Ecodesign gráfico: teoria e prática

Camila Santos Doubek Lopes

Resumo


A presente pesquisa tratou da adequação da prática do designer gráfico ao paradigma ecológico do Ecodesign, e da construção histórica e conceitual que permeia essa mudança, como a relação sociedade-natureza e o ambientalismo. Por ser um tema pouco explorado, não existe material completo de consulta no contexto nacional, tampouco a cultura de pensar o produto gráfico de modo menos impactante. O material de consulta para designers e educadores da área gráfica é ineficiente, pois se refere às etapas de impressão ou de projeto de produtos tridimensionais, ou ainda não possui dados técnicos sistematizados. O objetivo geral desta foi trazer as bases do ecodesign gráfico através da ótica geográfica. Os objetivos gerais foram: (i) realizar o levantamento histórico do Ecodesign Gráfico tendo como base os movimentos sociais ambientalistas; (ii) analisar ambientalmente os materiais e processos gráficos, definir as ferramentas estratégicas para o designer e, (iii) criar um Guia de práticas Ambientais para o designer gráfico. O método de interpretação empregado foi a dialética, e a ideologia ambiental para análise dos resultados foi a Verde. O meio técnico da pesquisa foi observacional, e o nível de pesquisa foi exploratório com delineamento bibliográfico. Foram realizados dois estudos de campo por meio de questionários. O primeiro, objetivou diagnosticar, através de questões fechadas, o posicionamento dos designers diante das questões ambientais e também quanto à utilização de ferramentas estratégicas. O segundo, que contou com questões abertas e fechadas, procurou identificar as impressões do designer gráfico sobre o Guia. A Análise de Ciclo de Vida foi realizada com o software SimaPro 8.1.1.16, e seus resultados averiguados por meio dos gráficos gerados. A pesquisa foi direcionada a partir dos resultados do primeiro diagnóstico, e evidenciada a demanda de criação de material de base para o designer. As análises ambientais destacaram a necessidade de mudança de determinados paradigmas estabelecidos, como o uso intensivo de enobrecimentos, papel revestido, preenchimento do layout com tintas, uso de determinadas cores especiais, entre outras práticas. A inversão dessas normas leva a um produto gráfico mais leve visual e ambientalmente, na contramão da tendência estética vigente, portanto demandando mudança do paradigma dessa estética. Uma compilação dos resultados foi feita e adaptada para o Guia, que foi diagramado e impresso. Os dados levantados mostram que, ao contrário do que os próprios designers imaginam, o produto gráfico de baixo impacto impactante é, em sua maioria, menos oneroso. Como recomendação para futuros estudos, indica-se realizar o diagnóstico da capacitação ambiental do designer na universidade.

Palavras-chave


Design gráfico; Ecodesign; Geografia.

Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2018 GEOGRAFIA (Londrina)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Locations of visitors to this page

 

Geografia (Londrina)

ISSN: 0102-3888

E-ISSN: 2447-1747 

E-mail: revista.geografia.uel@gmail.com