O MÍTICO E O MARAVILHOSO NOS CONTOS DE FADAS NA PÓS-MODERNIDADE: NOVAS VISÕES DO FEMININO

Livia Maria Rosa Soares, Ismael Arruda Machado Da Silva

Resumo


Este trabalho pretende analisar os contos juvenis Maria, Maria e Com sua voz de mulher de Marina Colasanti. Pretende-se investigar como as identidades de gênero se atualizam e são reafirmadas a partir das metáforas e alegorias presentes nas narrativas juvenis contemporâneas, uma vez elas redimensionam as representação dos papéis de gênero na pós-modernidade. Assim, ao relacionarmos as identidades femininas em tempos e espaços distintos em narrativas ficcionais, julgamos avançar no desvendamento das máscaras ideológicas reproduzidas em épocas distintas e entender como esses contos contribuem para o entendimento dos embates ideológicos vivenciados socialmente.

Palavras-chave


Representações de gênero; Tradição; Pós-modernidade; Contos juvenis.

Texto completo:

PDF

Referências


BETTELHEIM, Bruno. A psicanálise dos contos de fadas. Trad. Arlene Caetano. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2006.

BONNICI, Thomas. Teorias Estruturalistas. In: BONNICI, Thomas; ZOLIN, Lúcia Osana (Org.). Teoria Literária: abordagens históricas e tendências contemporâneas. 3. ed. Maringá: EDUEM, 2009. p. 117-142.

COELHO, Nelly Novaes. Dicionário Crítico de Escritoras brasileiras. São Paulo: Escrituras, 2002..

________. Literatura: arte, conhecimento e vida. São Paulo: Petrópolis, 2000.

________. O conto de fadas: símbolos, mitos, arquétipos. São Paulo: 2003.

________. Panorama histórico da literatura infantil juvenil: das origens indo-europeias ao Brasil contemporâneo. 4. ed. rev. São Paulo: Ática, 2003.

COLASANTI, Marina. Longe como meu querer. Rio de Janeiro Nórdica, 1995

COLASANTI, Marina. Um espinho de marfim e outras histórias. Porto Alegre: L&PM, 1999.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1993.

GIDDENS, A. Modernidade e Identidade. Tradução P. Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Kahar, 2002.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad. Thomas Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. 11. Ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

HUTCHEON, Linda. A incredulidade a respeito das metanarrativas: articulando pós-modernismo e feminismos. Trad. Margareth Rago. Labris – Estudos Feministas, n. 1-2, julho/dezembro de 2002.

___________. Uma teoria da paródia. Trad. Teresa Louro Peres. Lisboa: Edições 70, 1991.

JAMERSON, F. Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. 2ª Ed. São Paulo: Ática, 2006

LAJOLO, Marisa. No reino do livro infantil. In: ZILBERMAN, Regina (Org.) Os preferidos do público: os gêneros da literatura de massa. Petrópolis: Vozes, 2005.

LAURETIS, Tereza de. A tecnologia do gênero. In: HOLLANDA, H. B. (Org.). In: HOLLANDA, H. B. (Org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. R io de Janeiro: Rocco, 1994, p. 206-242.

SOARES. Lívia Maria Rosa. Representações Femininas nos contos de fadas de Marina Colasanti. Dissertação (Mestrado em Letras) Universidade Estadual do Piaui, Teresina, 2014.

MENDES, Mariza. Em busca dos contos perdidos: o significado das funções femininas nos contos de Perrault. São Paulo: Editora da UNESP / Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2000.

PERRAULT, Charles. Contos de Perrault. (Tradução de Regina Regis Junqueira). Belo Horizonte: Vila Rica, 1994.

ZOLIN, Lúcia Osana. Crítica feminista. In: BONNICI, Thomas; ZOLIN, Lúcia Osana (Org.). Teoria Literária: abordagens históricas e tendências contemporâneas. 3. ed. Maringá: EDUEM, 2009. p. 217-242.

ZOLIN, Lucia Ozana. Desconstruindo a opressão: a imagem feminina em “A República dos sonhos” de Nèlida Pinõn. Maringá: EDUEM, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br