O cavalo atrás do bonde: o animal que o crítico não viu

Antonio Barros de Brito Junior

Resumo


Este artigo discute a diferença entre o humano e o animal da perspectiva do trabalho como categoria antropológica e social. Ao abordar os arquivos operários analisados por Jacques Rancière, o trabalho aponta para a possibilidade de emancipação operária através da fuga para o animal. Depois, negam-se as visões cartesianas e marxianas a respeito do animal e do humano em proveito da noção de devir-animal de Gilles Deleuze e Félix Guattari. Finalmente, propõe-se uma análise deleuziana e rancieriana do poema “pobre alimária”, de Oswald de Andrade, a fim de se indicar possíveis alternativas interpretativas à crítica sociológica de Roberto Schwarz.

Palavras-chave


Devir-animal; Trabalho; Oswald de Andrade; Roberto Schwarz.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br