Diferenciação Sócioespacial e Percepções da Espacialidade de Maputo - Cidade

Luiz Adriano Guevane

Resumo


Refletir em torno da percepção da imagem espacial de cidade, no caso vertente de Maputo-Cidade, constituiu o objetivo central deste artigo. Para detectar as referidas percepções, à luz da geografia da percepção, metodologicamente, sem deixar de lado as vivências e experiências do autor sobre o assunto em causa, usou-se, por um lado, a técnica de análise de textos e, por outro, administrou-se um inquérito. O mote orientador do artigo foi a busca de razões para o fato de a “imagem verticalizada” prevalecer sobre a “imagem horizontalizada” na determinação do entendimento de cidade. A partir da análise de textos concluímos que a percepção de diferenciação espacial funda-se no caráter alógeno e na rápida urbanização da cidade de Maputo. Este aspecto é encontrado na pesquisa de campo, por meio da protuberância da “imagem verticalizada” que gera uma diversidade de limites percepcionados e condiciona as percepções relativas ao conteúdo do conceito cidade.

Palavras-chave


Geografia da percepção; Cidade; Imagem verticalizada; Imagem horizontalizada; Limites percepcionados.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, J. A. Sobre a cidade e o urbano em Henri Léfèbvre. GEOUSP: espaço e tempo (Online), São Paulo, n. 31, p. 133-142, ago. 2012. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/geousp/article/view/74258/77901. Acesso em: 31 jul. 2018.

ARAÚJO, M. Os espaços urbanos em Moçambique. GEOUSP: espaço e tempo (Online), São Paulo, n. 14, p. 165 -182, 2003. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/geousp/article/view/123846. Acesso em: 17 ago. 2018.

ARAÚJO, M. População das cidades de Maputo e Matola: espaços urbanos multifacetados. Maputo: Centro de Estudos da População (CEP): UEM, 2005.

ARAÚJO, M. Ruralidades-urbanidades em Moçambique. Conceitos ou preconceitos? Revista da Faculdade de Letras: geografia. Porto, v. 18, p. 5-11, 2002.

FEIJÓ, J. Investimentos económicos, assimetrias socio-espaciais e movimentos migratórios. In: FEIJÓ, J.; RAIMUNDO, I. M. (coord.). Movimentos migratórios para áreas de concentração de grandes projectos. Maputo: PubliFix Edições, 2018. p. 17-61.

FORJAZ, J. (coord.). Moçambique, melhoramento dos assentamentos informais, análise da situação & proposta de estratégias de intervenção. Maputo: Direcção Nacional de Planeamento e Ordenamento Territorial (DINAPOT): Ministério para a Coordenação da Acção Ambiental (MICOA), 2006.

FRANCISCO, A. A. S.; PAULO, M. Impacto da economia informal na protecção social, pobreza e exclusão: a dimensão oculta da informalidade em Moçambique. Maputo: Cruzeiro Sul e Centro de Estudos Africanos, 2006.

GAVA, A. Sobre a definição de observação como percepção verdadeira justificada. Scientiae Zudia, São Paulo, v. 13, n. 1, p. 123-41, 2015.

HASSENPFLUG, D. Sobre centralidade urbana. Arquitextos, São Paulo, ano 8, n. 85, jun. 2007. Disponível em: https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/08.085/235. Acesso em: 20 jul. 2018.

KANASHIRO, M. A cidade e os sentidos: sentir a cidade. Desenvolvimento e Meio Ambiente, Curitiba, n. 7, p. 155-160, jan./jun. 2003.

LENCIONE, S. Observações sobre o conceito de cidade e urbano. GEOUSP: espaço e tempo (Online), São Paulo, n. 24, p. 109-123, abr. 2008. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/geousp/article/view/74098/77740. Acesso em: 20 jul. 2018.

MALANSKI, L. M. Geografia humanista: percepção e representação espacial. Revista Geográfica de América Central, Heredia, n. 52, p. 29-50, 2014. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=451744543002. Acesso em: 15 jul. 2018.

MUÑOZ, J. L. V. Análisis de textos en geografía de la percepción: estado de la cuestión y bases conceptuales. Baetica: estudios de arte, geografía e historia, Teatinos, v. 32, p. 127- 146, 2010.

SANTOS, M. A Cidade como centro de região: definições e métodos de avaliação da centralidade. Salvador: Livraria Progresso Editora, 1959.

SCOCUGLIA, J. B. C.; CHAVES, C.; LINS, J. Percepção e memória da cidade: o ponto de cem réis. Arquitextos, São Paulo, ano 6, n. 68, jan. 2006. Disponível em: http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/06.068/393. Acesso em: 30 jul. 2018.

SMITH, P. J. A Percepção como uma relação: uma análise do conceito comum de percepção. Analytica, Rio de Janeiro, v. 18, n. 1, p. 109-132, 2014.

SURVEYMONKEY. Calculadora de tamanho de amostra. Disponível em: https://pt.surveymonkey.com/mp/sample-size-calculator/. Acesso em: 20 jul. 2018.

VASCONCELOS, P. A. A cidade, o urbano, o lugar. GEOUSP: espaço e tempo (Online), São Paulo, n. 6, p. 11 -15, ago. 2006. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/geousp/article/view/123359/119695. Acesso em: 31 jul. 2018.

VIANA, D. L. A urbanização extensiva [in]formal em Maputo a partir da reticula colonial. In: CONGRESSO INTERNACIONAL SABER TROPICAL EM MOÇAMBIQUE: HISTÓRIA, MEMÓRIA E CIÊNCIA, 2012, Lisboa. Atas [...]. Lisboa: Instituto de Investigação Científica Tropical (IICT), 2012. p. 1-21.

VIANA, D. L.; SANZ, J.; NATÁLIO, A. Aprendendo com a forma urbana de Maputo (in)formal. Revista de Morfologia Urbana, Porto Alegre, v. 1, p. 17-30, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2447-1747.2020v29n2p9

Direitos autorais 2020 GEOGRAFIA (Londrina)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Locations of visitors to this page

 

Geografia (Londrina)

ISSN: 0102-3888

E-ISSN: 2447-1747 

E-mail: revista.geografia.uel@gmail.com