Leitura literária: configurações atuais, limitações e possibilidades

Nelcy Teresinha da Rosa Kegler

Resumo


O artigo apresenta elementos relacionados à questão da leitura literária e à participação das instituições educacionais no processo de formação de leitores. Traça, também, um panorama da leitura frente ao resultado da última pesquisa do Pisa, de 2016, e apresenta programas e ações nacionais de promoção da leitura, bem como as novas mídias e o texto literário. Destaca o papel das organizações culturais, como as bibliotecas, na promoção da leitura, e o acesso das comunidades aos recursos informacionais. Por fim, expõe os desafios da leitura literária em relação à formação de leitores críticos providos de valores de cidadania no contexto dos desafios e exigências da sociedade contemporânea.

Palavras-chave


Leitura; Leitura literária; Práticas e ações de leitura; Cidadania.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Márcia. Cultura letrada: literatura e leitura. São Paulo: Ed. da UNESP, 2006.

ALVES, Elizeth da Costa Alves; CAMARGO, Flávio Pereira Camargo. A prática social da leitura literária e a formação do sujeito leitor: desafios e perspectivas. Travessias, 2008, v. 2, n. 3, pp. 1-19

AMORIM, Teoniza Leite. A leitura literária e a formação do leitor. 2010. Disponível em: . Acesso em: 4 jun. 2016.

ANDO, Marta Yumi.Uma leitura interdisciplinar de estudos sobre leitura. Acta Scientiarum Language and Culture, Maringá, 2009, v. 31, n. 1, pp. 85-93.

BASEIO, Maria Auxiliadora Fontana; BARRETO, Vanderlei Fernandes. A importância da leitura literária no ensino superior. Revista Lumen et virtus, mar. 2016, v. 7, n. 15, pp. 12-51.

BIBLIOTECA NACIONAL (Brasil). Biblioteca Nacional. 2017. Disponível em: . Acesso em: 30 maio 2017.

BORDINI, Maria da Glória; AGUIAR, Vera Teixeira de. Literatura: a formação do leitor. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1988.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas. Brasil no Pisa 2015. Brasília: MEC, 2016. Disponível em:. Acesso em: 2 jun. 2017.

BRITTO, Luiz Percival Leme. Contra o consenso: culura escrita, educção e participação. Campinas: Mercado de Letras. 2003.

CANDIDO, Antonio. Vários escritos. 5. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2011.

CEREJA, William. Gramática: texto, reflexão e uso. São Paulo: Saraiva, 1999.

CHARTIER, Roger. Práticas de leitura. 5. ed. Trad. Cristiane Nascimento. São Paulo: Estação Liberdade, 2011.

COUTINHO, Eduardo de Faria. A reconfiguração de identidades na produção literária da América Latina. In: ANDRADE, Ana Luiza; CAMARGO, Maria Lucia de Barros; ANTELO, Raúl (Orgs.). Leituras do ciclo. Ilha de Santa Catarina; Chapecó: ABRALIC/ Grifos, 1999. pp. 249-250.

______. Mutações do comparatismo no universo latinoamericano. In: SCHMIDT, Rita T. (Org.). Sob o signo do presente: intervenções comparatistas. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2010, pp. 31-42.

DUARTE, Márcia; WERNECK, Leonor. A literatura e o ensino de leitura para o público juvenil. In: CÍRCULO Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos. Congresso Nacional de Linguística e Filologia. Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro, ago. 2005, v. 9. Disponível em: . Acesso em: 30 maio 2017.

ESCARPITT, Robert; BAKER, Ronald. A fome de ler. Tradução de J.J. Veiga. Rio de Janeiro: FGV, 1975. 188 p.

FREIRE, Paulo. A importância de ler.48 ed. São Paulo: Cortez, 2008.

GERALDI, João Wanderley. A linguagem nos processos sociais de constituição da subjetividade. In: ROCHA, Gladys; COSTA VAL, Maria da Graça (Orgs.). Reflexões sobre práticas escolares de produção de textos: o sujeito autor. Belo Horizonte: Autêntica/CEALE, 2003, pp. 15-27.

