O que nos conta o Coringa? – Sentidos da metateatralidade em Arena conta Tiradentes

ELZIMAR FERNANDA NUNES RIBEIRO

Resumo


No ano passado, a peça Arena conta Tiradentes (de Augusto Boal e Gianfrancesco Guarnieri) completou 50 anos de idade ainda despertando o interesse de jovens pesquisadores, mesmo tendo sido publicada uma única vez. A obra já dispõe de boa fortuna crítica, no entanto, ainda se percebe que as investigações têm dificuldade de avançar além da formulação teórica-interpretativa com que o coautor Augusto Boal apresenta a peça, logo na introdução do livro. O presente trabalho pretende analisar alguns dos estudos mais originais produzidos, buscando encontrar insights que permitam encontrar novas frentes de leitura e debates sobre a peça, especificamente a discussão sobre o estatuto do personagem Coringa.

Palavras-chave


Teatro brasileiro; Arte engajada; Sistema Coringa.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BOAL, Augusto; GUARNIEIRI, Gianfrancesco. Arena conta Tiradentes. São Paulo: Sagarana, 1967.

BOAL, Augusto. Teatro do oprimido e outras poéticas políticas. 2.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1977.

CAMPOS, Cláudia Arruda. Zumbi, Tiradentes: e outras histórias contadas pelo Teatro de Arena de São Paulo. São Paulo: Perspectiva; EDUSP, 1988.

COSTA, Iná Camargo. A hora do teatro épico no Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

GOLDFEDER, Sônia. Teatro de Arena e Teatro Oficina: o político e o revolucionário. 1977. 245 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Políticas) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, 1977.

KLAFKE, Mariana Figueiró. Heróis e coringas no palco: o Teatro de Arena prega a resistência. 180 f. Dissertação (Mestrado em Literatura Brasileira), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2016.

KONCOVÁ, Kamila. Arena: teatro nacional político. 61 f. Dissertação (Mestrado em Língua e Literatura Portuguesa) - Filozofická Fakulta, Masarykova Univerzita V Brn?, 2015. Disponível em: . Acesso em: 19 abr. 2018.

LEAL, Douglas. As funções do herói e do curinga em Arena conta Tiradentes: Estudo sobre o Teatro de Arena. Questão de Crítica: Revista eletrônica de críticas e estudos teatrais, Rio de Janeiro, v. II, n. 13, março de 2009. Disponível em: < http://www.questaodecritica.com.br/2009/03/as-funcoes-do-heroi-e-do-curinga-em-arena-conta-tiradentes/>. Acesso em: 19 abr. 2018.

MAGALDI, Sábato. Panorama do teatro brasileiro. 6.ed. São Paulo: Global, 1962/2004.

PATRIOTA, Rosângela. A escrita da história do teatro no Brasil: questões temáticas e aspectos metodológicos. História, São Paulo, v. 24, n.2, p.79-110, 2005. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/his/v24n2/a04v24n2.pdf> Acesso em: 19 abr. 2018.

PRADO, Décio de Almeida. O teatro brasileiro moderno. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1996.

RODRIGUES, Selma Calasans. Arena conta Tiradentes: uma experiência de teatro político, Revista Iberoamericana, Pittsburgh, EUA, v. L, n. 126, p. 221-228, 1984.

SCHWARZ, Roberto. O pai de família e outros estudos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br