Record, 2008.

SAQUET, M. O(s) tempo(s) e o(s) território(s) da imigração no Sul do Brasil. In: SPOSITO, E. S.; BOMTEMPO, D. C.; SOUSA, A. A. (org.). Geografia e migração: movimentos, territórios e territorialidade. São Paulo: Expressão Popular, 2010. p. 109-124.

SILVEIRA, M. R. Geografia da circulação, transportes e logística: construção histórica e perspectivas. In: SILVEIRA, M. R. (org.). Circulação, transportes e logística: diferentes perspectivas. São Paulo: Expressão Popular, 2011. p. 21-68.

SOJA, E. Geografias pós-modernas: a reafirmação do espaço na teoria social crítica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1993.

SPOSITO, M. E. B. Cidades médias: reestruturação das cidades e reestruturação urbana. In: SPOSITO, M. E. B. (org.). Cidades médias: espaços em transição. São Paulo: Expressão Popular, 2007. p. 233-253.

WRIGHT, C. Transporte rodoviário de ônibus. Brasília: IPEA, 1992.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2447-1747.2020v29n2p69

Direitos autorais 2020 GEOGRAFIA (Londrina)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Locations of visitors to this page

 

Geografia (Londrina)

ISSN: 0102-3888

E-ISSN: 2447-1747 

E-mail: revista.geografia.uel@gmail.com