Cultura Cafeeira no Norte do Paraná e suas Marcas nas Paisagens: potencialidades para o turismo

Alini Nunes de Oliveira

Resumo


Dentre as regiões brasileiras de destaque na produção cafeeira, o estado de São Paulo e o Paraná (em especial as regiões Norte Central e Norte Pioneiro) foram marcados ao longo de sua história pela grande produção deste grão. O presente artigo tem como objetivo traçar um panorama da cultura cafeeira no Brasil e, na sequência, como se desenvolveu no estado do Paraná, além de apresentar marcas da cafeicultura em algumas paisagens de propriedades rurais do Norte do Paraná, que integram a Rota do Café e suas potencialidades para o turismo. Como procedimentos metodológicos adotados estão a pesquisa bibliográfica e documental, além do trabalho de campo, instrumento fundamental para este tipo de pesquisa, já que auxilia na produção de informação empírica. O norte do Paraná apresenta elementos nos quais o café remete à sua história pela importância socioeconômica que exerceu e pode-se observar em algumas paisagens as marcas deixadas por este tempo importante para a população norte paranaense. Assim, em algumas paisagens é possível perceber as marcas deixadas pela cafeicultura, sendo a valorização da cultura cafeeira como atrativo turístico um dos principais objetivos da Rota do Café.

Palavras-chave


Paisagem; Café; Norte do Paraná.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Ana Maria Chiarotti de. Participação social dos operários de origem rural em área urbana – Londrina/PR. Curitiba: Grafipar, 1981.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Guia básico de indicação geográfica. Disponível em: . Acesso em: 5 jul. 2019.

BSCA. Brazilian Specialty Coffee Association. O que são cafés especiais. Disponível em: . Acesso em: 5 jul. 2019.

CALVENTE, Maria del Carmen M. H. Turismo e excursionismo rural: potencialidades, regulação e impactos. Londrina: Humanidades, 2004.

CANCIAN, Nadir Apparecida. Cafeicultura paranaense – 1900/1970. Curitiba: Grafipar, 1981.

CECAFÉ. Conselho dos Exportadores de Café do Brasil. Consumo Interno de Café em Sacas e Per-Capita. Disponível em: . Acesso em: 5 jul. 2019.

CESÁRIO, Ana Cleide Chiarotti. Norte Novo – a expansão da fronteira e seu conteúdo simbólico. In: PAZ, Francisco Moraes (Org.). Cenários de econômica e política: Paraná. Curitiba: Prephacio, 1991. p. 41-63.

CONAB. Companhia Nacional de Abastecimento. Séries históricas: café. Disponível em: . Acesso em: 5 jul. 2019.

COSGROVE, Denis. A geografia está em toda parte: cultura e simbolismo nas paisagens humanas. In: ROSENDAHL, Zeny; CORRÊA, Roberto Lobato (Orgs.). Paisagem, tempo e cultura. Rio de Janeiro: EDUERJ, 1998. p. 92-122.

DELAMARO, Maurício César et al. Turismo nas fazendas históricas do Vale do Paraíba Fluminense: um estudo sobre sustentabilidade. Caderno Virtual de Turismo, v. 2, n. 4, p. 11-17, 2002.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Brasil - maior produtor mundial de café - exporta 35,15 milhões de sacas com média mensal de 2,92 milhões de sacas em 2018, 22 fev. 2019. Disponível em: . Acesso em: 5 jul. 2019.

______. Café é a segunda bebida mais consumida no Brasil, 19 mar. 2015. Disponível em: . Acesso em: 5 jul. 2019.

FONT, Joan Nogué. Turismo, percepción del paisaje y planificación del território. Estudios Turísticos, Madrid, n. 115, p. 45-54, 1992.

FREDERICO, Samuel. Globalização, competitividade e regionalização: a cafeicultura científica globalizada no território brasileiro. GEOUSP – Espaço e Tempo (Online), São Paulo, v. 18, n. 1, p. 55-70, 2014. Disponível em: . Acesso em: 04 set. 2016.

HOFF, Santino. A ocupação do Norte. In: PAZ, Francisco Moraes (Org.). Cenários de econômica e política: Paraná. Curitiba: Prephacio, 1991. p. 25-39.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades. Disponível em: . Acesso em: 5 jul. 2019.

______. A Geografia do café: dinâmica territorial da produção agropecuária. Rio de Janeiro: IBGE, 2016.

IPARDES. Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social. Área, produção e produtividade dos principais produtos agrícolas do Paraná – 1986 – 2019. Disponível em: . Acesso em: 5 jul. 2019.

NARANJO, Florencio Zoido. El paisaje, patrimonio público y recurso para la mejora de la democracia. Patrimônio Histórico, Sevilha, n. 50, p. 66-73, out. 2004. Disponível em: . Acesso em: 5 jul. 2019.

NIEHUES, Leandro Garcia. A cafeicultura na Microrregião Geográfica de Londrina (PR): desafios e perspectivas à permanência do produtor familiar. 2016. 163 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2016.

PADIS, Pedro Calil. Formação de uma economia periférica: o caso do Paraná. 2. ed. Curitiba: Ipardes, 2006.

POZZOBON, Irineu. A epopeia do café no Paraná. Londrina: Grafmarke, 2006.

REDE Social do Café. Disponível em: . Acesso em: 5 jul. 2019.

ROSANELI, Alessandro Filla. Cidades novas do café: história, morfologia e paisagem urbana. Curitiba: UFPR, 2013.

SANTOS, Milton; SILVEIRA, Maria Laura. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. 7. ed. Rio de Janeiro: Record, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2447-1747.2020v29n2p29

Direitos autorais 2020 GEOGRAFIA (Londrina)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Locations of visitors to this page

 

Geografia (Londrina)

ISSN: 0102-3888

E-ISSN: 2447-1747 

E-mail: revista.geografia.uel@gmail.com