O espectro da besta no homem em “Meu tio o Iauaretê”, de Guimarães Rosa

Geisy Nunes Adriano

Resumo


O animal habitou o primeiro círculo relacional do homem em sua relação com o mundo, tanto em forma de carne e couro, como sob o manto da magia. Povoa, também, o imaginário primitivo, tal como o contemporâneo, consistindo em uma de suas primeiras metáforas, ademais é tema recorrente na história das representações. Nesse contexto, o prisma literário disseca e expõe o espectro da besta entranhado no homem. Valendo-se, a literatura, de um raciocínio analógico sob essa relação, a presente pesquisa propõe a análise das representações de animais na obra “Meu Tio o Iauaretê”, de Guimarães Rosa, a partir do diálogo com produções literárias e filosóficas, tendo como referencial teórico os estudos de Agamben (2002), Bataille (1993), Deleuze; Guattari (2012), Derrida (2002), Maciel (2008; 2011), entre outros.

Palavras-chave


Guimarães Rosa; Humanidade e animalidade; Alteridade.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br