ANTÍGONA E A DITADURA MILITAR BRASILEIRA: INTENSIFICANDO UM DEBATE DE IDEIAS

Bárbara Cristina dos Santos Figueira, ANDRÉ LUIS GOMES

Resumo


O presente estudo propõe uma investigação acerca da obra Antígona, de Sófocles, vinculada à montagem teatral homônima do Coletivo Calcanhar de Aquiles. Na busca pela atualização do debate de ideias, como é definida por Décio de Almeida Prado a referida tragédia, o Coletivo optou pelo desenvolvimento de reflexões sobre nosso passado recente, conectando o enredo da peça ao período ditatorial brasileiro. As questões suscitadas pelo clássico grego mostraram-se pertinentes ao objetivo de investigar o percurso e as bases ideológicas que permitiram a continuidade da estrutura ditatorial aos dias de hoje e, diante disso, investir no estudo crítico da Literatura e do Teatro.


Palavras-chave


Antígona; Ditadura Civil Militar Brasileira; Tragédia Grega; Coletivo Calcanhar de Aquiles.

Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES. Poética. Tradução: Eudoro de Souza. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Vitor Civita, 1979.

BARKER, Sir Ernest. Teoria política grega. Brasília: Editora UnB, 1978.

BENJAMIN, Walter. Origem do drama trágico alemão. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

________________. Magia e Técnica Arte e Política – Obras Escolhidas I, Tradução Sérgio Paulo Rouanet, São Paulo: Brasiliense, 1986.

BRAGA, A. E. Tese de Doutorado. As sementes de Cadmo: autoctonia, miasma, nemesis e o trágico nas tragédias do ciclo tebano. Coimbra, Portugal. 2015.

GAMA KURY, Mário. A Trilogia Tebana. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1989.

GOMES, L. D. Antígona: a persistência do mito. Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade de Passo Fundo - v. 5 - n. 1, 121-128 . 2009.

HEGEL, G.F.W. A Fenomenologia do Espírito. Tradução: Paulo Meneses. Petrópolis: Vozes, 2008.

_____________. Cursos de estética. Volume IV. São Paulo: Edusp, 2004.

LESKY, Albin. A Tragédia Grega. Tradução: J. Guinsburg, Geraldo Gerson de Souza e Alberto Guzik. Coleção Debates, São Paulo: Editora Perspectiva, 1990.

LUKÁCS, Gyorgy. O Romance Histórico, São Paulo: Ed. Boitempo, 2011.

_______________. Arte e sociedade: escritos estéticos 1932-1967. Org., Introd. e Trad. Carlos Nelson Coutinho e José Paulo Netto. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2009.

ORWELL, George. 1984. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1998

PISCATOR, Erwin. Teatro Político. Tradução de Aldo Della Nina. Rio de Janeiro, Editora Civilização Brasileira, 1968.

PRADO, Décio de Almeida. Apresentação do Teatro Brasileiro Moderno. São Paulo: Editora Perspectiva, 2001.

PRADO, Marco Aurélio Máximo. Da mobilidade social à constituição da identidade política: reflexões em torno dos aspectos psicossociais das ações coletivas. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 59-71, jun. 2002.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Editora da UNICAMP, 2007.

ROSENFELD, Anatol. Aulas de Anatol Rosenfeld (1968). A Arte do Teatro. Registradas por Neusa Martins. São Paulo: Publifolha, 2009.

ROSENFIELD, Kathrin Holzermaur. Antígona – de Sófocles a Hölderlin: por uma filosofia trágica da literatura. Porto Alegre: L&PM. 2000.

____________________________. Sófocles & Antígona. Coleção Filosofia Passo-a-passo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

SAFATLE, Vladimir & TELES, Edson (Org). O Que Resta Da Ditadura. São Paulo: Boitempo, 2010.

SANTOS, J. T. Antígona: a mulher e o homem. Humanitas: Universidade de Lisboa. 1995.

SANTOS, V. S. A dimensão formativa da tragédia grega: Sófocles. Filosofando: revista de filosofia da UESB. 2013.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. A escritura da memória: mostrar palavras e narrar imagens. Remate de Males, Revista do Departamento de Teoria Literária do IEL, UNICAMP, n. 26, v. 1 (Dossiê Literatura como uma arte da memória), p. 31-45, janeiro-junho, 2006.

SÓFOCLES. Édipo Rei. Antígona. Tradução de Donald Schuller. São Paulo: Martin Claret, 2005.

__________. A trilogia tebana: Édipo Rei, Édipo em Colono e Antígona. Trad. Mário da Gama Kury. 10. ed. Rio de Janeiro: J. Zahar. 2002.

__________. Antígona. Tradução de Lawrence Flores Pereira. Rio de Janeiro: Topbooks, 2006.

__________. Antígona. Tradução de Maria Helena da Rocha. 6ª Ed. Lisboa: Fundação Calouste Guberman, 2010.

SOUZA, Eudoro de. Leitura de Antígona. Brasília: Revista da Universidade de Brasília, 1978.

SZONDI, Peter. Ensaio sobre o Trágico. Tradução: Pedro Süssekind. Coleção Estéticas, Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

WILLIAMS, Raymond. Tragédia Moderna. Tradução: Betina Bischof. Coleção Cinema, Teatro e Modernidade. São Paulo: Cosac Naify, 2011.

Material Online

BASTOS, Hermenegildo. Arte e vida cotidiana: a catarse como caminho para a desfetichização. Disponível em http://www.herramienta.com.ar/coloquios-y-seminarios/arte-e-vida-cotidiana-catarse-como-caminho-para-desfetichizacao. Acesso em 02/01/2016 às 16:20.

CARVALHO, José Gilardo. Os extremos da história e a violência em Walter Benjamin. Disponível em http://www.gewebe.com.br/pdf/cad09/jose_gilardo.pdf. Acesso em 03 de setembro de 2016 às 23:09.

PENNA, Tiago. A nova barbárie segundo Benjamin. Disponível em https://pt.scribd.com/document/241848155/Tiago-Penna-A-Nova-barbarie-segundo-Benjamin-pdf. Acesso em 22 de setembro de 2016 às 08:07.

SAFATLE, Vladimir. A Verdade Enjaulada. Disponível em http://www.cartacapital.com.br/revista/793/a-verdade-enjaulada-9436.html. Acesso em 08 de fevereiro de 2015 às 22:02.

TELES, Janaína. Mortos e Desaparecidos Políticos. Disponível em https://www.marxists.org/portugues/tematica/livros/diversos/impunidade.pdf. Acesso em 13 de julho de 2016 ás 15:56.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br