IFLA. International Federation of Library Association and Institutions. [Federação Internacional de Associações e Instituições Bibliotecárias]. Diretrizes IFLA para bibliotecas escolares. Elaboradas pelo Comité Permanente da Secção de Bibliotecas Escolares da IFLA Edição de: Barbara Schultz-Jones e Dianne Oberg, com contribuições do Conselho Executivo da International Association of School Librarianship. 2.ed. Netherlands: IFLA, 2016. 80 p.

KILIAN, Carina; CARDOSO, Rosane Maria. Práticas de leitura literária: os casos de França e Brasil. 2012. Disponível em: . Acesso em: 22 maio 2017.

KLEIMAN, Ângela. Texto e leitor: aspectos cognitivos da leitura. 11. ed. Campinas, SP: Pontes, 2008.

LAJOLO, Marisa. Do mundo da leitura para a leitura do mundo. São Paulo: Ática, 1993.

LINDOSO, Felipe. MEC estuda mudar o PNBE: uma análise. 2017. Disponível em: . Acesso em: 22 maio 2017.

MAIA, Elizangela. Tiago da. Leitura literária: entre escolhas, leituras e mediação. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL PROCESSOS CIVILIZADORES: Civilidade, Fronteira e Diversidade. Seminário do Grupo de Pesquisa, 2012, v. 14. Dourados. Anais... Dourados, MT: UFGD, 2012, pp. 1-19.

MARIA, Luzia de. O clube do livro: ser leitor que diferença faz? São Paulo: Globo, 2009. 333p.

MARTINS, Maria Helena. O que é leitura. São Paulo: Brasiliense, 2015.

MELLO, Cláudio José de Almeida. Do incentivo à leitura: teoria da literatura, metodologia do ensino e a formação do leitor em questão. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Letras, linguística e suas interfaces, 2010, n. 40, pp. 177-190.

NEVES, Iara C. B. et al. (Orgs.). Ler e escrever: compromisso de todas as áreas. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 1998.

PAIVA, Thais. Brasil mantém as últimas colocações do PISA. Carta Educação, 6 dez. 2016. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2017.

QUEVEDO, Hercílio. F. Ler é nossa função essencial (ou não ?). In: RÖSSING, Tania M. K.; BECKER, Paulo. Leitura e animação cultural: repensando a escolar e a biblioteca. Passo Fundo: UPF Ed., 2002. p. 69-81.

RODELLA, Gabriela. A literatura não tem de partir dos clássicos. Galileu, 6 jul. 2014. Disponível em: . Acesso em: 30 maio 2017.

RODRIGUES, Luciana. Leitores sem fim: um documentário emocionante e reflexivo sobre a influências dos livros e das bibliotecas. Carta Capital, 29 maio 2017. Disponível em: . Acesso em: 30 maio 2017.

RODRIGUES, Maria Fernanda. 44% da população não lê e 30% nunca comprou um livro, aponta pesquisa Retratos da Leitura. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2017.

SÃO PAULO. Secretaria da Cultura. Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São Paulo. [s.d.]. Disponível em: . Acesso em: 29 maio 2017.

SILVA, Daniel Ribeiro da. Adorno e a indústria cultural. Ano 1, n. 4, maio 2002. Disponível em: . Acesso em: 25 maio 2017.

SILVA, Ezequiel Theodoro da. Leitura e realidade brasileira. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1997.

________. Leitura na escola e biblioteca. 8. ed. Campinas, SP: Papirus, 2003.

SILVA, Fernando Moreno da. Novas mídias: leitura e produção textual. Revista Odisseia, jan./jul. 2010, n. 5, pp. 1-10.

TUTIKIAN, Jane. A indústria cultural e o jovem leitor. Leitura em revista, Ijuí, ano 3, n.6, p. 9-12, Jul./dez/ 2003.

VARGAS, Suzana. Leitura: uma aprendizagem de prazer. Rio de Janeiro: José Olympio, 1997.

ZAHAR, Cristina. Roger Chartier: “Os livros resistirão às

tecnologias digitais”. Nova Escola, ago. 2007. Disponível em: . Acesso em: 3 jan. 2017.

ZILBERMAN, Regina, ROSSING, Tania M. K. Escola e leitura: velha crise, novas alternativas. São Paulo: Global, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br